Conheça os diferentes tipos de miopia

A miopia é uma doença ocular que faz com que os olhos formem as imagens dos objetos observados de maneira incorreta. É uma condição muito comum – dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) divulgados em 2019 apontavam na época que mais de um quarto da população mundial sofria de miopia. Estima-se que hoje esse número seja ainda maior. Graças a isso, existe um grande número de pessoas com preocupações relacionadas a esta doença, como a possibilidade de uma correção de miopia ou por que a miopia aumenta.

Uma informação que não é tão difundida é a de que esta doença se apresenta em vários tipos diferentes, e que também existe outra opção de correção de miopia além da cirurgia à laser. Se você também procura respostas sobre a miopia e quer saber mais sobre a doença e quais medidas pode tomar, este post é para você.

Correção de miopia: quais as opções?

Os tratamentos clássicos de miopia são bem conhecidos: Óculos de grau e lentes de contato. Estes são métodos de tratamento bastante efetivos, e permitem ao paciente míope a levar sua vida normalmente. Mas existe alguma opção de correção de miopia que dispense o uso de acessórios?

Primeiramente, é importante notar que miopia não tem cura, mas isso não quer dizer que não exista nenhuma solução. Para entender isso melhor, é necessário saber antes o que é a miopia.

A doença trata-se de um erro refrativo, isto é, um erro na maneira em que os olhos formam imagens ao receber a luz antes de transmitir esta imagem para o cérebro.

Em um olho saudável, a imagem se forma na retina, uma membrana situada no segmento posterior do olho. Pense em um projetor de imagens: A retina seria a tela onde a luz do projetor forma as imagens. Essas imagens são então transmitidas para o cérebro, onde serão processadas e interpretadas.

Já no olho míope, as imagens são formadas antes de chegarem na retina. Por causa disso, a imagem que é transmitida para o cérebro é desfocada – porque não foi projetada na “tela” ideal.

O motivo para não existir uma cura para a miopia é exatamente porque não se conhece na medicina moderna uma maneira que faça com que a imagem seja formada corretamente na retina em um olho míope. Existem, porém, métodos e acessórios que corrigem a imagem em si, por isso é usado o termo correção de miopia, ao invés de cura.

Já sobre quais são os métodos de correção, o mais conhecido é a cirurgia a laser LASIK. Este procedimento utiliza o laser para remodelar a córnea do paciente com o fim de corrigir erros refrativos. É recomendado para pessoas com mais de 21 anos e cujo grau de miopia tenha permanecido estável nos últimos 6 meses.

O método é bastante efetivo, porém possui algumas contraindicações. Por exemplo, pessoas com córneas mais finas podem ter problemas com este tipo de cirurgia, pois ela diminui a espessura da córnea de acordo com o grau da miopia. Além disso, estudos científicos encontraram relação entre o procedimento e o desenvolvimento de síndrome do olho seco.

Um outro método, considerado menos agressivo por não remover nenhum tecido corneano, é o implante de lentes intraoculares ICL. Estas lentes são feitas de materiais biocompatíveis e são capazes de corrigir de 6 a 18 graus de miopia. As lentes são implantadas atrás da íris. A recuperação dura poucos dias e o procedimento pode ser revertido sem nenhum risco adicional aos olhos. O implante também não causa síndrome do olho seco.

Tipos de miopia

Tendo um entendimento melhor sobre o que é a miopia, e quais as opções de tratamento e correção, vamos conhecer agora quais são os tipos existentes da doença.

– Miopia de Curvatura: é o tipo de miopia mais comum. É definida por uma curva mais acentuada do cristalino ou da córnea, fazendo com que a luz que passa pelo olho forme imagens antes de chegar na retina.

– Miopia Axial: esta variante ocorre quando o comprimento do olho é mais longo do que o comprimento óptico. Este tipo de miopia costuma ter graus mais elevados e também tende a evoluir ao decorrer da vida do paciente.

– Miopia Secundária: comumente apresentada em quadros de pacientes de idade avançada e que tenham glaucoma ou catarata congênita. É causada pelo deslocamento ou pela degeneração do cristalino.

– Miopia Congênita: É a miopia apresentada desde o nascimento. Também costuma ter graus mais altos.

– Miopia de Índice: Apresenta-se em pacientes de idade mais avançada. É caracterizada pelo aumento do índice refrativo do cristalino. Isso faz com que a pessoa consiga enxergar bem de perto e mal de longe.

– Miopia Degenerativa: Este é considerado o tipo mais grave de miopia. Isto porque ela pode causar a cegueira. É o tipo mais raro de miopia. Alguns fatores de risco que podem levar ao desenvolvimento deste quadro são idade avançada e a miopia do tipo axial (por estar relacionada a miopias de alto grau). Felizmente existem tratamentos bastante efetivos para este tipo de miopia, por isso é sempre importante ter o acompanhamento de um médico oftalmologista.

