Uso Consciente de Colírios: Protegendo a Saúde dos Seus Olhos

 

Os olhos são órgãos sensíveis e que estão constantemente expostos a elementos que podem irritá-los, como poeira e poluição. Por isso, é comum que muitos de nós, em algum momento da vida, enfrentemos desconfortos na região, como c oceira, vermelhidão, ardência ou irritação. 

Nessas horas, a tentação de usar colírios sem orientação médica pode ser grande, não é mesmo? No entanto, é crucial entender que os colírios são medicamentos e seu uso incorreto pode causar sérias consequências para a saúde ocular. Para evitar danos, vamos saber mais sobre como e quando usá-los com segurança. 

Uso correto de colírio: consulte um médico Oftalmologista 

 

Problemas de visão em adultos podem acontecer a qualquer momento. Então, tenha em mente que a primeira regra para o uso correto de colírio é simples: apenas utilize-os quando prescritos por um médico oftalmologista.  

 

Quando sentir algum desconforto nos olhos, seu primeiro passo deve ser buscar por orientação médica. Existem vários tipos de colírios, que são medicamentos destinados ao tratamento de inflamações e infecções oculares, e seu uso deve ser exclusivamente direcionado por um profissional de saúde. Assim você saberá qual e como usar para tratar seu problema em segurança. 

Os tipos de colírios 

Como mencionado, há variações nos tipos desse medicamento e cada composição tem suas indicações e cuidados. Saiba mais sobre alguns dos mais comuns: 

 

  • Corticoides: colírios que contêm corticoides são eficazes no tratamento de algumas condições oculares, mas seu uso deve ser estritamente monitorado por um especialista. A aplicação inadequada e sem supervisão médica pode levar ao desenvolvimento de glaucoma secundário e catarata. Portanto, nunca use colírios com corticoides sem a devida orientação de um oftalmologista. 

 

  • Vasoconstritores: colírios vasoconstritores são comumente usados para aliviar o desconforto ocular, proporcionando uma sensação de frescor e reduzindo a vermelhidão. No entanto, é importante observar que podem cortar os efeitos de medicamentos utilizados no controle da pressão arterial. Se você está enfrentando desconforto nos olhos, a opção mais segura é usar lágrimas artificiais para aliviar a irritação. 

 

  • Betabloqueadores: os colírios betabloqueadores são frequentemente prescritos para o tratamento do glaucoma. No entanto, é fundamental ter cuidado ao usá-los em conjunto com medicamentos broncodilatadores, que são usados para tratar condições como tosse, bronquite e asma. A combinação desses medicamentos pode causar falta de ar e outros problemas de saúde. Sempre informe seu oftalmologista sobre todos os medicamentos que você está tomando. 

Práticas Seguras ao Usar Colírios 

Para garantir o uso correto de colírio e com segurança, é fundamental seguir algumas práticas essenciais: 

 

  • Lave as mãos antes da aplicação do medicamento. 
  • Siga estritamente a dose recomendada e as instruções de uso do medicamento 
  • Se você usa lentes de contato, siga cuidadosamente as orientações do fabricante e do oftalmologista e redobre os cuidados. 
  • Aplique apenas uma gota de cada vez e não toque os olhos para evitar a contaminação. 
  • Lembre-se de que o frasco de colírio é de uso individual, nunca compartilhe com outra pessoa. 
  • Nunca encoste a ponta do aplicador nos olhos, pois seu contato pode transferir bactérias e outros agentes contaminantes para o interior dos olhos. 
  • Se você usa mais de um colírio, aguarde cerca de 15 minutos entre as aplicações. 
  • Em caso de qualquer irritação, vermelhidão ou desconforto, informe imediatamente seu médico. 

Consequências do uso indiscriminado de colírios 

O uso indiscriminado de colírios para tratar problemas de visão em adultos, e sem a devida supervisão médica, pode desencadear sérias consequências para a saúde ocular e geral. Alguns dos riscos incluem: 

 

  • Contaminação: os frascos de colírios são projetados para uso pessoal e, se compartilhados, podem se tornar vetores de doenças, mesmo que a outra pessoa esteja tratando a mesma condição. Cada organismo responde de maneira única ao tratamento e compartilhar colírios pode causar contaminação cruzada.  

 

  • Efeitos indesejados da automedicação: o uso inadequado de colírios pode piorar o quadro clínico. Um diagnóstico preciso deve ser feito por um médico, que pode exigir exames adicionais para determinar o tratamento adequado. 

 

  • Doenças graves: o uso incorreto de colírios pode resultar em condições graves, como úlceras na córnea, catarata e glaucoma, que, se não forem tratadas a tempo, podem levar à cegueira. 

