Cirurgias de correção de miopia e saúde mental

Nunca se falou tanto em saúde mental como atualmente. Dados da OMS (Organização Mundial da Saúde) mostram que 450 milhões de pessoas são afetadas diretamente por transtornos mentais, a maioria delas está nos países em desenvolvimento. E não para por aí: uma em cada quatro pessoas com alterações visuais tem depressão e a cirurgia de correção para o alto míope pode influenciar nesses números alarmantes, já que entre as doenças que causam mais incômodos e que prejudicam a saúde mental segundo o estudo, está o olho seco – uma consequência inclusive da cirurgia de correção da miopia com lente Lasik.

A saúde ocular está estreitamente conectada à sistêmica. De acordo com a ONG britânica Action for Blind People, pessoas que perderam alguma ou toda a visão geralmente lutam com uma gama de emoções: choque, tristeza, frustração e depressão. Além disso, muitas vezes, problemas na visão deixam algumas pessoas mais isoladas, o que causa sentimento de desamparo e solidão. 

O risco de perda da visão em pacientes alto míopes, por exemplo, também é grande e está relacionado ao aumento do comprimento axial do olho, que pode provocar o descolamento da retina, edema na mácula (porção central da retina), catarata entre outros. Por isso, muitas pessoas acabam investindo na cirurgia de correção da miopia com lentes. Porém, dependendo do método escolhido, pode não ser a melhor solução e acabar afetando sua saúde mental. 

Lasik e a Depressão

A cirurgia a laser Lasik é uma das opções para correção da miopia com lentes. Com o objetivo de corrigir problemas de visão e dar adeus ao uso dos óculos, Lasik remodela e remove o tecido corneano no nível dos nervos sensoriais. Esses nervos protegem o olho, mas também fornecem o feedback (biofeedback) necessário para a produção de novas lágrimas. Na ausência desse feedback, o olho seca e sua superfície pode se deteriorar. 

Na maioria dos casos, os nervos cortados retornarão à função normal dentro de quatro a seis meses após o procedimento. Mas para alguns pacientes, isso não acontece. Por haver essa remoção no tecido corneano, além do olho seco, o paciente que se submete ao método de correção da miopia com lente Lasik também corre maior risco de ter ardência, sensação de areia nos olhos, sensibilidade extrema à luz e perda de visão de qualidade – o que pode levar a casos graves de depressão

Outro fator negativo, é que lasik é irreversível. Ou seja, se houver esse tipo de  imprevisto (como os citados acima), não dá para realizar a retirada da lente ou reverter os efeitos colaterais. 

Essas complicações têm apresentado um profundo impacto negativo na qualidade de vida dos pacientes que se submeteram a cirurgia, ou seja, o que deveria ser uma solução para o problema de visão, acabou virando um pesadelo.

Lente Intraocular ICL: menos invasiva e reversível!

A chegada da lente intraocular ICL no mercado brasileiro trouxe inovações para o ramo de cirurgia para correção da miopia com lentes por trazer diversas vantagens como o material biocompatível e preservação da córnea.

A lente EVO Visian ICL possui altas taxas de satisfação entre os pacientes já que proporciona melhora no bem-estar e alta performance na visão. Feita com material collamer, exclusivo da Staar Surgical, é biocompatível, evitando a possibilidade de rejeição. 

Por ser localizada na parte posterior do olho, a correção da miopia com lente intraocular ICL preserva a córnea e mantém a fisiologia ocular natural, permitindo o fluxo de humor aquoso e evitando a síndrome do olho seco – que é uma das principais causas de depressão quando relacionada com saúde ocular . Além disso, ela é completamente reversível, podendo ser retirada em qualquer momento caso o paciente se arrependa ou queira fazer outra cirurgia mais moderna no futuro. 

A realização de uma cirurgia para correção da miopia com lentes pode trazer diversos benefícios para o seu bem-estar, porém é importante optar pelo método mais eficaz, reversível e com menor chance de causar efeitos colaterais indesejados. 

Posts Relacionados

Capa do artigo
Daltônicos podem fazer correção de miopia?

O daltonismo é uma deficiência visual que interfere na habilidade do indivíduo de enxergar certas cores. Geralmente, pessoas com graus de daltonismo têm dificuldade de distinguir entre as cores verde e vermelha, e, mais raramente, também pode ocorrer dificuldade de distinguir entre o azul e o amarelo.

Em quase todos os casos, o daltonismo é uma condição genética hereditária, ou seja, pode ser transmitida de pai para filho. Esta mutação genética altera o funcionamento de partes do olho responsáveis pela captação e interpretação de partículas de luz, o que gera as dificuldades de enxergar certas cores.

Devido a sua peculiaridade, pessoas com graus de daltonismo podem se sentirem inseguras de fazer procedimentos nos olhos, com medo de terem algum tipo de restrição que pessoas com visão normal não tenham. Neste artigo iremos falar sobre a correção de miopia em pessoas daltônicas e responder algumas dúvidas comuns sobre a relação entre esta condição e os procedimentos que podem ser realizados nos olhos.

