Mutirões de Catarata pelo Brasil exigem cuidados adequados

O Conselho Brasileiro de Oftalmologia vem alertando para o risco do contágio da bactéria pseudomonas em mutirões para cirurgia de catarata. No início de 2022, em Porto Velho, o Mutirão da Catarata atendeu a 360 pessoas, das quais 40 foram diagnosticadas posteriormente com endoftalmite, inflamação intraocular. Dessas, 13 foram causadas pela bactéria pseudomonas, cuja ação é considerada de extrema gravidade e pode levar à perda da visão. 

Mutirões da Catarata  

O Mutirão da Catarata é um evento que mobiliza variados órgãos dos poderes público e privado, além de voluntários e instituições, para viabilizar a cirurgia da catarata para a população necessitada. Esses mutirões para realização de cirurgia de catarata são muito populares em todo o Brasil e possuem uma grande importância para a população, uma vez que permite que pessoas que, muitas vezes, estão há anos aguardando a cirurgia, realizem o procedimento.  

A catarata atinge cerca de 65,2 milhões de pessoas mundialmente, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), e é considerada uma das maiores causas de cegueira evitável. A catarata é uma nebulosidade total ou parcial na lente do olho, ou seja, no cristalino, levando a uma visão cada vez mais desfocada, e tem o risco aumentado com a idade. A cirurgia de catarata consiste em substituir o cristalino opaco por uma prótese chamada de lente intraocular 

Responsabilidade 

Um dos pontos mais importantes a se ter atenção durante os mutirões para cirurgia de catarata é a assepsia dos locais onde os procedimentos ocorrem. A higiene básica é o primeiro passo para evitar a contaminação por bactérias que podem causar inflamações oculares. Também é muito importante que todos os protocolos de segurança sejam seguidos, como a supervisão realizada por médicos especializados, participação de profissionais capacitados, locais apropriados para realização da cirurgia e acesso a medicação devida. 

Igualmente relevante é a orientação correta sobre higiene e os cuidados com o olho no período pós-cirúrgico. Dessa forma, o paciente corre menos risco de desenvolver complicações.  

Equipamentos oftalmológicos 

Os mutirões para cirurgia de catarata nem sempre ocorrem em clínicas ou hospitais, uma vez que visam atender a um grande número de pacientes. Por isso, é importante que os oftalmologistas que participam desse tipo de evento possuam equipamentos oftalmológicos portáteis e de fácil transporte. 

Um exemplo é o CataRhex 3, plataforma portátil, ideal para o uso em mutirões, comercializada pela Advance Vision. Com dimensões compactas e pesando apenas cinco quilos, o equipamento oftalmológico é voltado para mobilidade e portabilidade, sem que o desempenho seja comprometido. 

Especialmente em situações inusitadas ou sob pressão de tempo, é essencial que a cirurgia ocular possa ser realizada de forma simples e eficiente. É por isso que a plataforma cirúrgica CataRhex 3 foi consistentemente voltada para a facilidade de uso e dispensa navegação complicada no menu. 

Entre as principais vantagens da plataforma estão: painel de controle amigável, bomba SPEEP exclusiva para controle manual da capacidade de retenção, controle preciso de fluxo com bomba peristáltica, tecnologia easyPhaco para emulsificação segura e eficiente, capsulorhexis simples por meio da Capsulotomia HF, plataforma pronta para operação em cinco segundos e pedal multifuncional robusto e preciso. 

Posts Relacionados

Capa do artigo
O que seus pacientes precisam saber sobre testes genéticos na área de oftalmologia

A tecnologia avança cada vez mais e, no que diz respeito aos exames oftalmológicos, não poderia ser diferente. Constantemente, novos processos estão sendo realizados para que a saúde do paciente seja sempre colocada em 1º lugar. Com isso, desde o nascimento, alguns exames são obrigatórios para detecção de doenças, como é o caso do teste do olhinho 

Mas e se for possível fazer um teste genético em oftalmologia? Este anularia os outros exames fundamentais para diagnóstico de doenças oculares? 

