Triagem visual: as diretrizes de atenção para a saúde ocular na infância

Responsável por grande parte do desenvolvimento psicomotor do bebê, a visão é uma grande aliada na educação. De acordo com a OMS, anualmente 500 mil crianças ficam cegas, e 80% desses casos poderiam ser evitados com um diagnóstico precoce. Por isso, a triagem visual é imprescindível para que a visão dos recém-nascidos se desenvolva e ele possa aprender gestos e condutas sociais. Entenda aqui as diretrizes de atenção para a saúde ocular na infância, assim como os equipamentos oftalmológicos a serem utilizados em cada etapa.

Diretrizes de atenção nas diferentes fases da infância

Criado diretamente pelo Ministério da Saúde, as diretrizes de atenção são como um verdadeiro manual de conduta para profissionais do ramo. Confira:

Pré-Natal

Durante o pré-natal, o atendimento se baseia na identificação de situações de risco e intervenção. 

O primeiro passo é a análise da condição em que as crianças estão expostas e que podem afetar a visão dos recém-nascidos, sendo elas: 

> História familiar e gestacional

> Fatores hereditários

> Infecções

> Exposição às drogas

> Medicações

> Fatores nutricionais e metabólicos

Já a intervenção se baseia na orientação aos pais sobre esses diversos fatores e suas consequências, ou o encaminhamento para unidades especializadas em gestação de alto risco.

Neonatal

O atendimento neonatal pode acontecer em três diferentes localidades: a sala de parto, alojamento conjunto e unidade neonatal. Em cada uma a análise deve ser feita de uma forma diferente.

No local do parto, a triagem visual deve ser feita como uma inspeção ocular e anexos (como íris, pupila e córnea).

No alojamento conjunto deve ser feita a inspeção de fatores de risco, a inspeção ocular e o teste do reflexo vermelho, que é realizado com um equipamento oftalmológico chamado oftalmoscópio. 

Já na unidade neonatal é feita apenas a inspeção de fatores de risco.

Crianças de 0 a 3 anos

Nesta idade, o atendimento se baseia na identificação de situações de risco, junto a ela se dá início à análise de história patológica pregressa, sendo estas: 

> Radiação

> Acidentes, traumas e maus-tratos 

> Malformação congênita e síndromes 

> Alterações neurológicas 

> Prematuros 

> Infecções sistêmicas e locais 

É feito também feita a inspeção ocular, anexos e uma avaliação funcional, que buscam identificar se a visão dos recém-nascidos está acompanhando o desenvolvimento natural. Junto a isso também é feito o teste do reflexo vermelho.

Para uma triagem visual mais rápida e completa, o  Spot Vision Screener é um equipamento oftalmológico de alta tecnologia, sendo a opção ideal até para pacientes não cooperativos a partir de seis meses de idade. Basta configurar a máquina e, com até um metro de distância, o exame é feito em segundos.

Crianças de 3 anos e 1 mês a 5 anos

Assim como na fase anterior, para crianças desta faixa etária a triagem visual se baseia em quatro etapas:

> Identificação de situações de risco e de história patológica pregressa

> Avaliação funcional

> Inspeção ocular e anexos 

> Teste com Spot Vision Screener

Crianças de 5 anos e 1 mês a 10 anos

A mesma triagem indicada na etapa anterior se mantém, entretanto um exame de acuidade visual passa a ser feito.

Crianças e adolescentes de 10 anos e 1 mês a menores de 16 anos

Para crianças dessa faixa etária, o mesmo processo de avaliação deve ser feito.

Entender todas as diretrizes pode até parecer um grande desafio, considerando que a visão da criança passa por uma evolução muito rápida e, por isso, os protocolos de atendimento possuem grandes particularidades. 

Mas não há o que se preocupar, com equipamentos oftalmológicos de qualidade, como o Spot Vision Screen todo o processo se torna mais rápido e fácil. Saiba mais sobre o assunto em: 5 dicas para escolher a melhor empresa de equipamentos oftalmológicos e 7 equipamentos oftalmológicos essenciais para o seu consultório.

Posts Relacionados

Capa do artigo
Retinopatia diabética: saiba mais sobre essa doença silenciosa que pode ser evitada

A retinopatia diabética é uma das maiores e mais graves complicações para pessoas portadoras de diabetes. Segundo estimativas da Organização Mundial da Saúde (OMS), todos os anos, um milhão de diabéticos perdem a visão pela falta de informação dos riscos que a falta de tratamento adequado para a doença pode trazer.   

