CataRhex e Faros: entenda diferenças e vantagens dessas tecnologias para cirurgia de catarata

O CataRhex e o Faros são plataformas comercializadas pela Advance Vision que podem ser utilizadas, por exemplo, em cirurgias de catarata. Compacto e com peso de apenas cinco quilos, o CataRhex é uma plataforma oftalmológica que tem como sua principal característica a portabilidade. Ela foi desenvolvida para funcionar de maneira simples e eficiente, sendo um recurso precioso para oftalmologistas em situações inusitadas ou sob pressão de tempo.  

Já o Faros é um dispositivo multifuncional que apresenta uma visão geral clara e consistente, oferecendo máxima conveniência para o oftalmologista operar. Mesmo desenvolvida a partir de tecnologias complexas, a plataforma é de fácil utilização. O tempo entre o ligamento e estar pronta para operar é de sete segundos, o que acelera a preparação para a cirurgia e resulta em um desempenho claramente aprimorado e uma eficiência que economiza tempo e custos. 

Características 

As duas são fáceis de usar e dispensam navegação complicada no menu. Entre as principais vantagens das plataformas estão: um painel de controle intuitivo, bomba SPEEP exclusiva para controlar manualmente a capacidade de retenção, monitoramento apurado do fluxo com bomba peristáltica, tecnologia easyPhaco para emulsificação segura e eficiente, capsulorhexis simples por meio da Capsulotomia HF, plataforma que fica pronta para operação em apenas cinco segundos, e pedal multifuncional que exprime robustez e precisão.  

Iguais, mas diferentes 

Os dois equipamentos funcionam exatamente da mesma forma em uma cirurgia de catarata, ou seja outra, para a parte anterior da retina. Ambas as plataformas  possuem a mesma fluídica, a mesma dinâmica e as mesmas funções para os procedimentos deste tipo de cirurgia. 

O CataRhex, entretanto, não realiza cirurgias de vitrectomia, ou seja, cirurgias na parte posterior da retina. Já o Faros, tem essa configuração, podendo ser usado em cirurgias nas partes anterior, como as de catarata, e posterior da retina. Além disso, o CataRhex é uma plataforma portátil, que pode ser transportada com facilidade para realizar cirurgias fora do consultório, ideal para mutirões de catarata, diferentemente do Faros, que não foi desenvolvido com foco em portabilidade. 

Utilidades das duas plataformas 

É muito importante ressaltar que o Faros e o CataRhex, apesar de terem funções similares para alguns procedimentos, como a cirurgia de catarata, não são substituíveis um pelo outro. Cada um possui características específicas que podem ajudar o oftalmologista em momentos distintos. 

O Faros é um equipamento completo, que pode ser utilizado em mais de um tipo de cirurgia, ideal para consultórios, onde são realizadas variedades de cirurgia diferentes. Já o CataRhex tem como sua principal característica a portabilidade, que permite ao profissional realizar cirurgias de catarata, com a mesma eficácia e segurança, mantendo a qualidade do trabalho executado no consultório. 

Posts Relacionados

Capa do artigo
Saiba quando é preciso tratar a pálpebra caída em crianças

Saiba quando é preciso tratar a pálpebra caída em crianças 

​Você já deve ter se deparado com alguém com a pálpebra caída, mas provavelmente não sabe exatamente do que se trata, não é mesmo? 

A​​ ptose, condição em que a pálpebra superior fica mais baixa do que o normal, pode afetar um ou ambos os olhos e deixar a aparência da pessoa com aspecto cansado ou de sonolência. Ela pode ser congênita (vinda desde o nascimento) ou surgir ao longo da vida, sendo chamada de Ptose adquirida. 

Como nosso foco aqui são os pequenos e a visão infantil, hoje falaremos sobre a ptose congênita. E já vale destacar que seus efeitos vão além das questões estéticas, que por si só já podem abalar bastante as crianças nascidas com tal condição. 

Causas da pálpebra caída em crianças 

É geralmente causada por uma fraqueza ou falta de desenvolvimento nos músculos que controlam a pálpebra superior. Em alguns casos, a ptose congênita pode ser hereditária, mas muitas vezes a causa é desconhecida. Além disso, pode ser associada a outras condições, como síndrome de Down ou distrofia muscular. 

Os sintomas existem 

Os sintomas da ptose congênita podem variar de leve a grave, bem como afetar um ou ambos os olhos. É importante que os pais ou responsáveis mantenham-se atentos a qualquer alteração nos olhos e visão das crianças para identificar essa e demais enfermidades. 