De acordo com as atualizações recentes, os testes genéticos atualmente disponíveis e que são a base dos estudos de DNA podem estabelecer a predisposição para uma doença genética específica décadas antes que o paciente tenha sintomas, o que é um ótimo aliado na luta contra doenças genéticas e hereditárias.  

Além disso, permite avaliar várias hipóteses ao mesmo tempo, ou seja, testar doenças de forma simultânea. A verdade é que cada situação exige uma análise detalhada do caso para que o melhor seja proporcionado, mas é fundamental que os médicos orientem os pacientes de nenhum teste genético substitui a necessidade de idas regulares ao oftalmologista, inclusive em crianças.  

Retinógrafo: veja mais sobre o teste digital do olhinho 

O retinógrafo é a tecnologia fundamental para diagnóstico precoce de possíveis doenças oculares do bebê, com o teste do olhinho também conhecido como teste do Reflexo Vermelho.   

Ao realizar este exame é possível detectar enfermidades oculares, ter um diagnóstico preciso, reduzir as chances de cegueiras nos recém-nascidos, tratar de maneira adequada qualquer doença e garantir a qualidade da visão do bebê.  

Contudo, recentemente, estudos apontaram um novo teste genético na área da oftalmologia, e como mencionado acima, ele não exclui a necessidade de outros exames fundamentais e de rotina. 

Quando o teste genético oftalmológico foi lançado? 

Os testes genéticos foram lançados na área de oftalmologia durante o 44° Simpósio Internacional Moacyr Álvaro (SIMASP). O congresso foi impulsionado pelo departamento de oftalmologia da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e aconteceu entre os dias 14 e 18 de junho, na Bienal do Ibirapuera, em São Paulo.  

Os estudiosos explicam que após o lançamento a meta é seguir com os testes, aprimorar as tecnologias em prol da melhoria e precisão dos diagnósticos: “Existem vários genes relacionados a quadros oculares, portanto, a identificação certeira se torna essencial para que o paciente possa receber um tratamento assertivo ou ser acompanhado à luz do conhecimento científico sobre seu problema”, afirma Juliana Sallumb especialista em genética clínica pela Sociedade Brasileira de Genética Clínica (SBGC), e professora do departamento de Oftalmologia e do programa de Pós-Graduação em Oftalmologia e Ciência Visual da Unifesp. 

Quais doenças ele consegue detectar? 

Com isso, diante de tantas inovações, confira algumas das principais doenças que o teste genético pode detectar: 

  • Segmento anterior: é um teste para avaliar a estrutura molecular de doenças da córnea e também genes relacionados às disgenesias mesodérmicas do segmento anterior, por exemplo, a síndrome de Rieger’s, Peter’s e aniridia; 
  • Retinoblastoma: o teste auxilia, e muito, para detectar mutações no RB1, o que previne tumores. Ademais, também dá suporte para investigar casos na família; 
  • Stargardt e diagnósticos diferenciais de doenças Flecks: diagnóstico para casos suspeitos de doença de Stargardt; 
  • Neuropatias incluindo doenças mitocondriais; 
  • Doenças oftalmológicas: sequencia e avalia a somatória de genes que estão em alguns dos painéis oftalmológicos anteriores, o que permite observar as alterações oculares de etiologia genética mais distantes. 

Como é possível constatar, o teste é muito indicado para os diagnósticos de adultos com histórico de doenças oculares graves na família.  

É essencial a ressalva de que nada elimina a necessidade do acompanhamento periódico das consultas no oftalmologista e dos exames que são pedidos desde o nascimento, como é o caso do teste do olhinho. 

Além disso, se não há recomendação de que o paciente realize o teste genético, a orientação é que siga normalmente com visitas ao oftalmologista durante toda a sua vida para manter sua saúde ocular em dia. E isso vale também para crianças e adolescentes.  

 Os resultados de um teste genético podem afetar os planos de um paciente, portanto, deve ser feito apenas com recomendação de um profissional, que deve conhecer bem todas suas implicações.  

