Mitos sobre a Miopia

A miopia é um dos problemas refrativos mais comuns e que mais cresce no mundo. A estimativa da OMS (Organização Mundial da Saúde) é de que entre 2020 e 2050 a miopia cresça 89% no Brasil e 49% no restante do mundo. Atualmente, ainda segundo dados da OMS, pelo menos 6 milhões de pessoas são o que se chama de alto míope, com mais de 6 graus. Apesar de comum, a alta miopia é a terceira causa de cegueira no mundo.

Essa alteração refracional que prejudica a visão de longe era vista até pouco tempo como um problema de causa exclusivamente hereditária, mas hoje a comunidade científica já pode afirmar que o nosso estilo de vida também contribui (e muito!) para espalhar esse mal. Quando não diagnosticada precocemente e tratada, a miopia pode causar danos diretos à retina, aumentar o risco de catarata e glaucoma – e, em casos extremos, levar à cegueira.

Apesar de ser uma doença comum hoje em dia e que afeta diversas pessoas, ainda existem mitos que insistem em ficar no imaginário popular. A seguir, vamos desvendar alguns deles! 

 

1- Não usar óculos piora a miopia

MITO. Não usar óculos de grau não piora a miopia, mas piora a qualidade de vida da pessoa, já que a função do óculos é somente para corrigir a dificuldade que o míope/ alto míope tem para enxergar os objetos de longe e não para tratar o problema. O grau pode aumentar independentemente do uso ou não dos óculos, pois não são eles os responsáveis pela mudança da refração ocular. 

2- Existem exercícios para reduzir a miopia

MITO. Não existem nem exercícios, nem óculos. A miopia é um erro de visão ocasionado pelo tamanho do globo ocular, que, por ser maior, forma a imagem antes da retina e o principal sintoma é a dificuldade de enxergar de longe. Logo, não existe exercício para diminuir o tamanho do globo ocular.

3- Cirurgia de correção da miopia com lentes é para todo tipo de paciente

MITO. Assim como qualquer outra cirurgia, há uma série de pré-requisitos para que pacientes possam corrigir sua visão utilizando a lente intraocular ICL. Sua indicação é para pessoas entre a faixa etária de 21 a 60 anos e, por ser uma lente fácica, ela deve ser usada apenas por pacientes que possuem cristalino. A aplicação dessa lente também pode corrigir a visão de pacientes alto míope.

4- Olhos claros podem ter mais problemas de visão do que os escuros

MITO. Pessoas com olhos claros e escuros devem ter basicamente os mesmos cuidados quando o assunto é a saúde ocular e ambas estão sujeitas aos mesmos problemas.  A única diferença, é que olhos claros têm menos pigmentação em uma camada da íris do que os escuros, podendo ser um pouco mais sensíveis a uma maior intensidade de luz, mas isso não é doença. 

5- Mesmo depois da cirurgia de correção com lentes a miopia acaba voltando!

MITO. A cirurgia para corrigir miopia com o implante de lente intraocular (procedimento com excelentes resultados refrativos e menos invasivo) é extremamente eficaz, porém só é indicada para pacientes que já têm o grau de miopia estabilizado. Isso porque a correção da miopia com lente intraocular ICL é recomendada para corrigir o grau que você tem hoje, ou seja, ela e nenhuma outra cirurgia com a finalidade de correção refrativa, é a cura definitiva para o seu problema visual.

6- O uso de lente de contato ou de óculos estabiliza o grau?

MITO. A correção do grau com óculos ou lentes de contato não estabiliza o grau, que pode alterar até os 25 anos ou mais, independente do uso de óculos. Eles só ajudam a enxergar, mas não tratam e nem curam o problema. O que melhora o problema após o grau estar estabilizado por pelo menos um ano, é a cirurgia de correção da miopia com lente intraocular

7 – Colírios podem ser usados sem receita médica?

MITO. Colírios são medicamentos e só devem ser usados com prescrição. Essa regrinha vale, inclusive, para os que aparentemente são inofensivos, indicados para lubrificar os olhos. O uso indiscriminado de colírios pode causar sérios danos à sua saúde ocular.

É possível evitar a progressão do Ceratocone?

