Regressão de miopia: por que acontece?

É difícil alguém que não conheça ao menos uma pessoa míope, não é mesmo? Mas você sabe o que é a miopia?  

A Miopia é uma doença que causa alterações nas estruturas dos olhos, resultando em dificuldade para enxergar de longe. Ela pode atingir crianças e adultos, em um ou os dois olhos e sua incidência tem aumentado muito nas últimas décadas. 50 anos atrás, apenas 10 a 15% da população era míope, enquanto atualmente de 20 a 30%. Para o futuro a expectativa é de aumento, chegando a 50% da população até 2050. 

As causas da doença ainda são pouco conhecidas, mas estudos apontam fatores genéticos como principal razão para sua ocorrência. A formação de um olho mais comprido do que o normal tem forte componente hereditário, principalmente nos casos de miopia com graus elevados. Pessoas míopes costumam ter pelo menos um dos pais com a mesma característica e provavelmente seus filhos também terão. Para ter uma ideia, quando ambos os pais são míopes, o risco de o filho ser é em torno de 60%. 

 Alta Miopia 

Falando em graus elevados de miopia, saiba que ela pode ser classificada como leve, moderada ou alta. O diagnóstico de alta miopia é feito quando a alteração de visão é superior aos 6 graus. 

Apesar de 6 graus serem considerados já bem elevados, algumas pessoas podem chegar a apresentar problemas de refração ainda maiores, chegando a 15-20 graus. Isso reduz as possibilidades de tratamento (mas não impede, felizmente). 

Correção da miopia e regressão da doença 

O procedimento mais comum para a correção da miopia atualmente é a cirurgia a laser, porém não é indicada para casos de alta miopia.  

Para sua realização – ou de qualquer outro procedimento que vise esse objetivo – é recomendável esperar o grau estabilizar, o que acontece mais ou menos aos 21 anos. No entanto, só o acompanhamento regular com um oftalmologista pode dizer se o grau está estabilizado e pode ser corrigido com cirurgia a laser. 

A durabilidade desse procedimento pode variar e é possível que aconteça a regressão da doença. Isso se dá, pois a estrutura ocular de uma pessoa sofre variações com o passar da idade, o que pode impactar o ajuste feito para a correção de miopia. E nem sempre essa cirurgia corrige o grau completo, fazendo com que seja necessário um novo procedimento.  

Há, ainda, um ponto de atenção. A regressão pode ser algo natural, como mencionado acima, mas também pode ser fruto de erro de diagnóstico ou mascarar alguma mudança no organismo, como diabetes ou gravidez. Assim, é de suma importância consultar um oftalmologista, que avaliará se houve a regressão e indicar os passos que devem ser tomados para verificar sua causa. 

Diante disso, você deve estar se perguntando se há, então, alguma alternativa para corrigir a miopia de forma definitiva, incluindo a alta miopia, certo?  

A boa notícia é que sim! 

Implante de lente para miopia 

A cirurgia com lente intraocular reduz a necessidade de novos procedimentos no futuro e trata uma ampla gama de erros refrativos, como a miopia – incluindo a alta miopia – e o astigmatismo, com resultados de longo prazo comprovados. Ainda, apresenta menos riscos devido às suas características. A lente Evo Visian ICL, por exemplo, garante eficácia por conta da excelente biocompatibilidade com os tecidos do olho humano e qualidade superior de visão.  

Um grande diferencial do implante de lente para miopia é que os olhos tratados com a cirurgia a laser têm em média três vezes mais aberrações esféricas do que os olhos tratados com ela, resultando em uma visão de alta definição. Isso porque a cirurgia a laser gera alterações na estrutura da córnea, mudando, muitas vezes, o comportamento dos raios luminosos, sua refração e difração, causando assim distorção na nitidez da imagem.  

Por manter a estrutura ocular intacta, a cirurgia com lente intraocular também evita a Síndrome dos Olhos Secos e distorções na visão. 

Consulte seu oftalmologista 

A cirurgia para correção de miopia com lente intraocular pode ser feita por pessoas de 21 a 60 anos que possuem cristalino. Sua aplicação pode corrigir a visão de pacientes com grau de dioptria entre -6 e -18. Assim como qualquer outra cirurgia, há uma série de pré-requisitos para que pacientes possam passar pelo procedimento.   