Pessoas com graus de daltonismo têm chance maior de ter miopia?

Não existem evidências científicas que mostrem alguma relação entre daltonismo e o desenvolvimento de miopia. Aliás, a ciência aponta justamente para o contrário: em um estudo conduzido por cientistas entre estudantes do ensino médio na China em 2009, mostrou que a incidência de miopia entre aqueles que possuíam graus de daltonismo era de 45,6%, já em estudantes sem a deficiência, a incidência era de 65,8%. O estudo concluiu então que pessoas daltônicas têm, na verdade, uma chance menor de desenvolver miopia.

Sou daltônico e míope. Posso passar por procedimentos de correção de miopia?

Assim como na questão acima, não existem evidências que mostrem algum impedimento para pessoas daltônicas passarem por procedimentos de correção de miopia. Estes procedimentos geralmente não interferem em áreas do olho ligadas a captação de luz e cores, portanto não há riscos de interferência de uma condição com a outra.

Dito isso, lembre-se de sempre consultar com um médico especialista antes de tomar qualquer decisão, para ter orientações mais precisas para o seu quadro particular. A saúde dos olhos é importante, e deve ser levada a sério.

Leia o artigo
Capa do artigo
Conheça os benefícios da cirurgia de catarata e saiba como se preparar

A catarata é uma lesão ocular que deixa opaco o cristalino (lente localizada atrás da íris cuja transparência permite que os raios de luz o atravessem e alcancem a retina para formar a imagem), o que compromete a visão, deixando-a embaçada.  

Ela pode ser congênita (o que é raro) ou adquirida com o passar dos anos, uma vez que sua principal causa é o envelhecimento. E sua evolução tende a ser lenta, podendo afetar primeiro um dos olhos e o outro depois de algum tempo. Assim, a dificuldade de enxergar aumenta progressivamente, evoluindo, às vezes, até a cegueira. Outros sintomas possíveis são visão dupla, sensibilidade à luz e imagens distorcidas.  

Com isso, quem tem catarata pode enfrentar dificuldade para dirigir, ler, andar e até mesmo relatar quedas frequentes e que as cores estão desbotadas.  

Cirurgia de catarata 

Felizmente há tratamento para a catarata, mas sua solução é apenas cirúrgica. O procedimento é simples, rápido e feito sob anestesia local, visando substituir o cristalino danificado por uma lente para catarata que recupera a função perdida.  

Essa lente artificial pode ser de vários tipos e corrigir diferentes problemas de visão, como implantar lentes especiais que permitem corrigir a miopia e eliminar o uso de óculos. A Evo Visian ICL, por exemplo, garante eficácia por conta da excelente biocompatibilidade com os tecidos do olho humano e qualidade superior de visão.  

O cristalino pode ser retirado inteiro ou por uma técnica chamada facoemulsificação (um aparelho tritura e aspira o cristalino), que tem a vantagem de exigir um corte menor e, em geral, sem suturas. 

Aliada contra a demência 

Além de retomar a visão, a cirurgia de catarata é uma aliada para diminuir as chances do desenvolvimento de demência em idosos. Segundo estudo publicado no JAMA Internal Medicine, idosos submetidos à cirurgia de catarata para melhorar a visão têm 30% a menos de probabilidade de desenvolver a doença. 

Isso pode acontecer, pois as pessoas que perdem a visão geralmente ficam menos ativas e, portanto, recebem menos estimulação mental. Ou, ainda, pode ser devido a um efeito que a catarata tem nas cores que atingem a retina na parte posterior do olho. 

Você tem catarata e se interessou pela cirurgia? Prepare-se! 

Antes de tudo, é imprescindível consultar um oftalmologista de confiança para uma avaliação e realização de todos os exames necessários para a cirurgia e implantar uma lente para catarata. Ao considerar uma cirurgia, pesquise bastante sobre o assunto e tire todas as suas dúvidas com o profissional escolhido.  

Outra dica relevante é conversar com quem já passou pelo procedimento, afinal é uma cirurgia que requer cuidados no pré e pós-operatório. Além disso, conhecer a experiência de outras pessoas passará segurança sobre o impacto positivo que causará em sua qualidade de vida.  

Ao partir para a ação, os preparativos serão indicados por seu cirurgião. Alguns deles são: garantir dois dias de folga antes da cirurgia e outro para a recuperação, não consumir bebidas alcoólicas 24h antes, realizar jejum de oito horas e utilizar roupas limpas e confortáveis. 

Após um breve período de observação na clínica, você poderá retornar para casa. Lá deverá descansar e não levantar pesos, evitando que a pressão ocular aumente. É comum se sentir atordoado devido à anestesia e enxergar halos e brilhos. Com o tempo, esses sintomas irão desaparecer. 

