Entenda a relação da alta miopia com outros problemas oculares

Conviver com a miopia pode ser um verdadeiro desafio. Além das próprias dificuldades que a enfermidade ocasiona para o paciente, como dores de cabeça e o uso de lentes, assim como sua série de cuidados, o alto míope sofre também com a maior probabilidade de desenvolver uma série de doenças por conta do alongamento do globo ocular. Uma forma inovadora de solucionar essa dificuldade é a correção da miopia com lentes intraoculares ICL, que chegaram no mercado trazendo alto nível de satisfação.

Degenerações periféricas da retina

Responsável por captar e decifrar as imagens, a retina é uma camada fina que cobre todo o globo ocular, mas, a miopia é uma doença que está diretamente ligada com o alongamento dessa região. Principalmente para o alto míope, em que o alongamento é maior, a retina se torna mais frágil e fina.

Para evitar o surgimento dessa enfermidade, o ideal é focar na correção da miopia com lentes intraoculares, corrigindo o alongamento do globo e reduzindo a necessidade da retina se estirar. É necessário ressaltar que a degeneração periférica da retina ainda não há cura, entretanto o tratamento mais comum para esses casos é a fotocoagulação a laser.

Ruptura da retina

Assim como o alto míope tem maior probabilidade de desenvolver a degeneração periférica da retina, a sua ruptura também é algo que se dá diretamente pela necessidade do estiramento da membrana. Por ela tornar-se ainda mais frágil, fendas podem acontecer na retina. 

O sintoma mais comum dessa enfermidade é a visão de manchas escuras. É possível considerar que a ruptura seria como um agravamento das degenerações, tendo como uma boa forma de prevenção a correção de miopia com lentes e o mesmo tipo de tratamento indicado, a fotocoagulação a laser. 

Descolamento da retina regmatogênico

A falta de tratamento de rupturas na retina podem causar o descolamento do vítreo posterior, sendo uma enfermidade óptica grave e comum para o alto míope. 

Entre 40% e 55% dos pacientes com descolamento da retina são míopes e a consequência dessa doença é a morte celular que, em seu agravamento pode chegar até mesmo à cegueira.

Os sintomas são semelhantes ao de ruptura da retina, com manchas na visão ou flashes de luz, dessa forma, ao sentir os incômodos é necessário marcar com urgência uma consulta com o oftalmologista. 

Para a resolução do descolamento é necessária a realização de uma cirurgia de vitrectomia.

Degeneração Miópica

A degeneração miópica está diretamente relacionada ao grau do alto míope, isso porque com o alongamento do globo é possível que a retina passe por uma atrofia progressiva. O resultado desse processo é o de redução na visão, hemorragias e o desenvolvimento de membranas neovasculares na mácula.

O oftalmologista poderá prescrever o melhor tipo de tratamento para o seu caso e nível de progressão da degeneração a partir de um mapa de retina, entretanto a possibilidade mais comum são injeções intravítreas.

Glaucoma

Considerada uma doença comum, o glaucoma é uma enfermidade que precisa de um tratamento correto, pela sua capacidade de desenvolver um quadro perigoso causando até mesmo a cegueira do paciente.

O glaucoma é uma enfermidade que se dá a partir de lesões no nervo óptico, causadas pelo grande nível de pressão intraocular. Entretanto, ainda que durante muito tempo essa doença tenha sido diretamente vinculada com questões de idade, um estudo publicado na Ophthalmology afirma que míopes têm o dobro de chance de desenvolver a doença.

Para evitar o desenvolvimento dessas diferentes enfermidades, uma solução segura é a correção da miopia com lentes, como a EVO Visian ICL, que possui mais de 20 anos de pesquisas e traz a taxa de satisfação de 99,4% dos pacientes. Feita com um material biocompatível, está presente em 75 países e é uma grande aposta do mercado brasileiro. Para saber mais sobre, confira o post: Lentes de contato para alto míope: quando elas deixam de ser uma opção?