Por que a miopia aumenta?

A ciência aponta alguns fatores que podem fazer o grau da miopia aumentar com o tempo.

A genética é um desses fatores. Se um ou ambos os pais de um paciente apresentarem a miopia, ele terá uma chance maior de também desenvolver a condição, e também de que essa evolua com o tempo.

Outro fator é o alongamento do glóbulo ocular, que ocorre naturalmente ao decorrer dos anos. Este processo pode aumentar o grau de miopia.

Também há uma relação entre luzes naturais e artificiais com a evolução da miopia. Uma exposição diminuída à luz solar e natural faz com que o corpo produza menos dopamina. Este hormônio, entre outras funções, controla o alongamento do glóbulo ocular. Já a exposição prolongada a luzes artificiais e telas interfere com a produção de melatonina, outro hormônio que também está associado ao controle do alongamento do glóbulo ocular.

Passar muito tempo em ambientes fechados e internos também pode estar associado ao aumento do grau de miopia, uma vez que nesses locais nós utilizamos mais a nossa visão de perto, pois a maioria dos objetos sempre se encontra mais próxima.

Quais tipos de miopia podem ser corrigidos com implantes de lentes intraoculares ICL?

O procedimento se mostrou uma forma efetiva de correção de miopia de 6 a 18 graus.

Para a qualificação para o procedimento também é necessário que o paciente tenha entre 21 e 60 anos e que não tiveram nenhum aumento na prescrição de mais de 0,5 grau em um ano.

Todos os tipos de miopia citados acima podem ser corrigidos com lente ICL, lembrando que para todos, há necessidade de avaliação de exames, para certificar dentre eles, se o paciente apresenta espaço adequado, na câmara posterior, para inserir a lente. Além disso, o procedimento pode ser totalmente revertido em caso de novas opções de correção, ou grande alteração de prescrição.

Clique aqui para conhecer as Lentes Intraoculares EVO Visian ICL.

Posts Relacionados

Capa do artigo
É possível evitar a progressão do Ceratocone?

Ceratocone é uma disfunção visual que atinge a córnea, e pode acarretar diversos outros problemas secundários, como graus de miopia e astigmatismo.

O ceratocone é uma doença crônica que pode durar anos ou a vida inteira, porém existem métodos de tratamentos e procedimentos que podem melhorar a qualidade de vida do paciente drasticamente. Neste artigo iremos discutir alguns destes métodos.

Ceratocone: O que é, quais os sintomas e o que causa?

O ceratocone é uma doença que faz com que a córnea se curve para frente, ganhando um formato mais semelhante ao de um cone, ao invés do formato de domo que ela naturalmente tem.

Os sintomas mais comuns são: visão desfocada, sensibilidade à luz; dificuldade para enxergar à noite; visão duplicada e dificuldade para realizar tarefas como ler, escrever, dirigir e usar telas. O curvamento da córnea também pode causar ou agravar a miopia e o estigmatismo.

O mais comum é que a condição se manifeste durante a adolescência. A doença progride com o tempo, causando agravamento dos sintomas, mas costuma se estabilizar por volta dos 35 anos de idade.

Embora a ciência ainda desconheça quais são as causas exatas do ceratocone, sabe-se que existe uma série de fatores que podem ocasionar o surgimento ou o agravamento da doença. Fatores genéticos (casos de ceratocone na família) são uma grande influência. Portadores da Síndrome de Down ou da Síndrome de Ehlers-Danlos também têm uma chance maior de desenvolver a doença.

Um fator comportamental que também parece ser um grande contribuidor para o ceratocone é o hábito de coçar os olhos com muita frequência. Isso porque este hábito pode causar lesões repetidas nos olhos, o que, com o tempo, rompe as fibras que garantem a estabilidade da córnea.

Como evitar a progressão do Ceratocone?

Embora a doença não tenha cura, existem tratamentos muito eficazes que podem melhorar drasticamente a qualidade de vida da pessoa afetada.

Primeiramente, é recomendado que a pessoa evite coçar ou esfregar os olhos frequentemente. Como dito acima, este comportamento pode agravar os sintomas da doença. Por isso é importante também tratar com rapidez condições que causem a necessidade de coçar os olhos, como alergias, infecções e irritações.

Um oftalmologista pode prescrever óculos ou lentes de contato para corrigir os problemas de visão ocasionados pela doença. Em casos mais graves, pode ser necessária uma cirurgia de transplante de córnea.

Um outro procedimento que demonstrou eficácia em corrigir os sintomas do ceratocone é o implante de lentes intraoculares como a Visian ICL.