Leia o artigo
Capa do artigo
Oculoplástica no Brasil: Um mercado de oportunidades crescentes

O mercado de oculoplástica no Brasil está experimentando um crescimento notável, oferecendo grandes oportunidades para médicos que desejam se especializar nesse campo em expansão. A subespecialidade, que envolve procedimentos cirúrgicos e não cirúrgicos relacionados às pálpebras, vias lacrimais e órbita, tem se destacado como uma área extremamente importante da oftalmologia. 

 

Oportunidades para médicos 

Médicos que optam por se especializar em plástica ocular encontram um cenário promissor no Brasil. A demanda por procedimentos estéticos e reconstrutivos nas áreas perioculares está em ascensão, impulsionada pelo crescente interesse estético da população e pela busca de soluções inovadoras para problemas oculares. Além disso, a especialização em oculoplástica permite que os médicos ofereçam uma gama mais ampla de serviços, aumentando sua competitividade no mercado de cuidados com os olhos. 

 

Um fato interessante é que, apesar do crescimento no contexto atual, a cirurgia plástica ocular já tem anos de história. A prática ganhou destaque durante as Guerras Mundiais, quando a reconstrução cirúrgica dos anexos oculares se tornou essencial em função dos ferimentos e acidentes de guerra. Desde então, a área tem evoluído e se especializado, ganhando notoriedade com tecnologias e profissionais que se dedicam a melhorar a função e a estética dos olhos e das áreas circundantes. Nesse contexto, oculoplástica e qualidade de vida andam juntas, para além do aspecto estético. 

 

O papel da tecnologia 

A tecnologia desempenha um papel fundamental no avanço da oculoplástica no Brasil. Procedimentos cada vez mais precisos e menos invasivos são possíveis graças a inovações como a cirurgia a laser e técnicas de imagem avançadas. Essas tecnologias não apenas melhoram a eficácia dos tratamentos, mas também contribuem para uma recuperação mais rápida e confortável para os pacientes. Médicos que abraçam essas inovações encontram-se na vanguarda da prática médica, oferecendo aos pacientes soluções de última geração. 

 

No Brasil, uma das pioneiras na comercialização de equipamentos oftalmológicos é a Advance Vision, que disponibiliza um extenso portfólio de produtos para os médicos que buscam atualizar seus procedimentos com o que existe de melhor em termos de tecnologia. Um dos mais importantes para especialistas que buscam iniciar uma carreira na oculoplástica é o Plexr Plus, uma plataforma que utiliza energia ionizada para realizar procedimentos estéticos e médicos não cirúrgicos. É o caso da blefaroplastia por plasma, feita de forma minimamente invasiva e garantindo resultados naturais.  

 

Crescimento do setor no país 

O mercado de oculoplástica está em constante expansão no Brasil, impulsionado pela crescente conscientização sobre a importância da saúde ocular e estética. A população brasileira, cada vez mais informada e exigente, busca soluções de alta qualidade para suas necessidades oftalmológicas.  

 

No Brasil, a oculoplástica também já tem um histórico extenso, uma vez que começou a ganhar destaque na segunda metade da década de 60, com a fundação do primeiro serviço universitário dedicado exclusivamente a essa especialidade, no Hospital São Geraldo (UFMG).  

 

É importante mencionar que, embora procedimentos estéticos já sejam uma realidade comum no país, a formação de um cirurgião de plástica ocular é rigorosa e abrangente. Após os seis anos de estudos da medicina, esses profissionais passam aproximadamente três anos em residência médica em oftalmologia, onde adquirem todo o conhecimento necessário sobre o funcionamento dos olhos, a preservação da visão e o diagnóstico e tratamento de diversas doenças oculares. 

 

Somente após essa base sólida, vem o estudo da cirurgia oculoplástica, que dura em torno de dois a três anos. Isso reforça o compromisso da oftalmologia brasileira, uma das mais conceituadas do mundo, com a saúde ocular. Além disso, as sociedades de cirurgia plástica ocular ao redor do mundo certificam cirurgiões que se especializaram nesse campo, garantindo um padrão de qualidade quando o assunto é expertise.  

 

Para os que desejam se aprofundar nesse campo, é possível verificar se um cirurgião possui um alto grau de especialização em cirurgia oculoplástica no site da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica Ocular. É também recomendável conhecer as sociedades correspondentes nos Estados Unidos e na Europa para estar atualizado com os padrões internacionais, tendências e novos procedimentos. 

 

Em conclusão, a oculoplástica representa uma ótima oportunidade para médicos que desejam se especializar em uma área em crescimento no Brasil. Com o apoio da tecnologia e a crescente demanda da população, a área não apenas oferece perspectivas promissoras para os profissionais de saúde, mas também desempenha um papel crucial na melhoria da qualidade de vida dos pacientes. Para entender melhor sobre os equipamentos e tecnologias disponíveis, entre em contato com a equipe da Advance Vision e solicite um orçamento! 

 

Leia o artigo