Tudo sobre o
fascinante mundo
da oftalmologia


Confira todo o nosso conteúdo rico!

Categorias

Posts sobre: Visão infantil

Capa do artigo
Crianças e telas: 5 dicas para protegê-las dos riscos

Há poucos anos, em um passado nada distante, era comum nos espantarmos com a destreza com a qual crianças lidavam com tecnologias, principalmente com os smartphones. Atualmente isso é tão comum que não há espanto ao ver um pequeno acessando vídeos nos aparelhos de seus pais, por exemplo.  

Essa mudança traz muito além do que um comportamento que se altera conforme as evoluções de nossa sociedade. Principalmente quando falamos de tela, o tempo dedicado a elas pode trazer efeitos negativos, como a miopia infantil, por isso o excesso de uso deve ser um ponto de alerta para os pais e responsáveis por crianças.  

Nas linhas que seguem falaremos mais sobre isso, os limites de uso recomendados e algumas dicas para lidar com a relação entre crianças e telas. 

Crianças, o uso de smartphones e tablets e suas consequências 

De acordo com a pesquisa “Crianças Digitais”, realizada pela Kaspersky em parceria
com a CORP em 2020, 73% das crianças no Brasil recebem seu primeiro smartphone ou tablet antes dos 10 anos. Surpreendentemente, 49% delas começam a utilizá-los antes dos 6 anos. E, na ocasião da pesquisa, 18% das crianças no Brasil passavam mais de 4 horas diárias conectadas à internet.  

Esses números destacam a presença significativa da tecnologia na vida das crianças e a elevada quantidade de tempo que ela ocupa. Considerando nosso contexto atual e os acontecimentos dos últimos anos (pandemia), essa frequência de uso pode ter aumentado desde então. 

Além dos riscos que o uso da internet pode apresentar para a segurança dos pequenos, se feito sem a supervisão adequada, há os danos à saúde física e emocional. Uma pesquisa da Universidade Federal do Ceará publicada em 2021 mostrou que cada hora adicional de tempo de tela associa-se a menores níveis nos domínios de comunicação infantil, de resolução de problemas pessoais-sociais e do desenvolvimento. O estudo é realizado anualmente com 3.000 crianças desde 1987. 

A saúde física também pode ser comprometida. Um levantamento recente do Conselho Brasileiro de Oftalmologia (CBO) alerta para o avanço dos casos de miopia infantil e nos adolescentes – a taxa de progressão desse distúrbio visual cresceu em 70% dos pacientes de 0 a 19 anos a partir de 2020. E para 75% dos oftalmologistas consultados, a causa principal é a exposição aumentada dos jovens às telas de equipamentos eletrônicos. 

Há, ainda, várias outras possíveis consequências para a saúde e o bem-estar, incluindo transtornos mentais (como ansiedade e depressão) e de sono e alimentação, irritabilidade, queda no rendimento escolar, e dificuldade nas relações sociais pessoais, levando ao isolamento. 

Tempo de tela recomendado por idade: 

Lidar com os anseios das crianças pela diversão com as telas não é tarefa fácil e limitá-los totalmente também pode não ser o melhor caminho para muitas famílias, mas não há dúvidas que o controle é fundamental. 

Para melhor compreender os impactos do uso de telas e apoiar os pais e responsáveis nesse assunto, várias entidades médicas conduziram estudos e forneceram recomendações. Confira abaixo as principais diretrizes e recomendações. 

 

AAP (Academia Americana de Pediatria): 

  • Menores de 18 meses: evitar o uso de telas, com exceção de videochamadas para fortalecer laços afetivos. 
  • De 18 a 24 meses: usar mídia por períodos curtos, com programas de alta qualidade, e assistir com a criança para ajudá-la a compreender o que está sendo exibido. 
  • De 2 a 5 anos: limite de 1 hora por dia, com acompanhamento dos pais para focar em programas de alta qualidade. 
  • A partir dos 6 anos: não há uma limitação rígida de tempo, mas os pais devem estabelecer limites consistentes, considerando outras atividades da criança e garantindo o sono adequado. 

SBP (Sociedade Brasileira de Pediatria): 

  • Crianças menores de 2 anos: evitar a exposição a telas, mesmo que de forma passiva. 
  • Entre 2 e 5 anos: limitar a uma hora por dia, com supervisão de um adulto. 
  • Entre 6 e 10 anos: limitar o tempo de tela a uma ou duas horas por dia, com supervisão. 
  • Entre 11 e 18 anos: manter a exposição às telas entre 2 e 3 horas por dia, com supervisão, evitando atividades noturnas em detrimento do sono. 

 

OMS (Organização Mundial de Saúde): 

  • Até 1 ano: não é recomendado contato com telas. 
  • 1 ano: evitar tempo sedentário nas telas, priorizando programas educacionais ou que estimulem atividades. 
  • 2 anos: limite de até uma hora, mas sempre minimizando o tempo. 
  • 3 a 4 anos: o tempo sedentário não deve ultrapassar uma hora. 

É importante lembrar que todas as entidades enfatizam que o tempo de tela deve ser
encerrado aproximadamente duas horas antes de dormir, e que não devem ser
usadas durante as refeições e outras atividades. 

5 dicas para proteger as crianças durante o uso 

Elencamos algumas dicas para ajudar na gestão da relação entre crianças, telas e tecnologias: 

  1. Siga as recomendações das entidades de saúde em casos de exposição às telas, com tempo definido conforme a idade. 

 

  1. Não permita que os pequenos acessem conteúdo sem acompanhamento, isso ajuda a evitar materiais impróprios e faz com que o tempo na tela gere aprendizado e interação com os pais ou responsáveis. Ainda, use tecnologias de controle parental para limitar e monitorar os conteúdos acessados. 
  1. Estimule a realização de outras atividades, como brincadeiras ao ar livre e educativas, para que a criança reconheça que há inúmeras alternativas para diversão. 
  1. Seja exemplo: também controle seu tempo de uso de telas e aproveite o tempo com as crianças para atividades diferentes. 
  1. Mantenha um acompanhamento médico constante e atenção a qualquer sinal de alteração de comportamento ou saúde. O teste do olhinho, por exemplo, identifica muitas doenças, como retinoblastoma. 