Posts Relacionados

Capa do artigo
Por que algumas pessoas têm córnea do olho mais fina?

Rara, silenciosa e pouco conhecida pela população. Essa é a Ceratocone, uma doença ocular que faz com que a córnea do olho se projete para a frente, formando uma deformidade parecida com um cone.

Caracterizada pelo afinamento da córnea do olho, a enfermidade se manifesta mais entre 10 e 25 anos, mas pode progredir ou estabilizar-se com o tempo. Além disso, ainda de acordo com dados do Ministério da Saúde, o Ceratocone atinge cerca de 150 mil pessoas por ano no Brasil e pode atingir os dois olhos de maneira assimétrica.

A causa exata da doença ainda é desconhecida, mas acredita-se que a Ceratocone ocorre por uma combinação de múltiplos fatores, incluindo herança genética e ambientais. Outros fatores de risco, como coçar os olhos, também podem fazer a doença se desenvolver. Por esse motivo, o índice de Ceratocone é maior nos pacientes alérgicos.

Principais sintomas da Ceratocone

Nos estágios iniciais, os principais sintomas são: sensibilidade à luz e desfoque leve da visão. Porém, à medida que a córnea se torna mais irregular, a enfermidade impede a projeção de imagens nítidas na retina e pode promover o desenvolvimento de miopia progressiva e um astigmatismo irregular, criando problemas adicionais como a visão completamente distorcida e embaçada.

Vale lembrar que o diagnóstico pode levar tempo para ser alcançado em alguns casos, porque Ceratocone demora até a córnea ficar visivelmente em formato de “cone”. Porém, é importante sempre procurar o oftalmologista e fazer exames regulares, pois, quando não tratada a córnea do olho, pode levar à cegueira, e seu diagnóstico só pode ser identificado por um médico oftalmologista especializado, após uma rotina de exames.

Principais formas de tratamento

O uso de óculos geralmente é a primeira indicação dos oftalmologistas, principalmente nas fases iniciais da Ceratocone, quando a deformação da córnea ainda não é tão grave. No entanto, à medida que a doença evolui, os óculos precisam ser substituídos por lentes de contato, que ajudam a ajustar a superfície anterior da córnea e a corrigir o astigmatismo irregular provocado pela deformidade. A melhor e mais moderna indicação, nesse caso, é o implante de lente intraocular ICL, bem diferente de uma lente comum que estamos acostumados a usar. Uma opção mais confortável e segura às lentes rígidas, por exemplo, que causam desconforto e baixo índice de aceitação entre os pacientes. 

O implante de lente intraocular EVO Visian ICL é uma técnica eficaz para corrigir erros de refração como miopia e astigmatismo, e é minimamente invasiva e rápida. Sendo indicada para quem tem a córnea fina. 

Além disso, o procedimento traz a taxa de satisfação de 99,4% dos pacientes. Ele se caracteriza pela inserção de uma lente feita de material biocompatível (Collamer®) entre a íris e o cristalino do olho, ou seja, não há a possibilidade de ocorrer rejeição do corpo e nem desconforto. Outro ponto fundamental, é que o implante de lente intraocular é totalmente reversível. A cirurgia dura cerca de 30 minutos e traz excelentes resultados refrativos.  

 

Leia o artigo
Capa do artigo
Luz azul: os cuidados que você precisa ter com seus olhos

Já é de conhecimento geral que a luz artificial proveniente de telas pode causar danos à visão. Pouco se sabe, porém, como exatamente esses danos são causados, por que a miopia aumenta em casos de contato excessivo com telas, e quais cuidados devem ser tomados para evitar estes males à visão.

No mundo de hoje, onde praticamente todo mundo passa uma quantidade de tempo considerável olhando para telas de celulares, além dos que trabalham na frente de computadores. Este tipo de cuidado passou a ser de interesse geral, não só daqueles que possuem graus de miopia. Explicaremos aqui por que a miopia aumenta quando há contato excessivo com telas, e também quais cuidados todo mundo pode e deve tomar com este tipo de luz para evitar danos à visão.

Por que a miopia aumenta com muita exposição à luz azul?