Posts Relacionados

Capa do artigo
Cirurgias de correção de miopia e saúde mental

Nunca se falou tanto em saúde mental como atualmente. Dados da OMS (Organização Mundial da Saúde) mostram que 450 milhões de pessoas são afetadas diretamente por transtornos mentais, a maioria delas está nos países em desenvolvimento. E não para por aí: uma em cada quatro pessoas com alterações visuais tem depressão e a cirurgia de correção para o alto míope pode influenciar nesses números alarmantes, já que entre as doenças que causam mais incômodos e que prejudicam a saúde mental segundo o estudo, está o olho seco – uma consequência inclusive da cirurgia de correção da miopia com lente Lasik.

A saúde ocular está estreitamente conectada à sistêmica. De acordo com a ONG britânica Action for Blind People, pessoas que perderam alguma ou toda a visão geralmente lutam com uma gama de emoções: choque, tristeza, frustração e depressão. Além disso, muitas vezes, problemas na visão deixam algumas pessoas mais isoladas, o que causa sentimento de desamparo e solidão. 

O risco de perda da visão em pacientes alto míopes, por exemplo, também é grande e está relacionado ao aumento do comprimento axial do olho, que pode provocar o descolamento da retina, edema na mácula (porção central da retina), catarata entre outros. Por isso, muitas pessoas acabam investindo na cirurgia de correção da miopia com lentes. Porém, dependendo do método escolhido, pode não ser a melhor solução e acabar afetando sua saúde mental. 

Lasik e a Depressão

A cirurgia a laser Lasik é uma das opções para correção da miopia com lentes. Com o objetivo de corrigir problemas de visão e dar adeus ao uso dos óculos, Lasik remodela e remove o tecido corneano no nível dos nervos sensoriais. Esses nervos protegem o olho, mas também fornecem o feedback (biofeedback) necessário para a produção de novas lágrimas. Na ausência desse feedback, o olho seca e sua superfície pode se deteriorar. 

Na maioria dos casos, os nervos cortados retornarão à função normal dentro de quatro a seis meses após o procedimento. Mas para alguns pacientes, isso não acontece. Por haver essa remoção no tecido corneano, além do olho seco, o paciente que se submete ao método de correção da miopia com lente Lasik também corre maior risco de ter ardência, sensação de areia nos olhos, sensibilidade extrema à luz e perda de visão de qualidade – o que pode levar a casos graves de depressão

Outro fator negativo, é que lasik é irreversível. Ou seja, se houver esse tipo de  imprevisto (como os citados acima), não dá para realizar a retirada da lente ou reverter os efeitos colaterais. 

Essas complicações têm apresentado um profundo impacto negativo na qualidade de vida dos pacientes que se submeteram a cirurgia, ou seja, o que deveria ser uma solução para o problema de visão, acabou virando um pesadelo.

Lente Intraocular ICL: menos invasiva e reversível!

A chegada da lente intraocular ICL no mercado brasileiro trouxe inovações para o ramo de cirurgia para correção da miopia com lentes por trazer diversas vantagens como o material biocompatível e preservação da córnea.

A lente EVO Visian ICL possui altas taxas de satisfação entre os pacientes já que proporciona melhora no bem-estar e alta performance na visão. Feita com material collamer, exclusivo da Staar Surgical, é biocompatível, evitando a possibilidade de rejeição. 

Por ser localizada na parte posterior do olho, a correção da miopia com lente intraocular ICL preserva a córnea e mantém a fisiologia ocular natural, permitindo o fluxo de humor aquoso e evitando a síndrome do olho seco – que é uma das principais causas de depressão quando relacionada com saúde ocular . Além disso, ela é completamente reversível, podendo ser retirada em qualquer momento caso o paciente se arrependa ou queira fazer outra cirurgia mais moderna no futuro. 

A realização de uma cirurgia para correção da miopia com lentes pode trazer diversos benefícios para o seu bem-estar, porém é importante optar pelo método mais eficaz, reversível e com menor chance de causar efeitos colaterais indesejados. 