Por isso, é de extrema importância que pessoas diagnosticadas com diabetes, principalmente a tipo 2, façam exames oftalmológicos assim que recebem o diagnóstico, a fim de prevenir a deficiência visual e até mesmo a cegueira. A recomendação é que os pacientes tenham acompanhamento constante de um oftalmologista especialista na patologia e que façam os devidos exames, pelo menos, uma vez ao ano.   

E para que o médico esteja apto a diagnosticar e tratar adequadamente a doença, é fundamental que tenha em seu consultório os mais avançados equipamentos oftalmológicos, como o retinógrafo RetCam Envision, que faz fotografias de alta resolução dos olhos, e o facoemulsificador FAROS, plataforma de cirurgias oculares de alto nível. 

Tais ferramentas possibilitam até mesmo prevenção e cuidados da catarata, vitrectomia e glaucoma, doenças que podem ser aceleradas pela retinopatia diabética caso o acompanhamento não seja feito da forma correta e a tempo. Visitas recorrentes ao oftalmo e exames periódicos devem sempre estar no radar dos médicos e pacientes, porque até mesmo pessoas com o diabetes devidamente controlado podem sofrer com estes males.  

Retinopatia diabética: prevenção e tratamento 

Por se tratar de apenas uma das muitas complicações do diabetes, é fundamental que o paciente invista em um estilo de vida saudável por meio da prática de exercícios, alimentação equilibrada e visitas recorrentes aos médicos especialistas.

Dentre os tratamentos disponíveis, no caso de um estágio mais avançado da doença, é recomendada a fotocoagulação retiniana, também conhecida como laser de retina, que “destrói” a parte periférica da retina, mas preserva a região central onde fica o foco da visão. As injeções de anti-angiogênicos também têm demonstrado certa eficácia no tratamento da doença, mas devem ser aplicadas de forma vitalícia, uma vez que o medicamento dura somente um mês dentro do olho.

Dependendo do caso, até mesmo cirurgias devem ser feitas como forma de tratar a retinopatia diabética, mas é importante lembrar que a doença não tem cura. A melhor forma de retardar suas consequências é fazer acompanhamento recorrente com médicos especialistas em cuidados com a catarata, glaucoma e outras doenças, cujos consultórios contam com o auxílio dos melhores equipamentos oftalmológicos, como os da Advance Vision, empresa pertencente ao Grupo JL Health, que atua no setor da saúde desde 2002. 

 

Leia o artigo
Capa do artigo
Oculoplástica: um panorama das tecnologias disponíveis para o setor

A área de oculoplástica – ou plástica ocular – vem crescendo e ganhando cada vez mais espaço no Brasil, o que traz boas perspectivas de atuação para os profissionais da especialidade. Com uma crescente constante na demanda por cirurgias estéticas e reparadoras na região dos olhos nos últimos anos, impulsionada principalmente pelo envelhecimento da população brasileira e pela crescente preocupação com a aparência física, o mercado se mostra extremamente promissor não apenas para quem já atua, mas também para os profissionais que buscam se especializar nela.   

Mas a oculoplástica não se trata apenas de estética. Este tipo de cirurgia ocular também atua em diversas outras áreas, como na reparação das pálpebras, vias lacrimais, órbita e córnea, bem como no tratamento de doenças oculares e traumas faciais. Isso significa que há uma ampla gama de atuações e especialidades dentro da plástica ocular, o que torna essa área ainda mais versátil e com muitas possibilidades de atuação.  

Outro fator importante é a disponibilidade de tecnologias para oculoplástica e equipamentos oftalmológicos de última geração, que permitem procedimentos cada vez mais seguros, precisos e menos invasivos. É o caso de alguns dos aparelhos comercializados no Brasil pela Advance Vision, empresa parte do grupo JL Health, que atua no setor da saúde desde 2002. A empresa atua fortemente no setor da saúde, sendo líder na importação de aparelhos dermatológicos de tecnologia de ponta, que podem ser utilizados para diversas finalidades. Algumas das soluções disponíveis no portfólio da empresa para a oculoplástica são:  

 

  • Agnes: Aparelho cuja tecnologia performa eletrocirurgias de alta precisão em radiofrequência, permitindo o tratamento de diversas condições dermatológicas, incluindo as que afetam a região dos olhos. Pode ser utilizado para tratamento de xantelasma (depósitos de gordura na pele das pálpebras), siringoma (tumores benignos que surgem na pele, causados pelas glândulas sudoríparas), remoção de bolsas de gordura nas pálpebras inferiores e superiores, entre outras aplicações. 

 

  • Ultraformer III: Tecnologia de ultrassom focalizado de alta intensidade que pode ser utilizado para tratamentos de lifting facial não cirúrgicos, incluindo a região dos olhos. O aparelho atua estimulando a produção de colágeno na pele, ajudando a melhorar a flacidez e as rugas ao redor dos olhos, promovendo o tão desejado efeito “fox eyes”. 