Consulte um cirurgião certificado, que fará uma avaliação detalhada e solicitará os exames necessários.

Posts Relacionados

Capa do artigo
Ceratocone tem cura?

Um diagnóstico de ceratocone após uma visita ao oftalmologista pode ser assustador num primeiro momento. Ainda mais quando nos deparamos que, além de ser uma doença progressiva, ou seja, que aumenta ou se agrava com o tempo, ela não tem cura. Mas, não se assuste, pois graças aos avanços tecnológicos, assim como existe tratamento para diversos graus de miopia, com novos e diversos tipos de lente para correção da visão, o ceratocone é igualmente tratável. Mas, antes, vamos conhecer melhor o que é a doença.

Ceratocone: Formato cônico da córnea

A doença leva esse nome pois sua ocorrência faz com que a córnea, distorcida, adquira um formato de cone, ou seja, com uma “ponta” mais protuberante, ao contrário do formato arredondado normal. Isso gera distorção na imagem formada, em função do erro de refração no interior do olho. Se você está pensando que isso pode ter a ver com astigmatismo, pensou certo. O ceratocone pode ser diagnosticado como astigmatismo irregular, já que não gera um padrão de erro de refração, enquanto no astigmatismo regular, a córnea continua arredondada, porém com um grau de curvatura alterado.

A doença também pode estar associada a elevados graus de miopia

Doença relativamente rara

Estima-se que uma em cada 20 mil pessoas no Brasil, sejam atingidas pela condição. Normalmente, o problema surge na adolescência e progride com a idade.

Dentre os sintomas, podem surgir fotofobia e dor de cabeça. Desconfie se você consegue ler as letras no oftalmologista, porém não consegue uma precisão na visão. Geralmente, se acomete ambos os olhos. 

Os exames que detectam ceratocone podem ser topografia da córne

a (estudo da superfície), tomografia de córnea (estudo 3D), acuidade visual e refração (avaliação da óptica ocular).

Tratamentos eficazes

Embora não haja cura, como mencionado, os tratamentos existem e são muito eficazes. De forma geral, as opções dadas para tratamento pelo médico responsável variam de acordo com o grau e intensidade da doença. Que vai desde os simples óculos, lentes de contato (os tipos de lente para correção da vis

ão variam) e cirurgias. 

Dentre as cirurgias, temos as opções mais eficazes, seja para impedir a progressão –  aliada ao uso de óculos, promover uma quase impercepção da doença — ou mesmo para uma correção completa do erro de refração causado pelo ceratocone.

Os procedimentos vão desde o Implante de Segmento(s) de Anel intracorneano, Crosslinking, Implante de Lente Intraocular e Transplante de Córnea.

ICL: Última tecnologia em lentes implantáveis

As lentes ICL trabalham com uma tecnologia exclusiva, implantada por um procedimento não-invasivo, que não remove o cristalino do olho, além de ser feita de material biocompatível, sendo totalmente livre de rejeição. 

O implante só pode ser indicado por um médico certificado. A cirurgia corrige a visão de portadores de ceratocone entre 21 e 45 anos, com até 18 graus de miopia. A lente ICL pode ser removida a qualquer momento, mas também fica por tempo indeterminado implantada. Pode, inclusive, 

ser implantada em quem sofre de olho seco.

Mantenha suas consultas em dia e diagnostique precocemente. 

Leia o artigo
Capa do artigo
Glaucoma infantil: uma condição rara, mas grave, que pode levar a danos permanentes na visão se não for tratada precocemente

 

 Ouvir falar em glaucoma pode não ser uma novidade para você. Mas e glaucoma infantil, já escutou algo sobre isso? Apesar de ser mais popular por acometer adultos, o glaucoma é uma doença ocular que também pode afetar as crianças. 

Embora raro, o glaucoma infantil é uma condição séria que pode levar a danos permanentes na visão caso não seja tratada precocemente. Assim, é de suma importância que pais ou responsáveis estejam cientes de seus sintomas e causas para garantir um diagnóstico e tratamento o quanto antes. 