Leia o artigo
Capa do artigo
Exercícios para descansar a vista

As telas têm se tornado onipresentes nas nossas vidas. Seja por trabalho ou por lazer, grande parte das tarefas que realizamos no dia a dia são feitas em frente a um computador ou celular. Isso sem contar o tempo que já passávamos na frente da TV. Um estudo realizado nos Estados Unidos em 2017 descobriu que 78% dos adultos passam mais de 9 horas por dia na frente de telas.

Muitos mitos antigos sobre os males que as telas causam aos nossos olhos foram derrubados pela ciência, mas isso não significa que o hábito seja 100% seguro. Principalmente para pessoas que possuem alguma ametropia (miopia, hipermetropia ou astigmatismo), existem sim problemas de visão associados ao uso excessivo de telas.

A Síndrome do Olho Seco é uma das condições mais comumente associadas às telas. Quando estamos olhando para as telas, a média de piscadas por minuto dos nossos olhos é até 4 vezes menos que o normal. Visto que o piscar dos olhos é responsável pela lubrificação deles, a diminuição prolongada desta média causa a síndrome.

Existe também a CVS (COMPUTER VISION SYNDROME) – Síndrome Visual associada ao uso do Computador. Esta é uma condição reconhecida pela Organização Mundial da Saúde direcionada especificamente ao conjunto de sintomas decorrentes do uso de telas de computador. Acredita-se que qualquer pessoa que passe mais de duas horas por dia usando o computador está suscetível a apresentar a CVS.

Pessoas com miopia, hipermetropia e/ou astigmatismo também são especialmente sensíveis aos perigos das telas. Quando essas pessoas assistem televisão, ou olham a tela do computador ou celular sem óculos, ocorre um esforço muito grande do músculo ocular, o que causa fadiga visual antecipada e o agravamento dos sintomas da miopia e da hipermetropia.

Então as telas devem ser evitadas?

Não necessariamente. Embora a diminuição de horas na frente de telas traga alguns benefícios não só para saúde dos olhos, mas do corpo em geral, a realidade é que em uma sociedade cada vez mais digitalizada, fugir das telas pode ser uma tarefa surpreendentemente difícil. Ainda mais para aqueles que trabalham na frente de computadores.

A boa notícia é que existem exercícios e práticas que você pode fazer para ajudar a preservar a saúde dos seus olhos caso você passe muito tempo na frente de telas. Estes exercícios se demonstraram efetivos na mitigação dos problemas de visão decorrente do uso de telas. Neste infográfico iremos ensinar e explicar estes exercícios para ajudá-lo a cuidar melhor da saúde dos seus olhos.

1 – A regra dos 20

Este é, talvez, o exercício mais conhecido e mais importante para os usuários de telas. É muito simples: Para cada 20 minutos que você passar na frente de uma tela, faça uma pausa e passe 20 segundos olhando para algum objeto mais distante. A distância ideal para este objeto é de cerca de 6 metros.

2 – Pausas para descanso

Além da regra dos 20, também é recomendado fazer uma pausa de cerca de 15 minutos para cada 2 horas que você passar olhando para uma tela. Esta pausa ajuda a descansar os olhos e evita a fadiga visual.

3 – Lembre-se de piscar!

Como dito anteriormente, a diminuição da média de piscadas por minuto é um dos motivos pelo qual o uso de telas causa danos à visão. Faça uma nota mental de piscar conscientemente enquanto usa telas. Coloque um post-it no monitor do seu computador como lembrete se for preciso. Uma ótima alternativa é também piscar mais durante as pausas dos outros exercícios explicados aqui.

4 – Mantenha a tela a uma distância saudável

Médicos recomendam que uma tela deve estar a pelo menos 35 ou 40 cm de distância dos seus olhos, pois assim há uma tensão menor do músculo ocular.

5 – Abrir e fechar os olhos

Este é um exercício básico de fisioterapia ocular que ajuda a melhorar o foco da visão. Feche os olhos por 5 segundos, em seguida abra-os e mantenha-os abertos por outros 5 segundos. Repita o processo 8 vezes.

6 – Olhe para todas as direções

Sem mover a cabeça, olhe para todas as direções: laterais, verticais e para frente. Repita cada movimento 10 vezes.

