Criança e lentes de contato: entenda quando seu uso é necessário

O uso de óculos na infância muitas vezes traz alguns desafios de adaptação e, infelizmente, não são todas as crianças que conseguem adotá-los, o que pode prejudicar a visão. 

As causas dessa dificuldade podem ser várias. Além de ser um acessório de uso constante obrigatório, pode gerar desconforto para algumas atividades (como práticas esportivas) e devido ao peso da armação no caso dos graus mais elevados. Sem contar que pode ser facilmente perdido pelos pequenos, não é mesmo? Para os mais velhos, não podemos esquecer ainda da questão estética. 

Fica aí o desafio para os pais e responsáveis, que precisam, como de costume, ser criativos para lidar com a resistência e adaptações necessárias para o uso dos óculos. Aqui, você encontra algumas dicas para fazer essa adaptação.  

Ao contrário do senso comum, o uso de lentes de contato pode ser uma alternativa para superar esses desafios com as crianças. E não há uma idade mínima para que os pequenos as usem, estima-se algo entre 7 e 8 anos, mas é importante considerar o contexto e a maturidade da criança.  

Lente de contato infantil como controle da progressão da miopia 

Além de ser uma alternativa viável aos óculos devido aos motivos citados anteriormente, o uso de lentes de contato específicas e com desenhos especiais é adotado como uma opção para o controle da progressão da miopia infantil.  

Nesse caso, são indicadas para crianças a partir de 8 anos e que apresentam progressão acelerada da miopia desde a infância. Vale reforçar que a habilidade de colocar e retirar as lentes dos olhos, bem como a sua higienização e demais cuidados, são fatores essenciais e que também precisam ser analisados ao se considerar a substituição dos óculos pelas lentes.  

A indicação de uso de lentes para controle da progressão da miopia infantil é médica e, portanto, apenas o oftalmologista poderá fazê-la. 

Cuidados com uso de lentes de contato  

Com a criança adaptada, o uso da lente de contato infantil torna a superação dos problemas de visão algo mais simples. Porém, requer cuidados por estar em contato direto com os olhos, região delicada. 

Assim, um ponto de atenção deve ser o descarte. Há diversas opções no mercado, como as com troca anual, mensal, quinzenal e diária. Para o público infantil, a última costuma ser indicada por conta da higiene e menor risco de contaminação, uma vez que o manuseio acaba sendo reduzido: a criança a coloca pela manhã e, no final do dia, remove e descarta. 

Outros pontos importantes ao optar pelo uso de lentes para a miopia infantil são: não dormir com o acessório nos olhos, manusear com muito cuidado, higiene sempre e usar produtos específicos para sua limpeza. 

E lembre-se, por mais adaptada que a criança esteja, o apoio de um adulto é fundamental. O uso inadequado pode gerar problemas preocupantes, desde reações alérgicas causadas por questões de higiene, até hemorragias e descolamento da retina se houver baixa oxigenação devido ao uso prolongado. 

Consulte sempre um oftalmologista para indicar as melhores opções para suas crianças! 

Criança diagnosticada com alta miopia. Saiba o que fazer

Posts Relacionados

Capa do artigo
A relação da Covid-19 e parto prematuro e os cuidados com a visão do bebê

No fim de 2019, foi detectado na China o vírus Sars-Cov-2, causador da doença da covid-19. Em 11 de março de 2020, a OMS decretou uma pandemia do novo Coronavírus

 

Orientar sobre todos os cuidados para evitar a infecção por Covid-19 e conscientizar seus pacientes sobre as particularidades da visão do bebê e da visão do prematuro é extremamente importante para prevenir problemas futuros mais graves.

Dentre os sintomas mais comuns de Covid-19 na variante ômicron, a mais frequente hoje, estão:

  • Febre e calafrio;
  • Tosse;
  • Dificuldade para respirar;
  • Cansaço;
  • Dor muscular ou no corpo;
  • Perda de olfato e paladar;
  • Dor de cabeça;
  • Coriza e congestão nasal;
  • Vômito;
  • Diarreia;

Os últimos e traumáticos anos de pandemia de Covid-19 no mundo demonstraram que a doença, especialmente nas variantes anteriores, era imprevisível quanto à sua gravidade. Entretanto, hoje em dia, com o avanço da vacinação e a chegada de uma variante dominante menos agressiva, sabemos que os riscos são maiores para os não vacinados, dentre estes, especialmente aqueles em grupos de risco, como portadores de comorbidades, idosos, grávidas e puérperas.

