Como a dificuldade ao enxergar pode atrapalhar o desenvolvimento da coordenação motora das crianças

Cuidar da visão na infância, fazer o teste do olhinho e realizar os exames de vista infantil necessários, também é cuidar do desenvolvimento e do processo de aprendizado da criança. Isso porque os primeiros anos de vida são de muitas aquisições motoras dos pequenos, o que permite certa independência funcional cada vez maior para explorar o ambiente que o rodeia, exploração esta que é fundamental para o seu desenvolvimento físico, psíquico e cognitivo.

A visão também é um dos sistemas sensoriais mais importantes na locomoção pois fornece informação tanto do ambiente quanto da postura e dos movimentos corporais. O desenvolvimento da experiência motora propicia o grande desenvolvi­mento dos vários outros componentes, como coordenação e equilíbrio, além das habilidades motoras básicas como andar, pular, correr, arremessar entre outras. 

Por isso, o cuidado ocular e exames de vista infantil devem acontecer desde o nascimento da criança, já que um prejuízo no desenvolvimento visual pode dificultar outras habilidades no momento da aprendizagem. 

Com a realização do teste digital do olhinho nas crianças, por exemplo, é possível detectar e garantir o diagnóstico precoce de alguma possível patologia, como a retinopatia de prematuridade ou algum problema refrativo como a miopia infantil. Quando diagnosticadas precocemente há a possibilidade de realizar um tratamento adequado, evitar a cegueira e diminuir as sequelas que a criança poderia ter caso a doença só fosse percebida após alguns anos. 

 

O que o teste digital do olhinho faz?

O Teste Digital do Olhinho é um complemento do TRV (Teste do Reflexo Vermelho). Ele permite avaliar a câmara posterior do olho do bebê com mais precisão. O exame é realizado após dilatação ocular, permitindo, assim, a avaliação do olho por completo. Com ele, é possível detectar doenças oculares  como: catarata, glaucoma, retinoblastoma (RB), retinopatia da Prematuridade (ROP), cicatriz corneal entre outras. 

Quanto antes, melhor!

A visão é um sentido fundamental para o desenvolvimento físico e cognitivo da criança. Gestos e condutas são aprendidos quando ela observa as pessoas ao seu redor e, caso a visão esteja prejudicada, isso pode afetar inclusive a coordenação motora e influenciar em outras áreas da vida do pequeno. 

Um dado da Organização Mundial da Saúde (OMS), mostra que oito em cada dez casos de problemas oculares, incluindo a miopia infantil, poderiam ser evitados caso houvesse um diagnóstico precoce. Por isso, levar seu filho ao oftalmologista para realizar exames de vista infantil é importante para garantir o diagnóstico precoce, e evitar o agravamento de alguns casos ou danos futuros. 

 

Seu filho precisa de óculos?

Se ele tem dificuldade para reconhecer objetos de longe, não é muito bom nos esportes e atividades que exijam coordenação motora, cai toda hora ou fecha um pouco os olhos para conseguir ver. A resposta para a pergunta é: provavelmente SIM. 

Caso você já tenha percebido alguma dificuldade da criança em enxergar ou algo parecido com as situações citadas acima, também é primordial levar o seu pequeno a uma consulta médica com um oftalmologista. Dessa forma, ele indicará quais exames de vista infantil são ideais para o diagnóstico e prescrição correta do grau de correção.

Se o médico confirmar a necessidade do uso dos óculos, não é o fim do mundo. Hoje já existem modelos especiais para crianças à disposição no mercado. Já é possível encontrar opções com armação que contorna toda a lente e que são mais maleáveis e resistentes, para permitir que a criança possa correr e brincar sem preocupações. 

Para crianças com miopia infantil ou outros problemas de visão, o acessório facilita o processo de aprendizado, realizações de atividades esportivas e melhora na qualidade de vida. 

Posts Relacionados

Capa do artigo
Seu filho possui cílios tortos? Entenda porquê tratar esse problema o quanto antes

A presença de cílios tortos em crianças é algo inicialmente simples, mas que precisa de atenção por poder afetar a visão infantil. A condição, chamada de Triquíase, é causada pelo crescimento dos fios na direção errada, curvando-se para dentro, em direção aos olhos. Parece inofensivo, mas pode não ser. 

O ponto de alerta deve-se ao fato de que os cílios tortos podem irritar a córnea e a conjuntiva, causando vermelhidão, coceira e até mesmo dor nos olhos. Se não tratada, essa característica pode levar a problemas mais sérios, como úlceras corneanas, infecções e cicatrizes. 