Define-se como “luz azul” toda luz artificial emitida por LEDs, como em telas de celulares e outros dispositivos eletrônicos. A exposição prolongada a este tipo de luz está associada a diversos problemas de visão, incluindo o aumento de graus de miopia.

O nome “luz azul” se deve ao fato de que telas eletrônicas emitem uma radiação na frequência da cor azul. Esta radiação interfere diretamente com a produção de melatonina, um hormônio que, entre outras funções, controla o alongamento do glóbulo ocular – um dos fatores que causam o aumento da miopia.

Além de ser um dos fatores que explica por que a miopia aumenta, a luz azul também pode trazer outros problemas para a saúde dos olhos.

Outros males da luz azul para a visão

Os danos causados à visão por telas são tão comuns que já têm até uma designação própria como doença visual: a Síndrome Visual do Computador (SVC). Mas como estes danos são causados?

Estudos clínicos descobriram que quando estamos olhando para telas, nós piscamos menos vezes do que o normal. O ato de piscar pode parecer algo mundano, mas na verdade é uma espécie de mecanismo de manutenção natural do nosso corpo. Cada vez que nós piscamos, nós estamos lubrificando os nossos olhos. Sendo assim, quando o ritmo de piscadas natural diminui, nosso olho pode ficar ressecado, o que causa irritação e desconforto nos olhos.

Excesso de radiação de luz na frequência azul também pode causar lesões no olho humano, com inflamações dolorosas da conjuntiva da córnea. A longo prazo, também pode vir a causar lesões no cristalino do olho (fato que pode evoluir para um quadro de catarata).

A luz azul também é prejudicial à retina, podendo causar a degeneração macular – quadro que é caracterizado pela formação no depósitos amarelos sob a mácula (centro da retina), normalmente observado em pessoas de idade mais avançada e que causa visão turva.

Cuidados com telas e luz azul

Com toda essa informação, pode parecer que a luz azul é algum super vilão da visão, mas a verdade é que com alguns cuidados já é possível mitigar os danos.

– Existe um exercício simples para impedir que telas aumentem o grau de miopia. A cada 20 minutos de exposição a telas ou outras fontes de luz azul, passe 20 segundos com o olhar fixo em algum objeto há mais ou menos 6 metros de distância. Isso faz com que o nosso olho readapte para olhar à distância.

– Para os míopes, também é importante evitar telas perto do horário que você costuma dormir. Isso porque conforme o dia avança e chega mais perto da hora de dormir, o nosso cérebro começa a produzir melatonina, que, como visto acima, é um dos hormônios que regulam o alongamento ocular.

– Não mantenha dispositivos como celulares e tablets muito próximos do seu rosto quando os estiver usando. Uma distância de pelo menos 70 cm entre a tela e os seus olhos é recomendada.

– Lembre-se de piscar mais quando estiver em frente a telas, para manter seus olhos lubrificados.

– Quando for fazer o uso de telas, procure fazê-lo em ambientes bem iluminados.

– Considere investir em óculos com lentes que filtram luz azul.

Possuo implante de lentes intraoculares, devo tomar cuidados extras com a luz azul?

Para quem fez implantes de lentes intraoculares, os cuidados devem ser os mesmos, a não ser que algo a mais tenha sido especificado pelo seu médico. Porém é bom prestar atenção redobrada em alguns pontos, especialmente quem fez os implantes para corrigir a miopia.

O alongamento do glóbulo ocular causado por deficiência de melatonina, por exemplo, é um problema que ocorre mesmo com os implantes, e pode fazer com que estes percam a eficácia com o tempo. Isso responde por que a miopia aumenta mesmo com implantes em alguns casos.

A hidratação do olho também é especialmente importante para pacientes com implantes de lentes intraoculares. Além de evitar irritações, ajuda a prevenir o desenvolvimento da síndrome do olho seco, que pode ser comum em pessoas que fizeram os implantes para tratar a miopia.

Caso ainda tenha dúvidas, lembre-se de sempre entrar em contato com o seu médico oftalmologista. Um profissional qualificado é sempre a melhor pessoa para orientar e tirar suas dúvidas clínicas.