 

  • Problemas cardíacos: colírios vasoconstritores, se usados de maneira incorreta, podem causar doenças cardiovasculares. Embora possa parecer improvável, os efeitos colaterais desses colírios podem afetar o sistema cardiovascular. 

 

Pode parecer algo simples, mas o uso correto de colírio inclui medidas básicas e muitas vezes esquecidas. Colírios são medicamentos, devendo ser usados com responsabilidade e somente sob a orientação de um oftalmologista.  

 

Em caso de desconforto ocular, não hesite em procurar ajuda profissional para obter um diagnóstico preciso e o tratamento adequado. Sua visão e saúde ocular são preciosas, e o uso correto de colírio é fundamental para mantê-las protegidas. 

 

Posts Relacionados

Capa do artigo
Entenda quais são os desafios atuais da oftalmologia no Brasil

A oftalmologia brasileira é reconhecida mundialmente pela excelência de seus profissionais e pelos estudos avançados que lidera na área. Entretanto, a especialidade enfrenta, atualmente, um cenário bastante desafiador, que não se dá somente pela falta de acesso à assistência oftalmológica para muitas pessoas no país, como também à precária infraestrutura de algumas clínicas e hospitais em oferecer os equipamentos de oftalmologia necessários para que os profissionais desempenhem sua função com mais segurança e precisão. 

O desafio da falta de acesso, por exemplo, acaba refletindo no cenário de catarata no Brasil, uma vez que esta acaba sendo uma das maiores causas evitáveis de cegueira no país. O aumento dos casos se dá em função das barreiras geográficas e financeiras que impedem muitas pessoas de realizarem consultas preventivas e/ou os procedimentos necessários para curar ou reverter os casos.  

Com isso, é de extrema importância que os profissionais da área estejam constantemente se atualizando sobre as tendências e tecnologias da especialidade, investindo em equipamentos de oftalmologia que sejam eficazes, duradouros e de fácil transporte, podendo ser levados a qualquer lugar. Bons exemplos do que existe de melhor para a oftalmologia brasileira são os aparelhos comercializados pela Advance Vision, líder do segmento no país. As lentes intraoculares e trifocais Triva permitem a correção da catarata, possibilitando uma visão funcional e desempenho resiliente contra efeitos colaterais multifocais indesejáveis por meio da tecnologia LIO inteligente. Já o CataRhex 3 é uma plataforma compacta e portátil que permite que cirurgias oftalmológicas de alta precisão e segurança sejam feitas em qualquer lugar, enquanto o Faros também funciona como um dispositivo cirúrgico de tecnologia inovadora que preza pelo conforto do paciente durante o procedimento.  

Ainda assim, a falta de investimento em tecnologia oftalmológica de ponta em muitas clínicas e hospitais do país também é um desafio, uma vez que acaba limitando a capacidade de oferecer diagnósticos precisos e tratamentos avançados para os pacientes. É o caso do teste do reflexo vermelho em recém-nascidos, também conhecido como teste do olhinho, cujo equipamento para realização não está presente em muitas maternidades do Brasil. Isso pode ter um impacto negativo na saúde infantil, já que o procedimento pode ajudar a evitar problemas de visão, como retinoblastoma e até cegueira. Por isso, investir em um bom retinógrafo, como o Retcam Envision, é essencial para driblar este cenário de falta de infraestrutura e ajudar na prevenção de quaisquer problemas de visão desde cedo.  

A importância de manter o nível de conhecimento atualizado e o consultório bem equipado com tecnologias de ponta também coloca o profissional à frente da concorrência com outros profissionais de saúde que oferecem serviços oftalmológicos, como optometristas e oftalmologistas generalistas. Mas o diferencial não se limita apenas a investir em aparelhos novos, de fácil manutenção e longa duração. Ter uma postura ética, estar atualizado com as leis e regulamentações médicas e ter uma abordagem sensível e empática ao lidar com pacientes que podem estar passando por problemas de saúde graves e estressantes também são pontos essenciais que colocam um profissional à frente de tantos outros.  

Por fim, um outro desafio enfrentado é o fato de que muitas pessoas só procuram oftalmos quando já estão com alguns sintomas fortes, que podem ser indicativos de doenças mais graves. Por isso, é igualmente importante investir em campanhas de educação e conscientização dos pacientes, transmitindo a mensagem de que consultas e exames preventivos são essenciais para prevenir problemas no futuro.   

 E para garantir que seu consultório esteja sempre atualizado com equipamentos oftalmológicos de ponta, entre em contato com a equipe comercial da Advance Vision e solicite uma cotação dos aparelhos mencionados.  