Não deixe de consultar um médico

Graus de miopia e astigmatismo podem ser causados pelo ceratocone, por isso é sempre importante visitar um médico oftalmologista caso você apresente sintomas que afetem a sua visão. Um especialista poderá descartar esta e outras doenças, e providenciar orientações sobre qual o tratamento mais apropriado para o seu quadro.

Além disso, para impedir que a doença avance muito, um diagnóstico precoce é de extrema importância.

Se você já foi diagnosticado ou suspeita ter a doença, visite um médico o mais cedo possível.

É possível evitar a progressão do Ceratocone?

Leia o artigo
Capa do artigo
Conheça os tipos de lentes intraoculares indicadas para casos de catarata

A catarata é uma doença indolor que afeta o cristalino do olho, causando a perda progressiva da visão. O tratamento é geralmente realizado através do implante de lente intraocular para catarata, que substitui o cristalino afetado.

A causa mais comum da catarata é a danificação natural do cristalino que acontece com o tempo, sendo mais observada em pessoas a partir de 65 anos. Porém, ela também pode ocorrer quando o cristalino é lesionado de alguma maneira – como em acidentes ou pancadas – ou decorrente de outras doenças, como diabetes, hipertireoidismo, glaucoma ou miopia patológica. A catarata congênita é o caso de crianças que nascem com a condição. Todos esses casos são tratados com o implante de lente intraocular para catarata.


Existem vários tipos de lentes que podem ser implantadas no paciente. Neste post iremos falar um pouco sobre a cirurgia para catarata e explicar quais são os tipos de lente disponíveis no mercado para o tratamento da doença.

Como é feita a cirurgia de implante de lente intraocular para catarata?

A cirurgia para catarata é um processo rápido, simples, indolor e perfeitamente seguro.

Usando um laser de precisão, o cirurgião faz um corte de no máximo 2 milímetros no centro da córnea (tecido que reveste o olho). Em seguida é usado um aparelho chamado facoemulsificador que emite pulsos vibratórios curtos. Esses pulsos quebram o cristalino afetado do paciente, que depois são retirados do olhos através de um mini aspirador.

Terminado este processo, é feito o implante da lente intraocular para catarata pelo mesmo corte em que o cristalino foi retirado. Este corte se regenera sozinho dentro de poucos dias.

O procedimento leva entre 10 a 20 minutos para ser finalizado e é totalmente indolor com anestesia local aplicada. Após a realização do mesmo, o paciente deve ficar em observação por algumas horas para assegurar que não ocorra nenhuma complicação. Ao fim deste período o paciente já é liberado para voltar para casa.

O pós-operatório da cirurgia para catarata também é relativamente simples: O paciente deve evitar apenas grandes esforços físicos e levantar pesos maiores que 5 quilos por duas semanas. Deve-se evitar nadar em piscinas, rios, praias ou frequentar saunas por um mês. Atividades como ler, assistir TV, usar o computador ou o celular podem ser retomadas no mesmo dia.

É normal que a visão do paciente fique turva após o procedimento, sintoma este que deve desaparecer sozinho depois de 5 dias.

Quais são os tipos de lente intraocular para catarata?

Existem alguns tipos diferentes de lentes intraoculares com características distintas. Cada tipo é mais indicado para certos casos, incluindo lentes que são capazes de corrigir problemas adicionais de visão, como a miopia.

Veja a seguir quais são e para que servem cada um destes tipos de lente intraocular para catarata.

Lente intraocular monofocal não-tórica

Essas são as lentes indicadas para pacientes com baixo grau de astigmatismo (menor que 1). Essas lentes, além da catarata, também corrigem baixos graus de miopia ou até 6 graus de hipermetropia.

Após o implante desta lente, pode ser que o paciente ainda precise usar óculos de perto.

Lente intraocular monofocal tórica

Estas são indicadas para pacientes que possuem graus médios ou altos de astigmatismo. As lentes intraoculares monofocais tóricas contam com curvaturas calculadas para corrigir o astigmatismo, diminuindo assim a necessidade do paciente usar óculos para enxergar à distância.

Mesmo corrigindo a visão a distâncias maiores, não é raro que o paciente ainda precise de óculos para enxergar de perto mesmo após os implantes.

Lente intraocular multifocal tórica

As lentes multifocais são as mais modernas do mercado, pois como o nome indica, possuem foco tanto para perto quanto para longe. Por isso elas são as mais indicadas para pacientes que, além da catarata, também desejam corrigir tanto a vista de perto quanto de longe.

Esta lente é recomendada apenas para pacientes acometidos com grau médio de astigmatismo. Em alguns casos, o paciente ainda pode precisar de óculos após a cirurgia.

Lente intraocular multifocal não-tórica

Assim como a outra modalidade de lente multifocal, esta também é capaz de corrigir a visão tanto para perto quanto para longe. A diferença é que a lente não-tórica é recomendada para pacientes com grau baixo de astigmatismo.