Nas mulheres gestantes, existe ainda um risco do parto prematuro relacionado à infecção, o que é algo grave, já que a prematuridade é a maior causa de mortalidade infantil em crianças de até 5 anos, segundo a OMS.

A prematuridade também pode prejudicar diretamente a visão do bebê, uma vez que uma das consequências em potencial do parto prematuro são problemas de visão associados a este. Também os bebês nascidos prematuros podem ter problemas de saúde de curto e longo prazo, que tendem a ser mais graves quanto mais cedo o bebê nasce. 

Por isso, é preciso algumas assistências e cuidados especiais para cuidar da visão do prematuro. A importância do teste do olhinho e outros cuidados são essenciais logo em suas primeiras horas de vida.

Covid e Prematuridade

Além de causar preocupação generalizada na população por conta dos números assombrosos de mortes por pessoas que contraíram o coronavírus, a doença também está causando preocupações por agravar outras situações que já eram bem complexas antes da pandemia. Um exemplo é a prematuridade como um todo, que envolve, entre outros pontos, a prevenção durante a gestação, o tratamento de bebês prematuros, os cuidados com a visão do bebê e o acolhimento à família.

De acordo com um estudo do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos, contrair o Coronavírus durante a gravidez aumenta o risco de parto prematuro. O relatório da instituição é baseado na análise de 4.442 gestantes, diagnosticadas com Covid-19. Durante o estudo, mais de 3.900 bebês tiveram a idade gestacional relatada. Dentro desse grupo, 13% dos bebês (cerca de 500) nasceram prematuros. Já em relação aos bebês, que foram testados para a Covid-19, metade que teve teste positivo era prematuro.

O grupo de grávidas acometido pela Covid-19 tinha mais chances de ter má perfusão placentária, um conjunto de alterações na circulação de sangue do órgão, como lesões ou entupimentos nos vasos sanguíneos, que prejudica o fornecimento de oxigênio ao bebê e está ligado a problemas como parto prematuro, sofrimento fetal e interrupções precoces de gravidez.

Essas descobertas destacam a importância de prevenir a Covid-19 em mulheres grávidas. Hoje, a forma indiscutivelmente mais eficaz de prevenir a Covid-19 é a vacinação.

Tenha medo da doença, não da vacina

É importante conscientizar sobre a necessidade da vacinação e de como seus eventuais riscos e efeitos adversos são infinitamente menores que seus benefícios.

Um estudo feito nos EUA pelo Centro de Controle de Doenças dos EUA (CDC) publicado pelo New England Journal of Medicine  mostrou que as vacinas da Pfizer, são seguras para as gestantes. Igualmente as demais vacinas, até a presente data, em que não se registrou nenhum evento adverso grave em grávidas e puérperas.

Já a doença em si, esta sim, é de grande preocupação para grávidas não vacinadas. Em 2021, enquanto a taxa média de letalidade do vírus era de algo em torno de 2%, entre grávidas e puérperas era de 11%, ou seja, quase 6 vezes maior.

Uma das fake news, que mais se difundiu foi a de que as vacinas poderiam causar trombose. Porém, a realidade é que a Covid-19, esta sim, causa trombose em 16% daqueles que obtiveram o quadro grave da doença, segundo estudo. Segundo a Agência Europeia de Medicamentos,  0,0004% das vacinações com a AstraZeneca poderiam hipoteticamente causar a trombose. Para a Janssen, que usa uma tecnologia semelhante à da AstraZeneca: a chance de trombose é de 0,0001%. Para efeito de comparação, o risco de trombose por tomar pílula anticoncepcional, por exemplo, é  de 0,05%. Da covid, significa um risco 41 mil vezes maior do que a da vacina.

Visão do prematuro

Orientar seus pacientes sobre os cuidados com a visão do bebê prematuro é fundamental para evitar problemas mais graves ou, até mesmo, irreversíveis com o passar dos anos. É recomendado que o teste digital do olhinho seja feito logo após o nascimento para mapear 130 graus do globo ocular, e complementar a avaliação do olhinho do bebê, realizado na maternidade, através do teste do reflexo vermelho.