Leia o artigo
Capa do artigo
Ptose adquirida: o que é e como tratá-la

A Ptose é uma condição em que a pálpebra superior fica mais baixa do que o normal, podendo afetar um ou ambos os olhos e deixando a aparência da pessoa com aspecto cansado ou de sonolência. Ela pode ser congênita (vinda desde o nascimento) ou surgir ao longo da vida, sendo chamada de Ptose adquirida, sobre a qual falaremos aqui. 

A Ptose adquirida pode ser causada por uma série de fatores, como o envelhecimento natural, lesões oculares, doenças neurológicas, uso prolongado de lentes de contato e até mesmo exposição a toxinas. O que muitas pessoas não sabem ao ver alguém com a condição é que ela vai muito além da estética.  

Atenção à funcionalidade dos olhos 

Não podemos negar que o impacto estético pode gerar incômodos para as pessoas acometidas pela condição. Mas é importante destacar um outro lado que muitas vezes é pouco conhecido pelas pessoas em geral: a funcionalidade dos olhos. 

Quando há a ptose, a pálpebra superior pode cobrir uma parte significativa da córnea e até mesmo da pupila, causando danos aos olhos. Assim, os principais sintomas da ptose também incluem visão embaçada e dificuldade em manter os olhos abertos. Em casos mais graves, pode afetar a visão causando estrabismo ou ambliopia, um problema de ligação entre olho e cérebro, onde o cérebro ignora a informação de um dos olhos e os músculos que os rodeiam não funcionam de forma correta, tornando o olho “fraco”. 

O tratamento da ptose adquirida 

A ptose adquirida pode ter níveis variados: leve, moderada ou severa. É necessário realizar um exame oftalmológico completo para identificar o nível de ptose, determinar as causas do problema e tratamento.  

Geralmente,o tratamento consiste em cirurgia, que pode ser realizada pelo oftalmologista estético (oculoplasta). Durante a cirurgia, o excesso de pele e gordura é removido da pálpebra, permitindo que ela se levante e abra corretamente. 

Esse tratamento com oculoplasta é um procedimento seguro e eficaz, que pode proporcionar uma melhoria significativa na aparência e na função das pálpebras. Após a cirurgia, o paciente pode sentir algum desconforto ou inchaço, mas esses sintomas desaparecem em alguns dias. 

Caso tenha qualquer sintoma relacionado à doença, lembre-se que a ptose adquirida pode afetar a qualidade de vida do paciente e, por isso, deve ser tratada o mais cedo possível. Se você está enfrentando esse problema, procure um oftalmologista especializado em ptose para avaliação e tratamento adequados.  

Leia o artigo
Capa do artigo
Crianças e telas: 5 dicas para protegê-las dos riscos

Há poucos anos, em um passado nada distante, era comum nos espantarmos com a destreza com a qual crianças lidavam com tecnologias, principalmente com os smartphones. Atualmente isso é tão comum que não há espanto ao ver um pequeno acessando vídeos nos aparelhos de seus pais, por exemplo.  

Essa mudança traz muito além do que um comportamento que se altera conforme as evoluções de nossa sociedade. Principalmente quando falamos de tela, o tempo dedicado a elas pode trazer efeitos negativos, como a miopia infantil, por isso o excesso de uso deve ser um ponto de alerta para os pais e responsáveis por crianças.  

Nas linhas que seguem falaremos mais sobre isso, os limites de uso recomendados e algumas dicas para lidar com a relação entre crianças e telas. 

Crianças, o uso de smartphones e tablets e suas consequências 

De acordo com a pesquisa “Crianças Digitais”, realizada pela Kaspersky em parceria
com a CORP em 2020, 73% das crianças no Brasil recebem seu primeiro smartphone ou tablet antes dos 10 anos. Surpreendentemente, 49% delas começam a utilizá-los antes dos 6 anos. E, na ocasião da pesquisa, 18% das crianças no Brasil passavam mais de 4 horas diárias conectadas à internet.  

Esses números destacam a presença significativa da tecnologia na vida das crianças e a elevada quantidade de tempo que ela ocupa. Considerando nosso contexto atual e os acontecimentos dos últimos anos (pandemia), essa frequência de uso pode ter aumentado desde então. 

Além dos riscos que o uso da internet pode apresentar para a segurança dos pequenos, se feito sem a supervisão adequada, há os danos à saúde física e emocional. Uma pesquisa da Universidade Federal do Ceará publicada em 2021 mostrou que cada hora adicional de tempo de tela associa-se a menores níveis nos domínios de comunicação infantil, de resolução de problemas pessoais-sociais e do desenvolvimento. O estudo é realizado anualmente com 3.000 crianças desde 1987. 