Conheça as causas 

Quando nenhuma causa específica para o Glaucoma é identificada, a condição é denominada como “glaucoma primário.” Já quando é resultado de um trauma ocular ou de uma doença sistêmica, é chamado de “glaucoma secundário.”  

O glaucoma infantil, especificamente, pode ser causado por um aumento na pressão intraocular, que é a pressão dentro do olho. Esse fato pode ser causado por um bloqueio no sistema de drenagem do olho, o que pode levar a danos no nervo óptico e perda de visão. A doença também pode ser congênita, o que significa que a criança nasce com a condição, ou se desenvolver mais tarde na infância.  

A maioria dos casos de glaucoma na infância é primário, congênito (presente desde o nascimento) ou infantil (desenvolvido entre 1 e 24 meses de idade). É mais comum que as crianças sejam diagnosticadas nos três primeiros anos de vida. Ainda, alguns casos de glaucoma primário podem ter um componente genético, mas a maioria ocorre em famílias sem histórico de glaucoma congênito. 

Sintomas 

Os sintomas do glaucoma infantil podem ser difíceis de detectar, especialmente em crianças pequenas. Por isso, conhecer os sintomas é bastante relevante para verificar o sinal de alerta. Alguns deles são: 

  • Olhos inchados ou lacrimejantes 
  • Sensibilidade à luz (fotofobia) 
  • Dificuldade para acompanhar objetos em movimento 
  • Dificuldade em ver objetos à distância 
  • Mudanças na aparência do olho, como aumento do tamanho ou embaçamento da córnea 

Tratamento do glaucoma infantil 

O tratamento do glaucoma infantil dependerá da causa subjacente e da gravidade da condição. Em alguns casos, pode ser necessário usar colírios ou outros medicamentos para diminuir a pressão intraocular. Em situações mais graves, pode ser necessário realizar uma cirurgia para criar um novo sistema de drenagem para o olho. A análise de um oftalmologista indicará o melhor caminho a ser seguido. 

Se o glaucoma infantil não for tratado precocemente, pode levar a danos permanentes na visão. É importante que pais e responsáveis levem seus pequenos a exames oftalmológicos de forma regular para evitar casos mais graves dessa e tantas outras doenças. 

Quanto mais cedo for diagnosticado e tratado, maiores são as chances de preservar a visão da criança. Atente-se a possíveis sinais e não deixe de consultar um médico oftalmologista sempre que preciso. 

 

Leia o artigo
Capa do artigo
Conheça os tipos de lentes intraoculares indicadas para casos de catarata

A catarata é uma doença indolor que afeta o cristalino do olho, causando a perda progressiva da visão. O tratamento é geralmente realizado através do implante de lente intraocular para catarata, que substitui o cristalino afetado.

A causa mais comum da catarata é a danificação natural do cristalino que acontece com o tempo, sendo mais observada em pessoas a partir de 65 anos. Porém, ela também pode ocorrer quando o cristalino é lesionado de alguma maneira – como em acidentes ou pancadas – ou decorrente de outras doenças, como diabetes, hipertireoidismo, glaucoma ou miopia patológica. A catarata congênita é o caso de crianças que nascem com a condição. Todos esses casos são tratados com o implante de lente intraocular para catarata.


Existem vários tipos de lentes que podem ser implantadas no paciente. Neste post iremos falar um pouco sobre a cirurgia para catarata e explicar quais são os tipos de lente disponíveis no mercado para o tratamento da doença.

Como é feita a cirurgia de implante de lente intraocular para catarata?

A cirurgia para catarata é um processo rápido, simples, indolor e perfeitamente seguro.

Usando um laser de precisão, o cirurgião faz um corte de no máximo 2 milímetros no centro da córnea (tecido que reveste o olho). Em seguida é usado um aparelho chamado facoemulsificador que emite pulsos vibratórios curtos. Esses pulsos quebram o cristalino afetado do paciente, que depois são retirados do olhos através de um mini aspirador.