Alguns sinais comuns da ptose congênita incluem: queda da pálpebra superior, podendo cobrir parcial ou totalmente a pupila; dificuldade para manter a pálpebra aberta e/ou esforço para levantá-la, especialmente quando cansado; dor de cabeça devido ao esforço para manter a pálpebra aberta; e problemas de visão, incluindo ambliopia (olho preguiçoso). 

Saiba mais: Ambliopia é um problema de ligação entre olho e cérebro, onde o 

cérebro ignora a informação de um dos olhos e os músculos que os rodeiam 

não funcionam de forma correta, tornando o olho “fraco”. 

Tratamento para pálpebra caída em crianças 

O tratamento da ptose congênita dependerá do grau de queda da pálpebra e da gravidade dos sintomas apresentados na visão infantil. Em casos leves, pode não ser necessário nenhum tratamento. Entretanto, se afetar a funcionalidade dos olhos ou a aparência da criança, podem ser recomendados óculos, lentes de contato ou cirurgia.  

Para que o melhor caminho de tratamento seja definido, é necessário realizar um exame oftalmológico completo para identificar o nível de ptose e determinar as causas do problema. 

Caso a cirurgia seja indicada, ela geralmente envolve o encurtamento do músculo levantador da pálpebra superior ou a colocação de um enxerto para elevá-la. Mas, assim como as demais opções de tratamento, o tipo de cirurgia irá variar conforme o grau da ptose e as características da criança. 

Cuide da visão infantil 

Se você notar qualquer sintoma de ptose congênita em seu filho (ou qualquer outra criança de seu convívio ou que esteja sob sua responsabilidade), é importante procurar ajuda médica de um oftalmologista o mais rápido possível.  

Com um diagnóstico e tratamento adequados, é possível ajudar seu filho a superar a ptose congênita e levar uma vida normal e saudável. Não deixe de levar seus pequenos a consultas e exames oftalmológicos com regularidade! 

 

Leia o artigo
Capa do artigo
A vida após o implante de íris artificial

No Brasil, temos um cenário representativo relacionado aos implantes de lentes especiais, com destaque para os casos de Catarata. Isso se deve ao elevado número de pacientes com a doença e, ainda, à consequente popularidade do tema. Porém, é importante mencionar que há outros casos que demandam o implante de lentes especiais, incluindo prótese de íris artificial, anel expansor e uma série de outros insumos cirúrgicos que possibilitam melhorar a qualidade técnica para implantes e reconstrução ocular. 

Nesse contexto, destacamos o uso da íris artificial, que marca uma grande revolução na oftalmologia por viabilizar o tratamento de pacientes que antes eram tidos como casos sem solução. Benefício para oftalmologistas, que passam a contar com insumos antes não existentes para cirurgias, e para os pacientes, que com seu implante ganham tratamento, bem-estar e qualidade de vida. 

Vamos saber mais sobre isso. 

A importância do implante de íris artificial 

O uso da íris artificial foi muito esperado pelos oftalmologistas até ser homologado no Brasil. Seu implante é um recurso valioso, usado para reconstrução de casos com falta de tecido iriano, traumáticos ou congênitos (desde o nascimento), e que não podem ser recompostos somente com técnicas de cirurgia plástica.  

Os pacientes desses casos têm muita fotofobia e desconforto em seu dia a dia, com limitação para troca de ambientes de diferentes luminosidades e exposição ao sol. Assim, analisando pelo aspecto funcional, o implante aumenta muito o bem-estar dessas pessoas. E há, adicionalmente, a questão estética, pois pode haver diferença entre os olhos devido à doença e a íris artificial tem cores muitos próximas aos tons naturais, equilibrando esse aspecto.  

O olhar de um oftalmologista 

O Dr. Rodrigo Pazetto, oftalmologista da Gramado Clínica de Olhos, compartilhou a experiência positiva que teve em seu primeiro caso de implante de íris artificial, celebrando seu sucesso. “Foi realizado em um paciente que eu já acompanhava por ter sofrido um trauma, que chegou ao consultório com Afacia Traumática e Aniridia parcial, com 90% da visão comprometida. Por isso, inicialmente passou por procedimentos para recuperar sua visão e, posteriormente, foi submetido ao implante de íris artificial para completar a reconstrução de seu olho. Foi um sucesso funcional e esteticamente”. 

O paciente do Dr. Pazetto representa os inúmeros pacientes que sofrem algum tipo de acidente e, até então, não tinham alternativa para reparar as consequências estéticas. Ele feriu sua visão enquanto praticava atividade física com um elástico específico para isso e, antes da íris artificial, teria ficado com sequelas. “Tive uma experiência excelente com a solução desse caso e já tenho novos pacientes em preparo para a cirurgia de implante”, completa Dr. Rodrigo Pazetto 

Dentre os pacientes “sem tratamento” até então, estão os com Aniridia. A boa notícia é que a partir desta inovação a Aniridia tem cura, assim como tantas outras doenças que eram consideradas insolúveis. 