A saúde física também pode ser comprometida. Um levantamento recente do Conselho Brasileiro de Oftalmologia (CBO) alerta para o avanço dos casos de miopia infantil e nos adolescentes – a taxa de progressão desse distúrbio visual cresceu em 70% dos pacientes de 0 a 19 anos a partir de 2020. E para 75% dos oftalmologistas consultados, a causa principal é a exposição aumentada dos jovens às telas de equipamentos eletrônicos. 

Há, ainda, várias outras possíveis consequências para a saúde e o bem-estar, incluindo transtornos mentais (como ansiedade e depressão) e de sono e alimentação, irritabilidade, queda no rendimento escolar, e dificuldade nas relações sociais pessoais, levando ao isolamento. 

Tempo de tela recomendado por idade: 

Lidar com os anseios das crianças pela diversão com as telas não é tarefa fácil e limitá-los totalmente também pode não ser o melhor caminho para muitas famílias, mas não há dúvidas que o controle é fundamental. 

Para melhor compreender os impactos do uso de telas e apoiar os pais e responsáveis nesse assunto, várias entidades médicas conduziram estudos e forneceram recomendações. Confira abaixo as principais diretrizes e recomendações. 

 

AAP (Academia Americana de Pediatria): 

  • Menores de 18 meses: evitar o uso de telas, com exceção de videochamadas para fortalecer laços afetivos. 
  • De 18 a 24 meses: usar mídia por períodos curtos, com programas de alta qualidade, e assistir com a criança para ajudá-la a compreender o que está sendo exibido. 
  • De 2 a 5 anos: limite de 1 hora por dia, com acompanhamento dos pais para focar em programas de alta qualidade. 
  • A partir dos 6 anos: não há uma limitação rígida de tempo, mas os pais devem estabelecer limites consistentes, considerando outras atividades da criança e garantindo o sono adequado. 

SBP (Sociedade Brasileira de Pediatria): 

  • Crianças menores de 2 anos: evitar a exposição a telas, mesmo que de forma passiva. 
  • Entre 2 e 5 anos: limitar a uma hora por dia, com supervisão de um adulto. 
  • Entre 6 e 10 anos: limitar o tempo de tela a uma ou duas horas por dia, com supervisão. 
  • Entre 11 e 18 anos: manter a exposição às telas entre 2 e 3 horas por dia, com supervisão, evitando atividades noturnas em detrimento do sono. 

 

OMS (Organização Mundial de Saúde): 

  • Até 1 ano: não é recomendado contato com telas. 
  • 1 ano: evitar tempo sedentário nas telas, priorizando programas educacionais ou que estimulem atividades. 
  • 2 anos: limite de até uma hora, mas sempre minimizando o tempo. 
  • 3 a 4 anos: o tempo sedentário não deve ultrapassar uma hora. 

É importante lembrar que todas as entidades enfatizam que o tempo de tela deve ser
encerrado aproximadamente duas horas antes de dormir, e que não devem ser
usadas durante as refeições e outras atividades. 

5 dicas para proteger as crianças durante o uso 

Elencamos algumas dicas para ajudar na gestão da relação entre crianças, telas e tecnologias: 

  1. Siga as recomendações das entidades de saúde em casos de exposição às telas, com tempo definido conforme a idade. 

 

  1. Não permita que os pequenos acessem conteúdo sem acompanhamento, isso ajuda a evitar materiais impróprios e faz com que o tempo na tela gere aprendizado e interação com os pais ou responsáveis. Ainda, use tecnologias de controle parental para limitar e monitorar os conteúdos acessados. 
  1. Estimule a realização de outras atividades, como brincadeiras ao ar livre e educativas, para que a criança reconheça que há inúmeras alternativas para diversão. 
  1. Seja exemplo: também controle seu tempo de uso de telas e aproveite o tempo com as crianças para atividades diferentes. 
  1. Mantenha um acompanhamento médico constante e atenção a qualquer sinal de alteração de comportamento ou saúde. O teste do olhinho, por exemplo, identifica muitas doenças, como retinoblastoma. 

 

Independentemente da idade da criança, tenha sempre em mente que o controle sobre o tempo de tela é fundamental para seu desenvolvimento saudável. É importante estabelecer limites e incentivar outras atividades saudáveis para equilibrar o uso da tecnologia. Afinal, a tecnologia pode ser uma ferramenta valiosa quando usada de forma consciente e moderada, sendo cada vez mais presente no dia a dia dos pequenos conforme crescem e se desenvolvem. 

 

 

Leia o artigo