O teste digital do olhinho ajuda a detectar qualquer possível alteração na visão infantil e enfermidades que não costumam apresentar sintomas imediatos, mas comprometem a visão do recém-nascido já nos primeiros meses de vida.

O exame é realizado por um retinógrafo de última geração, RetCam, e consiste em dilatar a pupila do bebê com um colírio recomendado e com a lente de amplo ângulo avaliar por completo a saúde ocular através de imagens fotográficas de alta resolução. Considerado a tecnologia mais avançada atualmente para avaliação de retina, ele detecta diversas enfermidades como retinopatia da prematuridade, retinoblastoma, síndromes congênitas e entre outras.

Além disso, o retinógrafo também pode detectar doenças infecciosas contraídas pelas mães e que causam alterações no fundo do olho, afetando a visão infantil, como sífilis, toxoplasmose, zika.

Para conscientizar ainda mais os seus pacientes, o programa Juntos Pela Visão Infantil, idealizado pela Advance Vision, já tem alguns hospitais públicos e particulares que dispõem de um retinógrafo de última geração para fazer o Teste Digital do Olhinho. Confira no site: https://juntospelavisaoinfantil.com.br/rede/.

 

 

 

Leia o artigo
Capa do artigo
Saiba quando é preciso tratar a pálpebra caída em crianças

Saiba quando é preciso tratar a pálpebra caída em crianças 

​Você já deve ter se deparado com alguém com a pálpebra caída, mas provavelmente não sabe exatamente do que se trata, não é mesmo? 

A​​ ptose, condição em que a pálpebra superior fica mais baixa do que o normal, pode afetar um ou ambos os olhos e deixar a aparência da pessoa com aspecto cansado ou de sonolência. Ela pode ser congênita (vinda desde o nascimento) ou surgir ao longo da vida, sendo chamada de Ptose adquirida. 

Como nosso foco aqui são os pequenos e a visão infantil, hoje falaremos sobre a ptose congênita. E já vale destacar que seus efeitos vão além das questões estéticas, que por si só já podem abalar bastante as crianças nascidas com tal condição. 

Causas da pálpebra caída em crianças 

É geralmente causada por uma fraqueza ou falta de desenvolvimento nos músculos que controlam a pálpebra superior. Em alguns casos, a ptose congênita pode ser hereditária, mas muitas vezes a causa é desconhecida. Além disso, pode ser associada a outras condições, como síndrome de Down ou distrofia muscular. 

Os sintomas existem 

Os sintomas da ptose congênita podem variar de leve a grave, bem como afetar um ou ambos os olhos. É importante que os pais ou responsáveis mantenham-se atentos a qualquer alteração nos olhos e visão das crianças para identificar essa e demais enfermidades. 

Alguns sinais comuns da ptose congênita incluem: queda da pálpebra superior, podendo cobrir parcial ou totalmente a pupila; dificuldade para manter a pálpebra aberta e/ou esforço para levantá-la, especialmente quando cansado; dor de cabeça devido ao esforço para manter a pálpebra aberta; e problemas de visão, incluindo ambliopia (olho preguiçoso). 

Saiba mais: Ambliopia é um problema de ligação entre olho e cérebro, onde o 

cérebro ignora a informação de um dos olhos e os músculos que os rodeiam 

não funcionam de forma correta, tornando o olho “fraco”. 

Tratamento para pálpebra caída em crianças 

O tratamento da ptose congênita dependerá do grau de queda da pálpebra e da gravidade dos sintomas apresentados na visão infantil. Em casos leves, pode não ser necessário nenhum tratamento. Entretanto, se afetar a funcionalidade dos olhos ou a aparência da criança, podem ser recomendados óculos, lentes de contato ou cirurgia.  

Para que o melhor caminho de tratamento seja definido, é necessário realizar um exame oftalmológico completo para identificar o nível de ptose e determinar as causas do problema. 

Caso a cirurgia seja indicada, ela geralmente envolve o encurtamento do músculo levantador da pálpebra superior ou a colocação de um enxerto para elevá-la. Mas, assim como as demais opções de tratamento, o tipo de cirurgia irá variar conforme o grau da ptose e as características da criança. 