Leia o artigo
Capa do artigo
Mitos sobre a Miopia

A miopia é um dos problemas refrativos mais comuns e que mais cresce no mundo. A estimativa da OMS (Organização Mundial da Saúde) é de que entre 2020 e 2050 a miopia cresça 89% no Brasil e 49% no restante do mundo. Atualmente, ainda segundo dados da OMS, pelo menos 6 milhões de pessoas são o que se chama de alto míope, com mais de 6 graus. Apesar de comum, a alta miopia é a terceira causa de cegueira no mundo.

Essa alteração refracional que prejudica a visão de longe era vista até pouco tempo como um problema de causa exclusivamente hereditária, mas hoje a comunidade científica já pode afirmar que o nosso estilo de vida também contribui (e muito!) para espalhar esse mal. Quando não diagnosticada precocemente e tratada, a miopia pode causar danos diretos à retina, aumentar o risco de catarata e glaucoma – e, em casos extremos, levar à cegueira.

Apesar de ser uma doença comum hoje em dia e que afeta diversas pessoas, ainda existem mitos que insistem em ficar no imaginário popular. A seguir, vamos desvendar alguns deles! 

 

1- Não usar óculos piora a miopia

MITO. Não usar óculos de grau não piora a miopia, mas piora a qualidade de vida da pessoa, já que a função do óculos é somente para corrigir a dificuldade que o míope/ alto míope tem para enxergar os objetos de longe e não para tratar o problema. O grau pode aumentar independentemente do uso ou não dos óculos, pois não são eles os responsáveis pela mudança da refração ocular. 

2- Existem exercícios para reduzir a miopia

MITO. Não existem nem exercícios, nem óculos. A miopia é um erro de visão ocasionado pelo tamanho do globo ocular, que, por ser maior, forma a imagem antes da retina e o principal sintoma é a dificuldade de enxergar de longe. Logo, não existe exercício para diminuir o tamanho do globo ocular.

3- Cirurgia de correção da miopia com lentes é para todo tipo de paciente

MITO. Assim como qualquer outra cirurgia, há uma série de pré-requisitos para que pacientes possam corrigir sua visão utilizando a lente intraocular ICL. Sua indicação é para pessoas entre a faixa etária de 21 a 60 anos e, por ser uma lente fácica, ela deve ser usada apenas por pacientes que possuem cristalino. A aplicação dessa lente também pode corrigir a visão de pacientes alto míope.

4- Olhos claros podem ter mais problemas de visão do que os escuros

MITO. Pessoas com olhos claros e escuros devem ter basicamente os mesmos cuidados quando o assunto é a saúde ocular e ambas estão sujeitas aos mesmos problemas.  A única diferença, é que olhos claros têm menos pigmentação em uma camada da íris do que os escuros, podendo ser um pouco mais sensíveis a uma maior intensidade de luz, mas isso não é doença. 

5- Mesmo depois da cirurgia de correção com lentes a miopia acaba voltando!

MITO. A cirurgia para corrigir miopia com o implante de lente intraocular (procedimento com excelentes resultados refrativos e menos invasivo) é extremamente eficaz, porém só é indicada para pacientes que já têm o grau de miopia estabilizado. Isso porque a correção da miopia com lente intraocular ICL é recomendada para corrigir o grau que você tem hoje, ou seja, ela e nenhuma outra cirurgia com a finalidade de correção refrativa, é a cura definitiva para o seu problema visual.

6- O uso de lente de contato ou de óculos estabiliza o grau?

MITO. A correção do grau com óculos ou lentes de contato não estabiliza o grau, que pode alterar até os 25 anos ou mais, independente do uso de óculos. Eles só ajudam a enxergar, mas não tratam e nem curam o problema. O que melhora o problema após o grau estar estabilizado por pelo menos um ano, é a cirurgia de correção da miopia com lente intraocular

7 – Colírios podem ser usados sem receita médica?

MITO. Colírios são medicamentos e só devem ser usados com prescrição. Essa regrinha vale, inclusive, para os que aparentemente são inofensivos, indicados para lubrificar os olhos. O uso indiscriminado de colírios pode causar sérios danos à sua saúde ocular.

É possível evitar a progressão do Ceratocone?

Leia o artigo