O que pode causar esse problema ocular em crianças? 

As causas são variadas, podendo ser um fator congênito (herdados geneticamente e presentes desde o nascimento), fruto de um trauma (algumas lesões oculares podem fazer com que os cílios cresçam na direção errada) e até mesmo infecções oculares (como conjuntivite). 

Como identificar? 

Os sintomas dos cílios tortos que podem causar problema ocular em crianças incluem coceira e vermelhidão nos olhos, lacrimejamento, dor ocular, sensação de corpo estranho e sensibilidade à luz.  

Vale mencionar que nem sempre a criança consegue definir ou sinalizar o incômodo que está sentindo, por isso é preciso atenção constante à região e ao comportamento de seus pequenos. 

Caso identifique que há cílios tortos, é importante levar a criança a um oftalmologista pediátrico o mais rápido possível. Além disso, aqui estão algumas recomendações para ajudar a prevenir ou minimizar os sintomas: 

  • Limpeza adequada dos olhos: limpe cuidadosamente os olhinhos com água limpa e sabão suave. 
  • Mantenha as unhas curtas: devido ao incômodo, é possível que a criança coce os olhos, o que se agrava caso as unhas não estejam curtas por causar mais irritação.  
  • Mantenha as mãos limpas: o contato com os olhos é inevitável, por isso certifique-se de lavar as mãos regularmente para evitar a propagação de germes e infecções. 

O tratamento para cílios tortos na visão infantil 

A boa notícia é que há tratamento para esse problema ocular em crianças. Os tratamentos podem variar dependendo da causa e da gravidade da condição. Seguem abaixo alguns tratamentos comuns que podem ser recomendados por um oftalmologista: 

  • Tratamento médico: o uso de colírios antibióticos e anti-inflamatórios pode ajudar a aliviar os sintomas e prevenir infecções. 
  • Terapia de calor: a aplicação de compressas quentes pode ajudar a suavizar e endireitar os cílios. 
  • Cirurgia: em casos mais graves, a cirurgia pode ser necessária para corrigir a posição dos cílios. 

Quando o assunto é visão infantil, todo cuidado é pouco. Caso suspeite de cílios tortos (ou qualquer outro problema), não hesite em procurar um oftalmologista. Mesmo que seja preocupante, as chances de solução são sempre aumentadas com um diagnóstico e tratamento precoce. 

Leia o artigo
Capa do artigo
Celulite Ocular em Crianças: Causas, Sintomas e Cuidados Essenciais

A celulite ocular em crianças é uma condição rara e pouco conhecida, que consiste em uma infecção bacteriana nos tecidos ao redor dos olhos e requer atenção médica imediata. Por isso, é extremamente séria e precisa ser cada vez mais conhecida pela população em geral. 

Convidamos você hoje a saber mais sobre a celulite ocular em crianças e a ajudar a compartilhar essas informações. 

O que é a doença? 

Também conhecida como celulite periorbital ou pré-septal, a celulite ocular pode ocorrer quando as bactérias entram nos tecidos moles ao redor dos olhos da criança, causando uma infecção. Todos os problemas de visão infantil merecem atenção, mas a necessidade de cuidados imediatos torna essa doença bastante delicada.  

A principal causa da celulite ocular em crianças é, normalmente, a disseminação de uma infecção bacteriana de áreas próximas, como o nariz ou os seios da face. Essas bactérias podem entrar nos tecidos ao redor dos olhos por meio de pequenos cortes, feridas ou picadas de insetos. Em alguns casos, pode até mesmo se desenvolver a partir de uma infecção viral, como um resfriado ou uma sinusite. 

Os sintomas variam, mas geralmente incluem problemas de visão infantil como vermelhidão, inchaço e calor ao redor do olho afetado. A criança pode, ainda, reclamar de dor ou sensibilidade na área e a pálpebra pode ficar inchada. Já nos casos mais graves pode haver febre, mal-estar e proptose, que é um deslocamento do globo ocular para frente.  

Se você notar algum desses sintomas em seu filho, é importante procurar atendimento médico imediatamente. 

Como é feito o diagnóstico? 

O diagnóstico da celulite ocular em crianças é feito por um médico, com base em uma análise detalhada e na avaliação dos sintomas. Exames de imagem, como tomografia computadorizada ou ressonância magnética, também podem ser solicitados para avaliar a extensão da infecção, conforme o médico julgar necessário. 

Como o tratamento? 