 

Independentemente da idade da criança, tenha sempre em mente que o controle sobre o tempo de tela é fundamental para seu desenvolvimento saudável. É importante estabelecer limites e incentivar outras atividades saudáveis para equilibrar o uso da tecnologia. Afinal, a tecnologia pode ser uma ferramenta valiosa quando usada de forma consciente e moderada, sendo cada vez mais presente no dia a dia dos pequenos conforme crescem e se desenvolvem. 

Leia o artigo
Capa do artigo
Problemas de visão podem dificultar socialização infantil. O que fazer?

Não há dúvidas de que todos os sentidos sejam importantes para um ser humano. Mas, quando o assunto é relacionado às crianças é preciso um olhar bastante atento à visão. Esse sentido é um dos mais essenciais para o desenvolvimento dos pequenos por desempenhar um papel fundamental na aprendizagem, exploração do mundo e na socialização.  

Além dos sintomas mais populares, como dores de cabeça, dificuldade de aprendizagem, coceira nos olhos e lacrimejamento, as questões não tratadas ou mal resolvidas de visão podem gerar danos emocionais para as crianças, especialmente na primeira infância. Esse é um ponto pouco conhecido ou lembrado, mas que precisa ser destacado, uma vez que não enxergar bem pode afetar o comportamento, gerando um grande desafio para a socialização infantil. 

Por isso, toda atenção à visão infantil é fundamental. O teste do olhinho, as consultas e os exames de rotina são de suma importância para identificar problemas e doenças como a miopia infantil e o retinoblastoma 

Comportamento infantil e sinais de alerta 

É natural que algumas crianças sejam introvertidas e tímidas, afinal são traços de personalidade que variam de pessoa para pessoa. Porém, é importante que pais e responsáveis fiquem atentos a mudanças significativas no comportamento infantil, pois podem indicar questões relevantes a serem tratadas. 

O alerta surge quando há grande variação. Ou seja, uma criança normalmente alegre passa a ficar mais quieta e triste, sem motivo aparente. Ou quando um pequeno antes focado e calmo começa a demonstrar impaciência, irritação e ansiedade. Nesses casos, é preciso buscar a orientação de um profissional de saúde.  

Assim, depois de uma investigação médica e caso as mudanças de comportamento não estejam associadas a algum transtorno psicológico evidente, é recomendado marcar uma consulta oftalmológica. Problemas de visão podem estar afetando a criança e seu bem-estar de forma sutil, sem que ela mesma identifique ou consiga comunicar isso. 

Acompanhamento constante é fundamental 

É importante salientar que, mesmo que seu pequeno não apresente sinais ou sintomas de problemas de visão, é indispensável que crianças sejam examinadas por um oftalmologista no primeiro ano de vida, entre seis e doze meses, e depois entre três e cinco anos de idade. Essa orientação faz parte das diretrizes da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) e da Sociedade Brasileira de Oftalmologia Pediátrica (SBOP).  

O desenvolvimento da visão da criança acontece até os sete anos, por isso é desejável que o diagnóstico e o tratamento de doenças oculares que comprometam isso sejam realizados prematuramente. Nesse contexto, o teste do olhinho é um dos recursos usados pelos oftalmologistas para avaliar a visão e detectar doenças como o retinoblastoma. Exija que seus filhos ou crianças pelas quais é responsável passem por ele. 

O teste do olhinho realizado com a tecnologia RetCam, por exemplo, pode identificar um elevado número de enfermidades nos recém-nascidos, como retinopatia da prematuridade, retinoblastoma, hemorragia de retina, zika congênita, córnea opaca e catarata congênita. Isso é possível graças à sua inovação e imagens precisas, que permitem uma visualização detalhada das estruturas do fundo do olho. 

Uma visão nítida e saudável é fundamental para que possam explorar o mundo, interagir com os outros e se desenvolver plenamente. Cuidar da saúde ocular das crianças desde cedo é um investimento no seu bem-estar e sucesso futuro. Lembre-se sempre de que a visão é mais do que apenas enxergar, é a chave para a descoberta e a conexão com o mundo ao redor. 

Cuide da visão de seus pequenos! 

 

 

Leia o artigo
Capa do artigo
Cuidando dos Olhos na Primeira Infância: Práticas Recomendadas para Pais e Professores

 

A saúde ocular na primeira infância é fundamental para o desenvolvimento visual e o bem-estar geral das crianças. Assim, os cuidados com a visão infantil não podem ser deixados de lado. 

Os pais e professores desempenham um papel importante na preservação da visão dos pequenos nesta fase crucial. Com atenção ao desenvolvimento desse sentido, essas pessoas podem verificar pontos de alerta e, assim, até mesmo colaborar com o diagnóstico precoce de doenças, algo fundamental para aumentar as possibilidades de tratamento e cura. 

Se você convive com pequenos, é importante que se informe sobre esse tema! Por isso, pensando em apoiar pais e responsáveis, compartilharemos práticas recomendadas e informações valiosas para cuidar dos olhos na primeira infância. Confira abaixo. 

Tome nota: Cuidados com a visão infantil 

Olhos atentos para dicas de cuidados com a visão infantil: 

  • Agende exames oftalmológicos regulares 

O primeiro exame essencial é o teste do olhinho, realizado na criança recém-nascida ainda na maternidade. Paralelamente a isso, consultas oftalmológicas regulares são essenciais para monitorar a saúde ocular das crianças. Recomenda-se realizar o primeiro exame por volta dos seis meses de idade, seguido por exames adicionais conforme orientação médica. Essas avaliações ajudam a identificar precocemente problemas visuais e a iniciar o tratamento, se necessário. 