Leia o artigo
Capa do artigo
Compare as técnicas de cirurgia de catarata e ofereça a melhor ao seu paciente

Com o avanço da tecnologia, especialmente na introdução de mais opções de lente importada para cirurgia de catarata no Brasil, abriu-se para discussão as possibilidades de abordagem para este procedimento, que é um dos mais realizados em todo mundo na oftalmologia.

É comum que se confundam as opções de lentes com as modalidades de cirurgia. Na maioria das vezes, a tecnologia da lente não diz respeito a outro tipo de procedimento, embora existam sim lentes de alta tecnologia que utilizem outra abordagem cirúrgica, como veremos mais adiante.

Este artigo busca exemplificar melhor cada modalidade de cirurgia, apresentar opções de lentes intraoculares ideais para cirurgia de catarata. 

Cirurgia por facoemulsificação

É a modalidade mais tradicional e mais comum para a cirurgia de catarata. Pelo fato de se utilizar da tecnologia de um ultrassom de alta precisão, que emulsifica o núcleo do cristalino, a extração da catarata é mais simples, por uma incisão menor que 1mm. A vantagem é a rápida recuperação, que não requer internação, maior previsibilidade, segurança, sendo a técnica mais usada ao redor do globo. 

Embora seja um procedimento perfeitamente seguro, envolve riscos. Alguns são: o astigmatismo induzido, queima da córnea, traumatismo da íris, ruptura da cápsula posterior, perda de vítreo, edema macular cistóide, infecções etc.

Nesta modalidade de cirurgia, depois da facoemulsificação e remoção do cristalino que está opacificado, pode-se fazer o implante de uma LIO (Lente Intraocular). E é aqui que surgem as maiores dúvidas dos pacientes. Antes de entrarmos sobre cada tipo de lente intraocular, tanto lente nacional quanto importada para cirurgia de catarata, vamos falar de outra modalidade de cirurgia. 

Cirurgia a laser

É comum que se confunda o laser com a facoemulsificação, uma vez que as cirurgias refrativas mais populares são aquelas feitas com laser (como as PRK e LASIK). Porém, é importante informar aos pacientes e público em geral que são duas modalidades e possibilidades diferentes de se tratar a catarata, sendo uma com ultrassom (facoemulsificação) e outra com laser (outra tecnologia).

A cirurgia de catarata a laser não oferece muitas vantagens ainda hoje em dia, já que é mais demorada, com recuperação mais lenta, menos eficaz em cataratas com certo nível de dureza e com mais riscos (queimadura na córnea etc). 

Sobre as Lentes e as últimas inovações

Na cirurgia de facoemulsificação, como sabemos, o mais comum é utilizar uma lente intraocular depois de se remover o cristalino opaco. As opções de lente nacional para cirurgia de catarata nem sempre são as mais recomendadas. O mercado tende a preferir lentes intraoculares importadas por apresentarem mais conforto e qualidade ao serem implantadas. Embora, nenhuma das lentes dispensa o uso dos óculos, se esse é o caso do paciente operado.

As lentes TRIVIA, que é uma lente  intraocular trifocal indicada para corrigir catarata, chega ao mercado brasileira com o diferencial de corrigir problemas de visão também (miopia e astigmatismo). Ela possui tecnologia embarcada LIO inteligente, que impede efeitos colaterais multifocais indesejados. É uma lente já preparada para ambiente digital, otimizada para o uso de telas, além de corrigir a presbiopia associada à catarata. 

Mas o ponto mais forte, é sem dúvida seu sistema de injeção. Pré-carregado sem contato e com separação dos componentes. Tanto a LIO quanto o injetor passam por processos de esterilização separados. 

Ou seja, aqui falamos de uma lente que traz consigo uma nova abordagem cirúrgica.

Outras categorias de LIO’s

Algumas outras lentes.

  • Lentes intraoculares monofocais;
  • Lentes intraoculares asféricas;
  • Lentes intraoculares tóricas;
  • Lentes intraoculares trifocais tóricas;
  • Lentes intraoculares de foco estendido.