7 – Alterne o foco da visão

Parecido com a regra dos 20 minutos, neste exercício você alternar o foco da sua visão entre um objeto que esteja próximo a você e outro que esteja mais distante. Fixe a visão em cada um dos objetos por alguns segundos, e vá alternando entre um e outro. Repita o processo 10 vezes

Para pessoas com alguma ametropia!

Lembre-se de usar sempre o seu óculos ou lentes de contato quando estiver olhando para telas, para evitar o esforço excessivo do seu olho. Caso não tenha uma prescrição, procure um oftalmologista o mais rápido possível.

Considere também a possibilidade de um implante de lentes intraoculares EVO Visian ICL para a correção de miopia, principalmente caso você seja alto míope.

 

É possível evitar a progressão do Ceratocone?

Leia o artigo
Capa do artigo
Por que fumantes têm mais chances de desenvolverem doenças oculares?

Não é de hoje que os malefícios do hábito de fumar são conhecidos e divulgados por entidades como a Organização Mundial de Saúde (OMS), não é mesmo? Podemos até arriscar e afirmar que a maioria da população sabe que é algo prejudicial à saúde, incluindo quem faz uso do cigarro. De acordo com instituição, o tabagismo é a maior causa evitável de mortes em todo o mundo. Todo o funcionamento do nosso sistema é afetado pelas toxinas do tabaco presente no cigarro. 

O que talvez muitas pessoas ainda não saibam é que o vício pode também prejudicar os olhos, uma das áreas mais sensíveis do nosso corpo, causando pressão alta dos olhos e até glaucoma. Você sabia? 

Consequências do cigarro 

A fumaça liberada pelo cigarro vai em direção aos olhos, comprometendo a transparência do cristalino, que funciona como uma espécie de lente. Com o passar do tempo, pode favorecer ou acelerar o processo de opacificação dessa estrutura ocular. Esse dano na estrutura ocular traz consequências e elas podem afetar inclusive quem já parou de fumar mesmo depois de 15 a 20 anos. 

A Catarata é uma delas. Apesar de ser uma doença relativamente “comum”, tem três vezes mais chances de se desenvolver em pessoas que fumam. O Glaucoma, uma das maiores causas de cegueira no mundo, é outra doença que pode ser potencializada pelo tabaco, pois o fumo contribui para a obstrução de veias e vasos sanguíneos em geral, o que colabora para o aumento da pressão intraocular (pressão alta dos olhos). Além disso, trata-se de um hábito que pode tornar as paredes das veias mais rígidas, dificultando a circulação. 

Fumar também está relacionado ao risco de aumento de Degeneração Macular Relacionada à Idade (DMRI), que causa visão embaçada, distorção e pode chegar à perda de visão. 

Para as pessoas com sintomas de olho seco, o hábito é agravante. A fumaça do cigarro os piora e o tabaco, por sua vez, afeta a circulação sanguínea, diminui a quantidade de antioxidantes no sangue e prejudica a visão.  

A ciência segue estudando os efeitos do tabaco no corpo humano e as descobertas não param por aí! Um estudo da Universidade Rutgers, nos Estados Unidos, e da Universidade Federal da Paraíba revelou que quem fuma pelo menos 20 cigarros por dia teria sua visão prejudicada no que diz respeito à capacidade de distinguir cores e contrastes dos objetos, diminuindo-a.  

Atenção redobrada 

Cuidar da visão é algo importante para todos. Mas, por tudo isso citado aqui, quem mantém o hábito do uso de cigarros deve estar ainda mais atento à saúde dos olhos. Manter uma rotina de visitas ao oftalmologista é fundamental. 

Quer viver sem o cigarro?  

A melhor dica é não começar, pois deixar o vício é um processo difícil. Segundo a Secretaria do Estado da Saúde de SP, Incor e Inca, 95% dos fumantes precisam de ajuda para deixar o vício. Se esse é seu caso, um dos caminhos é o Centro de Referência de Álcool, Tabaco e Outras Drogas (Cratod), da Secretaria da Saúde. 

Evite fumar e cuide-se! 

Leia o artigo