  • Mantenha uma alimentação saudável 

Uma dieta equilibrada é benéfica para a saúde dos olhos das crianças. Para isso, inclua no dia a dia alimentos ricos em nutrientes, como vitamina A, C e E, ômega-3 e zinco. Exemplos de alimentos saudáveis incluem cenouras, laranjas, vegetais de folhas verdes, peixes, ovos e nozes. Esses nutrientes desempenham um papel importante na saúde ocular e no desenvolvimento visual adequado. 

  • Estimule o tempo de brincadeiras ao ar livre 

Incentive as crianças a passarem tempo ao ar livre, brincando e explorando o ambiente externo. A exposição à luz natural e ao ar livre tem benefícios para a saúde ocular, ajudando a reduzir o risco de miopia. No entanto, lembre-se de proteger os olhos das crianças com óculos de sol apropriados e um chapéu de aba larga para evitar a exposição excessiva aos raios UV. 

  • Promova pausas durante o uso de dispositivos eletrônicos 

Na era digital, é importante monitorar o tempo que as crianças passam em dispositivos eletrônicos, como tablets e smartphones. Caso sua criança interaja com esses elementos, estimule pausas regulares e estabeleça limites para a exposição a telas, pois o uso excessivo pode levar à fadiga ocular e a problemas visuais como a miopia. Durante essas pausas, encoraje atividades que envolvam o uso dos olhos em diferentes distâncias, como ler um livro físico ou brincar ao ar livre.  

E lembre-se: segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), crianças de zero a dois anos não devem ser expostas a telas devido ao período de desenvolvimento neural e cognitivo. Conforme o crescimento, a orientação varia: de 2 a 5 anos devem ser limitadas a aproximadamente uma hora por dia; a partir dos 5 anos o acesso dever ser de duas horas e com monitoramento de conteúdo devido à influência emocional que alguns conteúdos podem exercer. 

  • Garanta uma boa iluminação 

Mantenha ambientes bem iluminados para facilitar a leitura e outras atividades que exijam foco visual. Evite a exposição à iluminação excessivamente brilhante ou muito fraca, pois isso pode colocar estresse adicional nos olhos das crianças. Além disso, em caso de uso de telas de dispositivos eletrônicos, evite o brilho excessivo ajustando essa função e usando filtros de luz azul, se necessário.  

  • Esteja atento a sinais de problemas visuais 

Fique atento a queixas e possíveis sinais de problemas visuais, como olhos lacrimejantes, vermelhos ou irritados, coceira, sensibilidade à luz, dificuldade de focar, piscar excessivo, desalinhamento dos olhos ou dificuldade de acompanhar objetos em movimento. Se observar algum desses sintomas, procure um oftalmologista para uma avaliação mais detalhada. 

Não tenha medo de exagerar nos cuidados 

O ponto de partida dos cuidados com a visão infantil é o teste do olhinho. Mas lembre-se, é somente a primeira medida e há muito que pode ser feito para complementar os cuidados, como vimos acima.  

Atente-se às consultas, exames regulares e a qualquer sinal de alerta da criança, seja ele físico ou comportamental. E tenha sempre em mente que cada criança é única, portanto, é importante adaptar essas práticas às necessidades individuais e buscar orientação profissional quando necessário.  

Ao cuidar dos olhos das crianças, estamos investindo em seu futuro e bem-estar visual. Fique de olho e cuide de seus pequenos! 

Leia o artigo
Capa do artigo
Lidando com a Perda de Visão Infantil: Orientações para Pais e Educadores

O Conselho Brasileiro de Oftalmologia (CBO) indicou em seu relatório “As Condições da Saúde Ocular no Brasil 2023” que, seguindo a estimativa da Agência Internacional de Prevenção à Cegueira, é possível considerar que no Brasil tenhamos cerca de 27 mil crianças cegas, grande parte delas por doenças oculares que poderiam ter sido evitadas ou tratadas precocemente.  

Independentemente da causa de cegueira infantil, a perda de visão em crianças é um desafio emocional e prático para pais, cuidadores e educadores. Quando gerada por uma doença como o Retinoblastoma, que afeta a retina e evolui com o passar do tempo, é ainda mais importante entender como lidar com essa situação de forma compassiva e efetiva.  

Por isso, compartilharemos orientações valiosas para ajudar pais e educadores a apoiarem os pequenos que enfrentam a perda de visão, de forma que continuem a ter uma vida plena e feliz. 

Busque informações e orientação 

Procure informações confiáveis sobre a doença que levou à perda de visão da criança. Compreender a condição, seus sintomas, tratamentos e opções de suporte permitirá que você esteja mais preparado para auxiliar a criança nessa jornada. 

Comunique-se abertamente e com empatia 

Seja sincero e cuidadoso ao tratar sobre o assunto com a criança. Converse com ela de forma clara, sincera e compassiva sobre a sua condição e a perda de visão. Certifique-se de que a criança se sinta à vontade para fazer perguntas e expressar suas emoções. Esteja disponível para ouvi-la e oferecer apoio emocional durante todo o processo. 

Promova a independência e a autonomia 

Além do entendimento e da aceitação, há uma fase desafiadora de adaptação ao novo cenário, incluindo o pequeno e toda sua família. Incentive a criança a desenvolver habilidades que a ajudem a ser mais independente em sua rotina. Isso pode incluir a adoção de técnicas de orientação e mobilidade, como o uso de bengalas ou cães-guia, além de ajudá-la a se adaptar a atividades cotidianas, como se vestir, comer e se locomover com segurança.  