Também pode ser necessário o uso de óculos após o procedimento.

Lente intraocular multifocal acomodativa

Este tipo de lente intraocular para catarata busca emular o formato natural do cristalino. Em outras palavras, elas imitam o movimento de acomodação do cristalino, além de serem capazes de focar a visão tanto para perto quanto para longe.

Consulte o seu oftalmologista!

É importantíssimo que consulte um médico oftalmologista caso haja alguma suspeita de catarata. Apesar da doença ser indolor, e os sintomas se manifestarem logo no início, ela é uma condição progressiva que só piora com o tempo, podendo vir a causar a perda total da visão.

Segunda a OMS (Organização Mundial da Saúde), a catarata é a causadora de metade de todos os casos de cegueira no mundo todo (fonte), e o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) constatou que 28,7% dos brasileiros acima dos 60 anos são acometidos pela doença (fonte).

Levando em conta que estes casos são perfeitamente tratáveis preveníveis, é de suma importância a consulta com um oftalmologista caso a pessoa tenha sintomas como visão turva/embaçada, visão duplicada, fotossensibilidade, halos em volta da luz, dificuldade de diferenciar tons de cores e mudanças muito frequentes nos graus dos óculos.

O implante de lente intraocular para catarata é seguro e pode salvar a sua visão.

É possível evitar a progressão do Ceratocone?

Leia o artigo
Capa do artigo
5 critérios a serem analisados na escolha de seu especialista em miopia

Se você é alto míope já deve saber da importância de um bom especialista em miopia para seu acompanhamento. Mas encontrar o profissional ideal pode ser um verdadeiro desafio, o que faz com que muitos pacientes optem por trocar seus oftalmologistas, em busca de alguém que melhor se adapte às suas necessidades, principalmente quando envolve a possibilidade de uma cirurgia para miopia.

 

Para que você se sinta seguro e confortável, a escolha do profissional é de extrema importância. Mas como saber se o médico é qualificado? Nós ajudamos!

1 – Conheça seu histórico e certificados

Um bom especialista em miopia deve manter-se atualizado, participar de congressos e buscar certificações. Para escolher um profissional que atenda às suas necessidades, nada melhor do que conhecer um pouco de seu currículo. Será que ele está atualizado nas inovações oftalmológicas? Ou tem o treinamento necessário para realizar uma cirurgia de implantação de lentes intra oculares? 

2 – Busque referências

Peça indicações de médicos para amigos e familiares! Este pode parecer um método ultrapassado numa era em que temos acesso a tanta informação na internet, mas não há referência mais sincera do que a de uma pessoa conhecida. 

 

Se você tem um amigo que é alto míope, provavelmente ele já passou pelo mesmo processo de busca e poderá te ajudar a encontrar um profissional que se adeque às suas necessidades, principalmente se elas incluírem a busca por um médico que ofereça boas condições de financiamento da cirurgia para miopia.

3 – Ele realiza cirurgias para correção de miopia?

Se você é alto míope e está em busca de um especialista em miopia, é possível que esteja em busca de uma cirurgia de correção. Na hora de escolher o profissional é ideal certificar-se que ele realiza esse tipo de procedimento e qual o valor da cirurgia para miopia que ele cobra, bem como se está apto a realizar as opções mais inovadoras do mercado, como a lente intra ocular EVO Visian ICL.

 

Esta lente recém chegada no mercado brasileiro possui 99,4% de taxa de satisfação dos pacientes pelas suas diversas vantagens como alta qualidade na visão, material biocompatível e tempo de recuperação rápido. A EVO Visian ICL é implantada na parte posterior do olho, evitando o atrito com a córnea e, por consequência, seu desgaste.

 

Ela é uma opção de alta segurança para os pacientes, mas ainda assim seu procedimento pode ser revertido se necessário. A Evo Visian ICL existe há mais 20 anos, tendo sido realizados mais de um milhão de implantes em 75 países.

4 – Ele atende pelo seu plano?

Encontrar um especialista em miopia que se adeque às suas necessidades é uma missão que tange também questões financeiras. O alto míope necessita de um acompanhamento próximo e escolher um médico fora do plano pode ser uma decisão de alto custo. Na hora de buscar o seu profissional o ideal é conferir se seu plano cobre suas consultas.

5 – Ele te passa segurança?

Um bom especialista em miopia é capaz de passar a confiança necessária para o paciente. Em uma primeira consulta é ideal avaliar se ele se comporta de maneira profissional e se passa as informações necessárias para que você se sinta confortável. 

 

Se você está pensando em realizar uma cirurgia de correção de grau o ideal é tirar uma série de dúvidas com seu médico, para assegurar-se de que estará fazendo o melhor procedimento para o seu caso. Para isso, confira nosso guia de perguntas que você deve fazer ao seu especialista em miopia.

 

Leia o artigo