fbpx
Tecnologia
Compartilhe:

Tecnologia: excesso de exposição às telas cria novas doenças nos olhos

Postado em 9 de janeiro de 2020 por advancevision

A miopia já é apontada como a epidemia do século pela Organização Mundial de Saúde (OMS). A previsão é de que em 2020 cerca de 35% da população brasileira esteja sofrendo com essa doença nos olhos. Mais assustador ainda é pensar que até 2050 esse índice pode chegar a 52%.

A questão é que a saúde dos olhos deixou de ser prioritariamente baseada em fatores genéticos. Hoje, o excesso de exposição da visão das pessoas às telas de TV, smartphone e monitor de computador começam a disputar liderança nas causas de doenças oculares.

Duas novas doenças dos olhos muito comuns

Infelizmente, seja por conveniência, necessidade ou descuido, as crianças têm passado cada vez mais tempo diante das telas de TV, smartphone e monitor de computador. Os jovens e adultos, por sua vez, acabam recorrendo aos dispositivos para estudo, entretenimento, informação ou trabalho. Esse novo hábito criou duas novas doença nos olhos:

#1 – Falsa miopia

A miopia é caracterizada pela dificuldade que uma pessoa tem de enxergar objetos, pessoas ou elementos que estão longe do seu local de origem. Pensando no aspecto genético, esse erro de refração pode ser diagnosticado após constatar-se que o olho da pessoa é mais longo do que o normal, o que faz com que os raios solares e de luz sejam focados na retina e prejudiquem a visão de longe. Agora, considerando as questões de hábitos de vida, é possível que um ser humano adquira falsa miopia devido à contração da musculatura do olho, já que, na maior parte do tempo, prefere-se fixar os olhos em telas que estão ao alcance das mãos, no lugar de contemplar o que está mais distante. 

#2 – Síndrome da visão de computador

Essa doença nos olhos, que tem entre seus sintomas o embaçamento temporário da visão, é causada pela exposição às telas durante longos e ininterruptos períodos. Em geral, o incômodo ocular pode vir acompanhado por cansaço, secura nos olhos e dores de cabeça e no pescoço.

Bons hábitos para preservar a saúde dos olhos

Estamos na Era Digital, então não dá para pedir que os pacientes simplesmente se afastem dos recursos tecnológicos para não adquirirem doença nos olhos. Mas, é possível orientá-los a ter bom senso no tempo de contato com telas de TV, smartphones e computadores, além de adotar algumas boas práticas:

  •     Evitar a luz direta nos olhos com o uso de óculos ou telas protetoras;
  •     Manter o ambiente iluminado com luz natural ou artificial;
  •     Manter uma distância mínima de 50 centímetros da tela;
  •     A cada 1h30 fixar os olhos em objetos à distância; 
  •     Piscar com frequência para lubrificar os olhos.

Atenção especial à saúde dos olhos das crianças

A recomendação da Academia Americana de Pediatria para a saúde dos olhos é que as crianças menores de dois anos de idade não sejam expostas a aparelhos tecnológicos. Dos dois aos cinco anos, o tempo de uso diário de dispositivos não deve ultrapassar uma hora. Já crianças com mais de cinco anos e adolescentes devem ficar conectadas até, no máximo, duas horas por dia.

Os prejuízos vão além da doença nos olhos

É importante que, no momento da consulta, o oftalmologista explique ao paciente que os problemas relacionados ao excesso de contato com a tecnologia vai muito além da saúde dos olhos. O hábito pode causar, por exemplo, alterações posturais, hiperatividade, distúrbio social e déficit de atenção.

Agora que você já recebeu ou relembrou todas essas informações, empenhe-se em orientar os pacientes a desfrutarem de todos os benefícios gerados pela tecnologia, mas sem deixar de manter constante atenção ao que ela tira da nossa vida, seja em relação à saúde, qualidade de vida ou relação com as pessoas.


Posts Relacionados