Adapte o ambiente 

Modifique o ambiente para torná-lo mais acessível e seguro para a criança com perda de visão. Organize os objetos de forma consistente e coerente, reduza obstáculos e utilize marcações táteis, como texturas ou cores contrastantes, para facilitar a identificação de diferentes áreas ou objetos. 

Incentive o desenvolvimento de outras habilidades 

Encoraje a criança a explorar e desenvolver suas habilidades em outras áreas, como música, esportes adaptados, arte ou escrita. Isso ajudará a promover sua autoconfiança, desenvolvimento pessoal e a criar formas de expressão. Além de ser uma boa distração e alternativa para tornar o processo mais leve. 

 Acesso a recursos de suporte 

Procure organizações, grupos de apoio e serviços especializados que possam fornecer recursos e orientação adicional para você e sua família. Esses recursos podem incluir terapeutas ocupacionais, psicólogos, especialistas em reabilitação visual e programas educacionais específicos para crianças com deficiência visual. 

Eduque-se e envolva a escola ou instituição educacional 

Trabalhe em parceria com a escola ou instituição educacional que a criança frequenta para garantir que as necessidades dela sejam atendidas. Informe-se sobre os recursos disponíveis, como professores de apoio, material didático adaptado e tecnologias assistivas, para que a criança possa continuar aprendendo e participando plenamente da vida escolar. 

Apesar das dicas apresentadas, não hesite em se aprofundar nas pesquisas sobre o assunto e em buscar apoio profissional ou de instituições dedicadas à cegueira infantil, o que é inclusive uma das sugestões listadas acima. Informação é sempre importante e toda a atenção com a criança e sua família é fundamental para que seu dia a dia se organize novamente da melhor forma possível. Independentemente da causa de cegueira infantil (retinoblastoma, catarata, glaucoma, entre outros), é um período delicado que requer dedicação e muitas adaptações. 

E lembre-se: existem doenças que levam à cegueira infantil que podem ser tratadas ou prevenidas. Por isso, cuide continuamente da visão infantil com visitas periódicas ao oftalmologista e a realização de exames de rotina, como o teste do olhinho. 

 

Leia o artigo
Capa do artigo
Dicas para Levar Bebês e Crianças Pequenas para Exames Oftalmológicos sem Estresse

Os exames oftalmológicos em crianças são fundamentais para a saúde visual desde os primeiros anos de vida. Tudo começa com o teste do olhinho, realizado ainda na maternidade em grande parte dos estados brasileiros, e que ajuda a identificar precocemente doenças graves como glaucoma, catarata infantil, retinoblastoma e tumor ocular. Ele deve ser feito pelo oftalmologista ou pediatra nas primeiras semanas de vida da criança, sendo recomendado o retorno ao oftalmologista após um ano e, depois, aos três anos de idade para exames de rotina. 

O desafio pode começar aí, afinal, com o crescimento e passar dos meses fica mais desafiador levar bebês e crianças pequenas para consultas sem causar estresse e desconforto.  

Para te apoiar nos momentos de teste do olhinho e todos os outros exames oftalmológicos em crianças, nas linhas que seguem compartilharemos algumas dicas valiosas para ajudar pais, responsáveis e educadores a tornarem essa experiência mais tranquila e positiva para os pequenos. 

Tome nota: 

  1. Escolha o profissional certo 

O primeiro passo é encontrar um oftalmologista especializado em crianças e que tenha experiência em lidar com bebês e os pequenos. Profissionais com abordagens amigáveis, pacientes e que saibam como criar um ambiente acolhedor fazem toda a diferença na hora do exame. Além disso, certamente estarão bastante familiarizados com problemas oculares em crianças. 

  1. Escolha o horário adequado 

Agende o exame em um horário em que a criança esteja normalmente mais descansada, evitando períodos em que esteja com fome ou sonolenta, por exemplo. Isso ajudará a minimizar o desconforto e a aumentar a cooperação durante a consulta. 

  1. Prepare a criança antecipadamente 

Converse com seu filho sobre a visita ao oftalmologista com antecedência. Explique de forma simples e positiva que o médico irá olhar seus olhinhos para garantir que estejam saudáveis, deixando-o a par da importância dos exames oftalmológicos em crianças. Use livros ou vídeos infantis sobre o tema para tornar o assunto mais familiar e menos assustador. 

  1. “Pratique” com bonecos 

Dias antes da consulta comece a brincar com o assunto, reproduzindo, por exemplo, momentos com o oftalmologista e os exames com bonecos. A brincadeira é uma ótima forma para ajudar a criança a expressar seus sentimentos e, assim, aprender a lidar com seus medos.  

  1. Traga itens de conforto 

Leve alguns itens familiares à criança, como um brinquedo favorito, um cobertor ou uma chupeta (caso use uma). Esses objetos podem ajudar a acalmá-la e proporcionar uma sensação de segurança durante o exame. 

  1. Faça do exame uma atividade divertida 

Torne a visita ao oftalmologista em uma atividade lúdica e divertida. Por exemplo, você pode jogar jogos de “espiar” com seu filho enquanto aguarda a consulta ou criar histórias imaginárias sobre super-heróis dos olhos saudáveis. Isso ajuda a distrair a criança e a reduzir a ansiedade. 

  1. Seja um exemplo positivo 

Demonstre calma e confiança durante a consulta. As crianças são sensíveis às emoções dos pais, então tente transmitir segurança e tranquilidade. Se você estiver ansioso, isso pode ser percebido pelos pequenos e aumentar o estresse deles. 

  1. Recompense e elogie 

Após a consulta e os exames, elogie e recompense pelo bom comportamento e cooperação. Com isso você reforçará a ideia de que a visita ao oftalmologista é um acontecimento positivo. Considere fazer algo especial depois, como um passeio ou um lanche favorito. 