Terminado este processo, é feito o implante da lente intraocular para catarata pelo mesmo corte em que o cristalino foi retirado. Este corte se regenera sozinho dentro de poucos dias.

O procedimento leva entre 10 a 20 minutos para ser finalizado e é totalmente indolor com anestesia local aplicada. Após a realização do mesmo, o paciente deve ficar em observação por algumas horas para assegurar que não ocorra nenhuma complicação. Ao fim deste período o paciente já é liberado para voltar para casa.

O pós-operatório da cirurgia para catarata também é relativamente simples: O paciente deve evitar apenas grandes esforços físicos e levantar pesos maiores que 5 quilos por duas semanas. Deve-se evitar nadar em piscinas, rios, praias ou frequentar saunas por um mês. Atividades como ler, assistir TV, usar o computador ou o celular podem ser retomadas no mesmo dia.

É normal que a visão do paciente fique turva após o procedimento, sintoma este que deve desaparecer sozinho depois de 5 dias.

Quais são os tipos de lente intraocular para catarata?

Existem alguns tipos diferentes de lentes intraoculares com características distintas. Cada tipo é mais indicado para certos casos, incluindo lentes que são capazes de corrigir problemas adicionais de visão, como a miopia.

Veja a seguir quais são e para que servem cada um destes tipos de lente intraocular para catarata.

Lente intraocular monofocal não-tórica

Essas são as lentes indicadas para pacientes com baixo grau de astigmatismo (menor que 1). Essas lentes, além da catarata, também corrigem baixos graus de miopia ou até 6 graus de hipermetropia.

Após o implante desta lente, pode ser que o paciente ainda precise usar óculos de perto.

Lente intraocular monofocal tórica

Estas são indicadas para pacientes que possuem graus médios ou altos de astigmatismo. As lentes intraoculares monofocais tóricas contam com curvaturas calculadas para corrigir o astigmatismo, diminuindo assim a necessidade do paciente usar óculos para enxergar à distância.

Mesmo corrigindo a visão a distâncias maiores, não é raro que o paciente ainda precise de óculos para enxergar de perto mesmo após os implantes.

Lente intraocular multifocal tórica

As lentes multifocais são as mais modernas do mercado, pois como o nome indica, possuem foco tanto para perto quanto para longe. Por isso elas são as mais indicadas para pacientes que, além da catarata, também desejam corrigir tanto a vista de perto quanto de longe.

Esta lente é recomendada apenas para pacientes acometidos com grau médio de astigmatismo. Em alguns casos, o paciente ainda pode precisar de óculos após a cirurgia.

Lente intraocular multifocal não-tórica

Assim como a outra modalidade de lente multifocal, esta também é capaz de corrigir a visão tanto para perto quanto para longe. A diferença é que a lente não-tórica é recomendada para pacientes com grau baixo de astigmatismo.

Também pode ser necessário o uso de óculos após o procedimento.

Lente intraocular multifocal acomodativa

Este tipo de lente intraocular para catarata busca emular o formato natural do cristalino. Em outras palavras, elas imitam o movimento de acomodação do cristalino, além de serem capazes de focar a visão tanto para perto quanto para longe.

Consulte o seu oftalmologista!

É importantíssimo que consulte um médico oftalmologista caso haja alguma suspeita de catarata. Apesar da doença ser indolor, e os sintomas se manifestarem logo no início, ela é uma condição progressiva que só piora com o tempo, podendo vir a causar a perda total da visão.

Segunda a OMS (Organização Mundial da Saúde), a catarata é a causadora de metade de todos os casos de cegueira no mundo todo (fonte), e o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) constatou que 28,7% dos brasileiros acima dos 60 anos são acometidos pela doença (fonte).

Levando em conta que estes casos são perfeitamente tratáveis preveníveis, é de suma importância a consulta com um oftalmologista caso a pessoa tenha sintomas como visão turva/embaçada, visão duplicada, fotossensibilidade, halos em volta da luz, dificuldade de diferenciar tons de cores e mudanças muito frequentes nos graus dos óculos.

O implante de lente intraocular para catarata é seguro e pode salvar a sua visão.

É possível evitar a progressão do Ceratocone?

Leia o artigo