A íris artificial  

Como mencionado anteriormente, o implante de íris artificial é uma alternativa de tratamento para inúmeras doenças por oferecer recuperação médica e estética. Com ele, o paciente pode voltar a usar os olhos para atividades normais no dia seguinte após a cirurgia e, como resultado, há redução da sensibilidade à luz com diminuição de fenômenos fóticos, aumento da sensibilidade ao contraste e eliminação de defeitos de transiluminação. A melhora é significativa e impacta a qualidade de vida do paciente de forma muito positiva. 

Essa opção é viável a partir dos 21 anos de idade, mediante realização de cirurgia de catarata. Não há contraindicações e o pós-operatório consiste em repouso físico de 7 a 10 dias. A recuperação visual perfeita se dá em cerca de 30 dias.    

E atenção: o implante deve ser feito por profissional certificado, que também verificará se é a solução indicada. Caso ache uma opção interessante, consulte um oftalmologista e saiba mais sobre a Íris Artificial Humanoptics, prótese de íris.  

 

Leia o artigo
Capa do artigo
Entenda o porquê incentivar o Teste Digital do Olhinho em bebês

Atualmente, o Teste Digital do Olhinho, realizado por meio do retinógrafo, é a tecnologia mais moderna quando o assunto é diagnóstico e prevenção de doenças oculares em bebês. Isso porque, enquanto o Teste do Reflexo Vermelho (TRV) realiza uma triagem da câmara anterior do olho, a versão digital avalia também a câmara posterior. É possível avaliar 130 graus, toda a periferia do olho.

Se apenas esses dados não foram suficientes, vamos te apresentar mais 10 motivos para que você, médico oftalmologista, convença pais e responsáveis a realizar o Teste Digital do Olhinho nas crianças, idealmente nos primeiros dias de vida e antes de um ano de idade. 

  1. Detecta enfermidades oculares presente, em segmento posterior do olho;
  2. Oferece diagnóstico rápido e preciso;
  3. Reduz drasticamente as chances de cegueira em recém-nascidos;
  4. Permite o registro fotográfico da saúde ocular e não apenas manual;
  5. A criança deve ter a oportunidade de um tratamento ocular adequado;
  6. O TRV é insuficiente para diagnosticar com precisão doenças da retina;
  7. Em média, 83% do aprendizado na fase escolar se dá por meio da visão;
  8. Patologias na visão dos recém-nascidos é mais comum do que imaginamos;
  9. Detecta precocemente doenças oculares e diminui os riscos de complicações; e
  10. A qualidade da visão está diretamente relacionada à saúde intelectual da criança.

Outro alerta que o médico precisa fazer às mães

Há casos em que a mãe contrai uma doença infecciosa, como a toxoplasmose não é transmitida no parto. Sífilis e herpes, que é transmitida para a criança no momento do parto, pode causar alterações no fundo do olho dos bebês, afetando a visão no futuro. Esse é mais um importante motivo para que o Teste Digital do Olhinho seja feito em recém-nascidos.

Não há contraindicações para o Teste Digital do Olhinho

Muito necessário, o Teste Digital do Olhinho é um exame rápido e seguro ao paciente. Além disso, ele é realizado com comodidade para todos os envolvidos, tendo em vista que, durante o procedimento, a criança fica deitada. O exame segue o seguinte protocolo:

  1. Dilatar a pupila do bebê com o uso de um colírio recomendado pelo oftalmologista;
  2. Aplicar gel oftalmológico, para fazer a interface entre olho do bebê, e  lente;
  3. Fotografar a retina com câmera de alta resolução;
  4. Em um monitor, ajustar o brilho, contraste e equilíbrio de cores das imagens;
  5. Armazenar as imagens no aparelho, gravar em CD, imprimir ou enviar eletronicamente às pessoas interessadas.

Prevenção é o melhor caminho

Anualmente, cerca de 33 mil perdem a visão no País e quase um terço desses problemas poderiam ter sido prevenidos e tratados se diagnosticados precocemente, de acordo com dados do Conselho Brasileiro de Oftalmologia. Dessa forma, é fundamental investir tempo e esforço na conscientização dos pais e população sobre a importância da prevenção de doenças oculares com o teste do olhinho em bebês.

Cuidados na aquisição do retinógrafo

Prefira adquirir o retinógrafo de um representante oficial do fabricante especializado em equipamentos oftalmológicos, sempre com o cuidado de verificar se o aparelho é aprovado por institutos de regulamentação. Além disso, garanta que o vendedor esteja capacitado a lhe dar informações sobre a operação do produto.

Leia o artigo