Cuide da visão infantil 

Por mais complicado que realizar consultas e exames com crianças possa ser, o acompanhamento médico é fundamental. O diagnóstico precoce de problemas oculares em crianças pode aumentar as chances de cura ou garantir mais conforto para o pequeno conviver com uma condição diagnosticada. 

E, como vimos, todo esse processo pode se tornar mais leve com algumas medidas. Não deixe os cuidados de lado, faça visitas regulares ao oftalmologista e os exames indicados por esse profissional e o pediatra. 

Esperamos que as dicas acima ajudem nessa jornada de cuidados. 

 

Leia o artigo
Capa do artigo
Teste do olhinho: o exame oftalmológico mais importante!

O constante acompanhamento médico é fator preponderante quando se fala de prevenção e longevidade. Investigar, desde cedo, potenciais patologias que uma criança pode desenvolver na vida adulta – ou até mesmo antes disso – pode ditar a qualidade de vida que este indivíduo vai ter ao longo dos anos. Por isso, o teste do olhinho desempenha papel fundamental na detecção e prevenção das principais doenças oculares em crianças.  

Detecção precoce de problemas oculares  

O Teste do Olhinho, também conhecido como Teste do Reflexo Vermelho (TRV), é um exame simples, rápido e não invasivo, que deve ser realizado em recém-nascidos e bebês com até seis meses de idade. Seu principal objetivo é detectar alterações oculares que podem comprometer a visão das crianças caso não sejam tratadas precocemente.  

Por meio dele, é possível analisar se há qualquer anomalia ou assimetria nos olhos da criança, detectadas pelos reflexos das luzes que, quando avermelhados ou alaranjados, não indicam grandes problemas. Entretanto, caso estes sejam esbranquiçados ou inexistentes, é de extrema importância encaminhar a criança imediatamente a um especialista.  

Dentre as doenças que podem ser identificadas, destaca-se o retinoblastoma, um tipo raro de câncer na retina que pode ser mortal se não for diagnosticado a tempo. O diagnóstico precoce possibilita o início imediato do tratamento, aumentando significativamente as chances de cura e minimizando possíveis complicações decorrentes das doenças oculares. 

É importante ressaltar que, no Brasil, o teste do olhinho é obrigatório por lei em todas as maternidades e hospitais que realizam partos, e que o exame está regulamentado pela Lei nº 4.090-A, de 2015. Este é um avanço importante e significativo, que proporciona o tratamento adequado diante de um diagnóstico precoce, trazendo mais qualidade de vida às crianças que precisam de acompanhamento especial. 

“De olho nos olhinhos”  

A campanha, cujo foco é conscientizar sobre a importância do teste do olhinho, ganhou notoriedade quando o apresentador Tiago Leifert e sua esposa, Daiana Garbin tornaram-se grandes apoiadores após passarem por uma experiência desafiadora com a doença ocular de sua filha. 

Ao compartilharem sua história, Tiago e Daiana reforçam que a conscientização e a divulgação sobre a importância do exame podem impactar positivamente a vida de inúmeras famílias. Expandir este conhecimento a nível nacional garante que nenhum recém-nascido ou criança fique desprovido de uma avaliação oftalmológica precoce, e dos devidos tratamentos, quando necessários.  

Prevenir é sempre o melhor caminho! 

O teste do olhinho é um procedimento essencial para a detecção precoce de doenças oculares em crianças, incluindo o retinoblastoma, câncer ocular que pode ser fatal se não for tratado logo que descoberto. Por isso, é importante que oftalmologistas e pediatras estejam sempre preparados e atualizados com as melhores e mais eficazes tecnologias disponíveis no mercado. A Advance Vision comercializa, no Brasil, equipamentos oftalmológicos de ponta, como é o caso do retinógrafo, aparelho que faz uma fotografia em profundidade da retina e ajuda no tratamento e prevenção de doenças. 

 

Para saber mais sobre este e outros produtos comercializados pela Advance Vision, entre em contato. 

Leia o artigo
Capa do artigo
Celulite Ocular em Crianças: Causas, Sintomas e Cuidados Essenciais

A celulite ocular em crianças é uma condição rara e pouco conhecida, que consiste em uma infecção bacteriana nos tecidos ao redor dos olhos e requer atenção médica imediata. Por isso, é extremamente séria e precisa ser cada vez mais conhecida pela população em geral. 

Convidamos você hoje a saber mais sobre a celulite ocular em crianças e a ajudar a compartilhar essas informações. 

O que é a doença? 

Também conhecida como celulite periorbital ou pré-septal, a celulite ocular pode ocorrer quando as bactérias entram nos tecidos moles ao redor dos olhos da criança, causando uma infecção. Todos os problemas de visão infantil merecem atenção, mas a necessidade de cuidados imediatos torna essa doença bastante delicada.  

A principal causa da celulite ocular em crianças é, normalmente, a disseminação de uma infecção bacteriana de áreas próximas, como o nariz ou os seios da face. Essas bactérias podem entrar nos tecidos ao redor dos olhos por meio de pequenos cortes, feridas ou picadas de insetos. Em alguns casos, pode até mesmo se desenvolver a partir de uma infecção viral, como um resfriado ou uma sinusite. 

Os sintomas variam, mas geralmente incluem problemas de visão infantil como vermelhidão, inchaço e calor ao redor do olho afetado. A criança pode, ainda, reclamar de dor ou sensibilidade na área e a pálpebra pode ficar inchada. Já nos casos mais graves pode haver febre, mal-estar e proptose, que é um deslocamento do globo ocular para frente.  

Se você notar algum desses sintomas em seu filho, é importante procurar atendimento médico imediatamente. 

Como é feito o diagnóstico? 

O diagnóstico da celulite ocular em crianças é feito por um médico, com base em uma análise detalhada e na avaliação dos sintomas. Exames de imagem, como tomografia computadorizada ou ressonância magnética, também podem ser solicitados para avaliar a extensão da infecção, conforme o médico julgar necessário. 