 

Leia o artigo
Capa do artigo
Entendendo a jornada de um paciente com alta miopia rumo à cirurgia de correção

A alta miopia compromete significativamente a vida de uma pessoa. Isso porque a necessidade do suporte de altos graus em óculos ocorre, em alguns casos, desde a infância. À medida que o paciente cresce, o problema se agrava e exige o aumento do grau das lentes oculares e estruturas mais pesadas no que se refere à armação. Com isso, ao longo dos anos, crianças, jovens e adultos encontram na alta miopia um fator limitante, que impede sonhos pessoais, acadêmicos e profissionais. Assim, parte da vida do indivíduo é deixada de lado, uma vez que a exigência visual é uma das principais em qualquer processo avaliatório. 

Na busca por soluções que permitam uma vida plena, muitos pacientes optam pela cirurgia de correção de miopia. Para isso, a procura por médicos certificados para o procedimento protagoniza um investimento que diversas pessoas planejam fazer para ter de volta a autoestima e a qualidade de vida que a alta miopia tirou. 

A alta miopia e seus prejuízos 

A alta miopia tem como causa aparente alguns fatores genéticos, que tornam o globo ocular mais alongado e as córneas mais curtas. Dessa forma, a luz que entra é refratada à frente da retina e não acima dela, como deveria ser para uma visão plena. Apesar da miopia ser causada principalmente por herança genética, alguns hábitos podem colaborar para o agravamento da situação ocular, como a leitura em ambientes pouco iluminados e um longo período em frente às telas. A alta miopia é considerada em casos em que a alteração da visão ultrapassa os 6 graus de refração, ou, na linguagem médica, 6 dioptrias.  

Por ter causa genética, na maioria das vezes, o paciente começa a perceber os primeiros sinais da miopia ainda na infância. A dificuldade em enxergar de longe costuma se apresentar durante a fase escolar, em que há a necessidade de leitura à distância, por exemplo. À medida que os anos passam, a demanda de desempenho visual aumenta, especialmente nos dias atuais em que as telas predominam as tarefas do cotidiano. Com isso, os graus da miopia também aumentam gradativamente, comprometendo projetos da vida jovem e adulta, como tentar uma profissão que exija certo grau de visão.  

 

Quando o paciente busca por uma cirurgia de correção?  

A cirurgia de correção da alta miopia representa a volta da qualidade de vida e da autoestima das pessoas que sofrem com a doença. Isso porque a alteração visual não limita somente o bem-estar do paciente ao obrigá-lo a usar óculos grossos e pesados desde a infância, mas também o impede de alcançar objetivos pessoais e profissionais. Geralmente, é no momento em que a alta miopia se torna incapacitante que pessoas que sofrem com a doença buscam por uma cirurgia de correção. A qualidade de vida que o procedimento oferece a um indivíduo que sofre com a alta miopia, protagoniza um planejamento e um investimento que muitos pacientes estão dispostos a realizar.  

Até 2020, o implante de lente intraocular ICL Visian não era realizado no Brasil. Atualmente, há mais de 40 médicos certificados no país. No entanto, a busca pelos médicos geralmente acontece após o paciente se familiarizar com o assunto e a cirurgia só pode ser realizada após a estabilização do grau, por volta dos 21 anos. Dessa forma, os interessados passam por uma longa jornada de espera e idas regulares a oftalmologista, que nem sempre estão aptos a realizar a cirurgia de implante de lente intraocular 

 Com isso, quando um paciente chega até um oftamologista certificado na implantação de lentes Evo Visian ICL, ele já possui um certo nível de informação sobre o procedimento. Assim, a certificação para o profissional de oftalmologia o capacita para sanar uma demanda crescente de pacientes preparados para investir numa cirurgia de correção que, para eles, significa uma mudança de vida.  

Oftalmologista, vale a pena investir na certificação para cirurgia de correção de pacientes com alta miopia. A Advance Vision conta com as lentes intraocular EVO Visian ICL. Entre em contato conosco e conheça mais sobre ela. 

1 ano de EVO Visian ICL no Brasil

Leia o artigo