 

  • Lavieen: Laser de thulium que estimula o colágeno e elastina na pele, podendo ser usado para tratar rugas, flacidez, olheiras e outros problemas de pele ao redor dos olhos. 

 

  • Endymed: Plataforma de radiofrequência que pode ser utilizado para tratamentos de rejuvenescimento facial e corporal. Na oculoplástica, o equipamento pode ser usado para tratar flacidez, rugas e linhas finas ao redor dos olhos, além de reduzir bolsas de gordura nas pálpebras. 

 

É importante ressaltar que essas tecnologias devem ser utilizadas por profissionais qualificados e com experiência em oculoplástica, a fim de garantir a segurança, eficácia e os resultados esperados e desejados pelos pacientes.  

Por se tratar de uma área altamente especializada, que exige uma formação acadêmica rigorosa e constante atualização profissional, os oculoplastas devem estar sempre atentos às novidades e tendências, visando oferecer os melhores tratamentos da forma mais segura e eficaz possível.   

As tecnologias citadas aqui podem ser adquiridas por meio do contato com a equipe comercial da Advance Vision. Para saber mais sobre cada uma delas, entre em contato pelo site 

Leia o artigo
Capa do artigo
Mutirões de Catarata pelo Brasil exigem cuidados adequados

O Conselho Brasileiro de Oftalmologia vem alertando para o risco do contágio da bactéria pseudomonas em mutirões para cirurgia de catarata. No início de 2022, em Porto Velho, o Mutirão da Catarata atendeu a 360 pessoas, das quais 40 foram diagnosticadas posteriormente com endoftalmite, inflamação intraocular. Dessas, 13 foram causadas pela bactéria pseudomonas, cuja ação é considerada de extrema gravidade e pode levar à perda da visão. 

Mutirões da Catarata  

O Mutirão da Catarata é um evento que mobiliza variados órgãos dos poderes público e privado, além de voluntários e instituições, para viabilizar a cirurgia da catarata para a população necessitada. Esses mutirões para realização de cirurgia de catarata são muito populares em todo o Brasil e possuem uma grande importância para a população, uma vez que permite que pessoas que, muitas vezes, estão há anos aguardando a cirurgia, realizem o procedimento.  

A catarata atinge cerca de 65,2 milhões de pessoas mundialmente, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), e é considerada uma das maiores causas de cegueira evitável. A catarata é uma nebulosidade total ou parcial na lente do olho, ou seja, no cristalino, levando a uma visão cada vez mais desfocada, e tem o risco aumentado com a idade. A cirurgia de catarata consiste em substituir o cristalino opaco por uma prótese chamada de lente intraocular 

Responsabilidade 

Um dos pontos mais importantes a se ter atenção durante os mutirões para cirurgia de catarata é a assepsia dos locais onde os procedimentos ocorrem. A higiene básica é o primeiro passo para evitar a contaminação por bactérias que podem causar inflamações oculares. Também é muito importante que todos os protocolos de segurança sejam seguidos, como a supervisão realizada por médicos especializados, participação de profissionais capacitados, locais apropriados para realização da cirurgia e acesso a medicação devida. 

Igualmente relevante é a orientação correta sobre higiene e os cuidados com o olho no período pós-cirúrgico. Dessa forma, o paciente corre menos risco de desenvolver complicações.  

Equipamentos oftalmológicos 

Os mutirões para cirurgia de catarata nem sempre ocorrem em clínicas ou hospitais, uma vez que visam atender a um grande número de pacientes. Por isso, é importante que os oftalmologistas que participam desse tipo de evento possuam equipamentos oftalmológicos portáteis e de fácil transporte. 

Um exemplo é o CataRhex 3, plataforma portátil, ideal para o uso em mutirões, comercializada pela Advance Vision. Com dimensões compactas e pesando apenas cinco quilos, o equipamento oftalmológico é voltado para mobilidade e portabilidade, sem que o desempenho seja comprometido. 

Especialmente em situações inusitadas ou sob pressão de tempo, é essencial que a cirurgia ocular possa ser realizada de forma simples e eficiente. É por isso que a plataforma cirúrgica CataRhex 3 foi consistentemente voltada para a facilidade de uso e dispensa navegação complicada no menu. 

Entre as principais vantagens da plataforma estão: painel de controle amigável, bomba SPEEP exclusiva para controle manual da capacidade de retenção, controle preciso de fluxo com bomba peristáltica, tecnologia easyPhaco para emulsificação segura e eficiente, capsulorhexis simples por meio da Capsulotomia HF, plataforma pronta para operação em cinco segundos e pedal multifuncional robusto e preciso. 

Leia o artigo