Como o tratamento? 

O tratamento da celulite ocular em crianças geralmente envolve o uso de antibióticos orais para combater a infecção bacteriana. Para os casos mais graves pode ser necessário fazer a administração de antibióticos intravenosos no hospital. É importante destacar que, para a solução desse e de outros problemas de visão infantil, é fundamental seguir rigorosamente as instruções médicas quanto à dosagem e à duração do tratamento. 

Paralelamente, algumas medidas podem ser recomendadas para aliviar os sintomas e ajudar na recuperação da criança, como: repouso, compressas mornas na área afetada, analgésicos para aliviar a dor, hidratação e boa alimentação.  

Prevenção! 

A prevenção é essencial quando se trata de celulite ocular em crianças. Assim, a educação sobre boas práticas de higiene pessoal ajuda a reduzir o risco de infecções que podem levar à doença. Oriente sempre seus pequenos a hábitos, como lavar as mãos regularmente. 

Além disso, é importante tratar adequadamente qualquer infecção próxima dos olhos, como no nariz ou nos seios da face, para evitar sua disseminação. E por último, mas não menos importante, atente-se a qualquer sintoma e busque informações sobre doenças que afetam as crianças, isso pode te ajudar no diagnóstico precoce e a evitar maiores problemas de visão infantil 

 

 

Leia o artigo
Capa do artigo
Glaucoma infantil: uma condição rara, mas grave, que pode levar a danos permanentes na visão se não for tratada precocemente

 

 Ouvir falar em glaucoma pode não ser uma novidade para você. Mas e glaucoma infantil, já escutou algo sobre isso? Apesar de ser mais popular por acometer adultos, o glaucoma é uma doença ocular que também pode afetar as crianças. 

Embora raro, o glaucoma infantil é uma condição séria que pode levar a danos permanentes na visão caso não seja tratada precocemente. Assim, é de suma importância que pais ou responsáveis estejam cientes de seus sintomas e causas para garantir um diagnóstico e tratamento o quanto antes. 

Conheça as causas 

Quando nenhuma causa específica para o Glaucoma é identificada, a condição é denominada como “glaucoma primário.” Já quando é resultado de um trauma ocular ou de uma doença sistêmica, é chamado de “glaucoma secundário.”  

O glaucoma infantil, especificamente, pode ser causado por um aumento na pressão intraocular, que é a pressão dentro do olho. Esse fato pode ser causado por um bloqueio no sistema de drenagem do olho, o que pode levar a danos no nervo óptico e perda de visão. A doença também pode ser congênita, o que significa que a criança nasce com a condição, ou se desenvolver mais tarde na infância.  

A maioria dos casos de glaucoma na infância é primário, congênito (presente desde o nascimento) ou infantil (desenvolvido entre 1 e 24 meses de idade). É mais comum que as crianças sejam diagnosticadas nos três primeiros anos de vida. Ainda, alguns casos de glaucoma primário podem ter um componente genético, mas a maioria ocorre em famílias sem histórico de glaucoma congênito. 

Sintomas 

Os sintomas do glaucoma infantil podem ser difíceis de detectar, especialmente em crianças pequenas. Por isso, conhecer os sintomas é bastante relevante para verificar o sinal de alerta. Alguns deles são: 

  • Olhos inchados ou lacrimejantes 
  • Sensibilidade à luz (fotofobia) 
  • Dificuldade para acompanhar objetos em movimento 
  • Dificuldade em ver objetos à distância 
  • Mudanças na aparência do olho, como aumento do tamanho ou embaçamento da córnea 

Tratamento do glaucoma infantil 

O tratamento do glaucoma infantil dependerá da causa subjacente e da gravidade da condição. Em alguns casos, pode ser necessário usar colírios ou outros medicamentos para diminuir a pressão intraocular. Em situações mais graves, pode ser necessário realizar uma cirurgia para criar um novo sistema de drenagem para o olho. A análise de um oftalmologista indicará o melhor caminho a ser seguido. 

Se o glaucoma infantil não for tratado precocemente, pode levar a danos permanentes na visão. É importante que pais e responsáveis levem seus pequenos a exames oftalmológicos de forma regular para evitar casos mais graves dessa e tantas outras doenças. 

Quanto mais cedo for diagnosticado e tratado, maiores são as chances de preservar a visão da criança. Atente-se a possíveis sinais e não deixe de consultar um médico oftalmologista sempre que preciso. 

 

Leia o artigo
Capa do artigo
Visão dupla em crianças: o que é, causas, sintomas e tratamentos disponíveis

Também conhecida como Diplopia, a visão dupla ocorre quando há a percepção de duas imagens de um único objeto, ou seja, uma pessoa visualiza algo de maneira duplicada, o que pode acontecer de forma sobreposta ou lado a lado. Há, ainda, o formato mais simples da doença, que consiste na visão borrada.  

Esse problema oftalmológico afeta crianças e adultos, podendo ser muito preocupante quando ocorre na visão infantil. Nos pequenos, ela é difícil de detectar, o que reforça a importância de os responsáveis estarem cientes dos sintomas e causas para garantir um tratamento adequado o quanto antes, caso ocorra. 

Pensando nisso, na sequência apresentaremos mais informações sobre a doença. 

Causas  

A Diplopia é causada por alteração nos músculos ou nervos ao redor dos olhos, não sendo uma doença do olho propriamente dito, mas sim de sua posição. Existem várias causas possíveis para a doença em crianças. Algumas das mais comuns incluem:  

  • Problemas musculares nos olhos: como estrabismo, que ocorre quando os olhos não se alinham corretamente. 
  • Problemas de refração: miopia, hipermetropia ou astigmatismo 
  • Lesões na cabeça, que podem danificar os nervos cranianos que controlam os músculos oculares) 
  • Doenças oculares: como catarata ou glaucoma 

Vale destacar que, por definição, a visão dupla é sempre binocular, aparecendo com os dois olhos abertos. Ao tampar um olho de cada vez a visão dupla tem que desaparecer. 