O tratamento da celulite ocular em crianças geralmente envolve o uso de antibióticos orais para combater a infecção bacteriana. Para os casos mais graves pode ser necessário fazer a administração de antibióticos intravenosos no hospital. É importante destacar que, para a solução desse e de outros problemas de visão infantil, é fundamental seguir rigorosamente as instruções médicas quanto à dosagem e à duração do tratamento. 

Paralelamente, algumas medidas podem ser recomendadas para aliviar os sintomas e ajudar na recuperação da criança, como: repouso, compressas mornas na área afetada, analgésicos para aliviar a dor, hidratação e boa alimentação.  

Prevenção! 

A prevenção é essencial quando se trata de celulite ocular em crianças. Assim, a educação sobre boas práticas de higiene pessoal ajuda a reduzir o risco de infecções que podem levar à doença. Oriente sempre seus pequenos a hábitos, como lavar as mãos regularmente. 

Além disso, é importante tratar adequadamente qualquer infecção próxima dos olhos, como no nariz ou nos seios da face, para evitar sua disseminação. E por último, mas não menos importante, atente-se a qualquer sintoma e busque informações sobre doenças que afetam as crianças, isso pode te ajudar no diagnóstico precoce e a evitar maiores problemas de visão infantil 

 

Leia o artigo
Capa do artigo
Doenças infantis que não podem ser combatidas com vacina e alteram a visão

As vacinas estão na ordem do dia. Em função da pandemia de coronavírus que enfrentamos, este assunto tem ganhado destaque mundial. Vale ressaltar que as vacinas foram um avanço civilizatório fundamental. Só no Brasil, de acordo com Isabella Ballalai, Presidente da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm), aumentou-se 30 anos na expectativa de vida, sobretudo, na diminuição de óbitos por doenças infecciosas preveníveis.

Com relação à saúde infantil, estima-se que a mortandade global seria 45% maior sem a existência de vacinas. Temos grandes aliados na prevenção de doenças infecciosas e outras que não são preveníveis com vacina, como é o caso do exame de vista infantil, o teste do olhinho, teste do pezinho, etc. Conheçamos algumas dessas doenças preveníveis com o teste do olhinho.

Quais doenças para as quais não existem vacinas, são preveníveis com o teste do olhinho?

O exame de vista infantil, como o teste do reflexo vermelho, ou o teste do olhinho digital, além de poder detectar questões mais simples de tratamento, podem também detectarem doenças graves, congênitas ou não, como o retinoblastoma.

Veja quais doenças são detectadas no teste digital do olhinho, sendo o mais completo:

Catarata;

– Coloboma Retinal;

– Doença de Coats;

– Familial Exudative Vitreoretinopatia (FEVR);

– Hemorragia de Retina e Macular;

– PHPV, Norrie & TORCH;

– Retinoblastoma (RB);

– Retinopatia da Prematuridade (ROP);

– Shaken Baby Syndrome;

– Síndromes Congênitas;

– Zika Congênita.

Quais são as vacinas do Plano Nacional de Imunização (PNI) e quais doenças elas previnem?

Ao nascer – BCG e Hepatite B, em uma e duas doses respectivamente, contra Formas Graves de Tuberculose e a Hepatite B;
2 meses – VORH, Pentavalente, VIP e VOP, Pneumocócica 10. Protege contra o Rotavírus, Difteria, Tétano, Coqueluche, Hepatite B e meningite tipo b, Poliomelite, Pneumonia, otite, meningite (1a dose);
3 meses – Meningocócica C 1.ª dose;
4 meses – Rotavírus 2.ª dose, Pentavalente 2.ª dose, Poliomelite 2.ªdose VIP (1), Pneumocócica 10;
5 meses – Meningocócica 2.ª dose;
6 meses – Pentavalente 3.ª dose, VIP 2.ª dose;
9 meses – Febre amarela dose inicial;
12 meses – Pneumocócica 1.ºreforço, Meningocócica C 1.º reforço, Tríplice Viral 1a dose; 15 meses – DTP 1.ºreforço, 1.º reforço VOPb (1), Tetra Viral, Hepatite A;
4 anos – DTP 2.º reforço, VOPb 2.º reforço (1), Febre Amarela reforço 3, Varicela 2.ª dose;
9 anos – Febre Amarela uma dose, HPV duas doses.

Não nos esqueçamos de manter a vacinação e o exame de vista infantil em dia.

Doenças infantis que não podem ser combatidas com vacina e alteram a visão

Leia o artigo