Cuide da visão infantil 

Se você notar qualquer sintoma de ptose congênita em seu filho (ou qualquer outra criança de seu convívio ou que esteja sob sua responsabilidade), é importante procurar ajuda médica de um oftalmologista o mais rápido possível.  

Com um diagnóstico e tratamento adequados, é possível ajudar seu filho a superar a ptose congênita e levar uma vida normal e saudável. Não deixe de levar seus pequenos a consultas e exames oftalmológicos com regularidade! 

 

Leia o artigo
Capa do artigo
Oftalmos: como é possível ajudar os pais de crianças com daltonismo?

O Daltonismo é definido como um distúrbio de visão que dificulta a percepção de cores específicas, mais comumente, verde e vermelho. Também chamada de discromatopsia ou discromopsia, a condição tem origem genética e afeta cerca de um em cada 12 meninos, com maior probabilidade se o avô materno apresentar o problema; e uma em cada 12 meninas, sendo necessariamente filhas de pai daltônico. .  

Esse problema de visão infantil bastante popular apresenta dificuldades em ser diagnosticado, uma vez que não apresenta sinais físicos. Por isso, é muito importante que os pais sejam conscientizados sobre quais pontos devem observar no comportamento dos filhos. 

 O termo Daltonismo 

O termo “Daltonismo” deriva do nome do químico e físico inglês, John Dalton (1766-1844), que foi o primeiro estudioso a publicar sobre a falta de habilidade em enxergar cores, a partir da sua própria experiência.  

Como identificar o daltonismo em crianças

Qualquer problema relacionado à saúde ocular infantil pode ser mais desafiador para os pais identificarem, principalmente nos primeiros anos, quando a criança possui mais dificuldade para se comunicar. 

Os pais precisam prestar atenção, principalmente, nos momentos de brincadeiras com peças ou jogos coloridos. A criança com daltonismo muito provavelmente vai ter mais dificuldade para identificar peças de cores diferentes e apresenta menos paciência para esse tipo de atividade. 

A partir dos três anos, os sinais do problema de visão infantil ficam um pouco mais claros: é comum que os pequenos utilizem cores inadequadas para colorirem desenhos que representam objetos reais, como folhas roxas e animais vermelhos. Elas também tendem a ter menos foco para atividades de colorir e apresentam dificuldade em identificar seu time em brincadeiras coletivas que utilizam a identificação por meio de coletes coloridos. 

Você não está sozinho! 

Como explicitado acima, o problema de visão infantil é comum e acomete muitas crianças, o que pode ajudar os pais a se sentirem melhor quando identificam o daltonismo. Muitas vezes, eles apresentam uma certa culpa por não terem percebido o problema mais cedo.  

É necessário pontuar que o daltonismo é um problema de saúde ocular infantil de difícil diagnóstico até por especialistas, e que vai depender do comportamento da criança para ser identificado. Além disso, é relevante ressaltar que o mais importante é se preocupar em como explicar a condição para a criança e adaptá-la às suas atividades. 

 Como seguir 

Para que a criança se sinta segura, é necessário que os pais se sintam seguros. E a melhor pessoa para passar essa segurança em relação ao problema de visão infantil é o oftalmologista. 

Em primeiro lugar, a criança precisa entender que, por mais que a condição possa ser cansativa e às vezes frustrante, ela pode ser interessante e gerar histórias para ela contar aos amigos. Demonstrar empatia e apresentar novos pontos de vista em relação ao daltonismo ajudam a criança a ter autoconfiança. 

Depois de conscientizar os pequenos, o primeiro passo deve ser avisar e envolver a escola em relação ao problema, para que professores e orientadores possam adaptar as atividades que envolvam cores. 

Também é importante que lápis, canetas, roupas, brinquedos e todos os objetos que a criança vá utilizar sozinha sejam identificados com etiquetas com os nomes das cores. Dessa forma, ela conseguirá identificar de maneira mais fácil e independente. Além disso, reforçar a luminosidade nos locais onde ela brinca e estuda facilita a identificação de diferenças entre os tons. 

 

Leia o artigo