Sintomas 

Os sintomas da visão dupla em crianças podem variar de leve a grave, dependendo da causa subjacente. Confira abaixo alguns sinais comuns e atente-se ao comportamento de seus pequenos: 

  • Desconforto ou dor nos olhos 
  • Dificuldade em ler ou escrever 
  • Inclinação da cabeça para um lado 
  • Dificuldade em ver objetos em movimento 
  • Dificuldade para visualizar objetos à distância 

Ao notar qualquer incômodo, busque ajuda profissional a quanto antes. Muitas vezes a criança não sabe explicar o que sente, então a atenção aos seus sinais é fundamental para um tratamento precoce, o que aumenta as chances de resultados positivos nos cuidados de qualquer doença. 

Tratamentos 

Felizmente, há tratamento para esse problema da visão infantil. A conduta adotada para isso dependerá da causa subjacente. Veja só: 

  • Problema muscular nos olhos: se essa for a causa da doença, pode ser necessário usar óculos ou realizar uma cirurgia.  
  • Problema de refração: para essa causa os óculos podem ser suficientes para corrigir o problema. Em casos mais graves, talvez seja necessário usar um tampão no olho para ajudar a fortalecer os músculos oculares. 

Se a doença em seu filho persistir mesmo com o tratamento indicado, é importante consultar novamente o oftalmologista o mais rápido possível. 

E lembre-se: jamais hesite em procurar um profissional caso suspeite de algum problema de visão infantil em suas crianças. Quanto mais cedo o problema for diagnosticado e tratado, maiores são as chances de evitar danos permanentes à visão. 

Leia o artigo
Capa do artigo
Seu filho possui cílios tortos? Entenda porquê tratar esse problema o quanto antes

A presença de cílios tortos em crianças é algo inicialmente simples, mas que precisa de atenção por poder afetar a visão infantil. A condição, chamada de Triquíase, é causada pelo crescimento dos fios na direção errada, curvando-se para dentro, em direção aos olhos. Parece inofensivo, mas pode não ser. 

O ponto de alerta deve-se ao fato de que os cílios tortos podem irritar a córnea e a conjuntiva, causando vermelhidão, coceira e até mesmo dor nos olhos. Se não tratada, essa característica pode levar a problemas mais sérios, como úlceras corneanas, infecções e cicatrizes. 

O que pode causar esse problema ocular em crianças? 

As causas são variadas, podendo ser um fator congênito (herdados geneticamente e presentes desde o nascimento), fruto de um trauma (algumas lesões oculares podem fazer com que os cílios cresçam na direção errada) e até mesmo infecções oculares (como conjuntivite). 

Como identificar? 

Os sintomas dos cílios tortos que podem causar problema ocular em crianças incluem coceira e vermelhidão nos olhos, lacrimejamento, dor ocular, sensação de corpo estranho e sensibilidade à luz.  

Vale mencionar que nem sempre a criança consegue definir ou sinalizar o incômodo que está sentindo, por isso é preciso atenção constante à região e ao comportamento de seus pequenos. 

Caso identifique que há cílios tortos, é importante levar a criança a um oftalmologista pediátrico o mais rápido possível. Além disso, aqui estão algumas recomendações para ajudar a prevenir ou minimizar os sintomas: 

  • Limpeza adequada dos olhos: limpe cuidadosamente os olhinhos com água limpa e sabão suave. 
  • Mantenha as unhas curtas: devido ao incômodo, é possível que a criança coce os olhos, o que se agrava caso as unhas não estejam curtas por causar mais irritação.  
  • Mantenha as mãos limpas: o contato com os olhos é inevitável, por isso certifique-se de lavar as mãos regularmente para evitar a propagação de germes e infecções. 

O tratamento para cílios tortos na visão infantil 

A boa notícia é que há tratamento para esse problema ocular em crianças. Os tratamentos podem variar dependendo da causa e da gravidade da condição. Seguem abaixo alguns tratamentos comuns que podem ser recomendados por um oftalmologista: 

  • Tratamento médico: o uso de colírios antibióticos e anti-inflamatórios pode ajudar a aliviar os sintomas e prevenir infecções. 
  • Terapia de calor: a aplicação de compressas quentes pode ajudar a suavizar e endireitar os cílios. 
  • Cirurgia: em casos mais graves, a cirurgia pode ser necessária para corrigir a posição dos cílios. 

Quando o assunto é visão infantil, todo cuidado é pouco. Caso suspeite de cílios tortos (ou qualquer outro problema), não hesite em procurar um oftalmologista. Mesmo que seja preocupante, as chances de solução são sempre aumentadas com um diagnóstico e tratamento precoce. 

Leia o artigo
Capa do artigo
Já ouviu falar de nistagmo? Saiba como afeta a visão infantil

O nistagmo é ​um tremor incontrolável dos movimentos oculares, que pode acontecer de diferentes formas: horizontal (com movimentos de um lado para o outro), vertical (oscilações de cima para baixo) e rotatório (movimentos circulares). 

É algo raro, com incidência de 0,17% nos menores de 18 anos e de 0,27% nos adultos. Na população em geral é de 0,14%. 

Apesar de incomum, tal condição gera bastante desconforto por impedir o controle dos movimentos dos olhos. Isso pode diminuir a autoestima, afetar os relacionamentos sociais e causar sentimentos negativos, principalmente quando se trata da visão infantil 

Por isso, é fundamental falarmos sobre o assunto para que a doença se torne conhecida e o diagnóstico seja melhorado, bem como o suporte aos pacientes e seus familiares.   

Causas do nistagmo 

Há dois tipos de nistagmo: o congênito e o adquirido. O congênito é mais comum em bebês a partir das seis semanas de idade, podendo se manifestar até os seis meses. Já o adquirido surge a partir dos seis meses, em qualquer momento, inclusive nos adultos. 

As causas da doença estão relacionadas ao seu tipo, momento que surge e à gravidade. Nos casos congênitos, os fatores que se destacam são: catarata congênita, hipoplasia do nervo óptico, amaurose congênita de Leber, acromatopsia, albinismo oculocutâneo, aniridia, erro refrativo grave (grau elevado), coloboma coroidal, entre outros. Vale mencionar que em todos eles há deficiência visual nos dois olhos, desde o nascimento. 

Nos casos adquiridos as causas possíveis são diversas, podendo estar associado a condições graves, como: graus de miopia e astigmatismo elevados, anormalidades cerebrais, efeitos colaterais de medicamentos, câncer, distúrbios genéticos e metabólicos, etc. Devido à gravidade dos fatores, é necessário passar por avaliação complementar com exames de imagem e testes laboratoriais, conforme orientação médica.  

Sintomas do nistagmo

Além dos movimentos involuntários, o nistagmo tem como sintomas sensibilidade à luz, tontura, dificuldade para enxergar no escuro e de percepção de profundidade, problemas de equilíbrio e de coordenação motora, torcicolo ou inclinação da cabeça e do pescoço para enxergar, e a sensação de imagens tremidas. 

Pacientes com a doença têm maior probabilidade de apresentar erros refrativos com graus elevados, de desenvolver ambliopia (olho preguiçoso) e de ter a acuidade visual prejudicada. 

Cura e tratamento do nistagmo 

A cura dessa condição depende de seu tipo e causa. Em alguns casos não é possível eliminar a doença, mas é viável diminuir seu impacto. 

Considerando a visão infantil com alto grau de miopia ou astigmatismo, o nistagmo pode ser solucionado com o uso de óculos ou lentes de contato. Para outros casos, é preciso recorrer à cirurgia para minimizar a necessidade de inclinação da cabeça. 

Fique de olho na visão infantil 

Se notar qualquer um dos sinais mencionados em seu pequeno, consulte um oftalmologista o mais rápido possível. Esse profissional fará os exames necessários e, se preciso, solicitará a avaliação complementar de um neurologista.  

Leia o artigo
Capa do artigo
Miopia em criança pode causar depressão

Quando o assunto é saúde, muitas vezes somos surpreendidos pela relação de fatos que nunca imaginamos. Esse provavelmente é um deles para uma grande parte da população: miopia infantil e depressão.  

Você sabia que elas podem estar relacionadas? 

Crianças que têm problemas de visão, especialmente a miopia, são mais propensas a terem depressão e ansiedade em comparação com as que têm a visão normal. A conclusão é de uma revisão de 36 estudos que envolveu a análise de dados de mais de 700 mil crianças e foi publicada na revista científica Ophthalmology 

Saiba mais sobre a miopia 

A miopia é um erro refrativo em que os olhos não são capazes de enxergar claramente os objetos que estão longe. Isso acontece devido ao formato do globo ocular mais longo do que deveria ser, fazendo com que a imagem não seja formada corretamente na retina. No caso, os objetos são focados à frente da retina e a imagem transmitida ao cérebro não corresponde ao real, deixando a visão dos objetos distantes turva. 

Embora se desconheça as causas exatas, normalmente a miopia está associada ao fator genético. Ou seja, crianças cujos pais são míopes têm maior chance de desenvolver miopia infantil, podendo afetar homens e mulheres de igual forma. 

Também existem outros fatores e um dos principais deles é o tempo excessivo em frente a aparelhos eletrônicos (como TV, celulares e tablet). Fica aqui o ponto de atenção principalmente no que diz respeito às crianças. Para evitar que desenvolvam miopia, evitar o excesso de telas é uma importante medida. 

Como identificar a miopia em uma criança 

É comum que a miopia infantil seja notada no período escolar, pois a criança começa a enfrentar dificuldades para ver as informações apresentadas na lousa, em sala de aula. Uma criança míope pode, ainda, apresentar estrabismo, necessidade de ficar perto da TV, manter livros muito próximos durante a leitura, não enxergar objetos distantes, piscar excessivamente e esfregar os olhos com frequência. 

A confirmação se dá em consultório, com análise do oftalmologista e exame de vista infantil, como o de Refração, que avalia a capacidade de enxergar e define o grau dos óculos. No caso de bebês, pode ser identificada no teste do olhinho. 

Além da visão 

Como mencionamos no início do texto, os pequenos com problemas de visão, especialmente a miopia, são mais propensos à depressão em comparação com as que têm a visão normal. De acordo com os pesquisadores, a saúde mental das crianças míopes é afetada porque elas tendem a ficar mais isoladas socialmente, fazem menos atividades físicas e costumam ter um desempenho escolar mais baixo. 

Segundo explicou o oftalmologista Adriano Biondi, do Hospital Israelita Albert Einstein, para o portal Viver Bem Uol, “a criança, principalmente a míope, não sabe que não enxerga direito. Ela se acostuma a enxergar mal porque o universo dela é próximo: brinca, pega objetos que estão mais perto dela, o alimento está perto, ela assiste televisão mais perto. A criança nunca vai chegar para os pais e dizer que não está enxergando porque ela não sabe que está vendo mal. Ela vai simplesmente se adaptar àquela dificuldade“.   

Assim, a atenção ao possível desenvolvimento de miopia infantil (ou outras doenças relacionadas à visão) é fundamental não só para o tratamento específico da visão, mas também para evitar que isso afete a saúde emocional da criança. Por isso, consulte sempre um oftalmologista e garanta que o teste do olhinho e um exame de vista infantil sejam realizados. 

Criança diagnosticada com alta miopia. Saiba o que fazer

Leia o artigo