Alta miopia cresce no Brasil. Saiba o que pode causar e como tratar

O nome “miopia” faz parte de nosso dia a dia, não é mesmo? Mas você sabe o que ela é tecnicamente?  

A miopia é um distúrbio visual caracterizado por um globo ocular mais longo, o que provoca a formação da imagem antes que a luz chegue até a retina. Com isso, gera a dificuldade de enxergar à distância, deixando embaçada a imagem dos objetos que estão longe. 

A doença pode atingir níveis mais graves, com casos que passam dos 6 graus de refração, o que é chamado de alta miopia. Nestes casos, os sintomas costumam se manifestar com mais intensidade. Isso gera dificuldades para a realização de algumas tarefas cotidianas, como tomar banho, cozinhar e praticar determinados esportes (futebol e natação, por exemplo). Em alguns casos, limita também o campo de trabalho da pessoa.  

Cenário preocupante: o aumento dos casos 

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a miopia é um dos problemas de saúde pública que mais cresce no mundo. A projeção é de que metade da população mundial seja míope em 2050. E o mais alarmante: a alta miopia em alguns países está aumentando mais que a moderada ou baixa dificuldade de enxergar. Este é o caso do Brasil, infelizmente. Segundo a organização, a estimativa é que entre 2020 e 2040 o número global de altos míopes aumente 74%, passando de 399 milhões para 695 milhões. Neste mesmo período o número de brasileiros com alta miopia deve aumentar 84.8%, passando de 6,6 milhões para 12,2 milhões. 

 Como lidar com a alta miopia 

A alta miopia pode se desenvolver em função de componente genético, mas o aumento dos casos também tem relação com o hábito da população, que passa cada vez mais tempo em frente as telas. Para quem ainda não desenvolveu a doença, a prevenção é uma grande aliada para minimizar seus riscos, evitando a exposição exagerada a dispositivos como computadores e celulares. 

Quem já convive com a alta miopia tem alterativa. Lentes de contato são a primeira solução que o esse paciente adota para a correção da alta miopia, mas existem riscos e desvantagens em seu uso, como a possibilidade de desenvolver síndrome do olho seco e até mesmo alguma infecção ou inflamação no olho por conta da má higiene e manutenção da lente. 

Para quem já está com o grau estabilizado, a cirurgia de correção com lente intraocular para alta miopia deve ser considerada. Felizmente, o mercado brasileiro oferece opções de alto nível, como a Evo Visian ICL, que garante eficácia por conta da excelente biocompatibilidade com os tecidos do olho humano e qualidade superior de visão  

Correção da alta miopia 

O procedimento com lente intraocular para alta miopia garante mais de 90% de satisfação entre os pacientes e entrega um resultado mais efetivo e superior ao conquistado com a cirurgia convencional a laser, que muitas vezes não é possível em pacientes de alto grau. 

A cirurgia para correção da alta miopia é de rápida realização, fácil recuperação e tem como principal diferencial corrigir o grau por completo, além de durar toda a vida e ser reversível, caso o paciente queira ou tenha a indicação.  

Consulte um profissional 

Busque um oftalmologista certificado para saber mais sobre o procedimento e realizar todos os exames necessários. A cirurgia para correção da alta miopia com lente intraocular pode ser feita em pessoas de 21 a 60 anos que possuem cristalino. Sua aplicação pode corrigir a visão de pacientes com grau de dioptria entre -6 e -18. 

Posts Relacionados

Capa do artigo
Estudo revela que miopia também pode ter relação com alta escolaridade

Quanto mais a ciência evolui, mais descobrimos e aprendemos sobre o corpo humano e as doenças que o acometem. A miopia, uma das doenças dos olhos mais comuns,  é caracterizada pela dificuldade de enxergar à distância, que é também o sintoma mais evidente. Além deste, o míope também pode sentir fortes dores de cabeça e a necessidade de apertar as pálpebras para ver claramente.  

Devido à incidência elevada, a miopia segue sendo estudada pela comunidade médica. Fruto disso são as evoluções de tratamento – como o uso de lente intraocular para correção da miopia - e as descobertas sobre sua origem, que tem grande fator genético. 

Além do fator genético, recentemente um estudo identificou outras cinco variantes que aumentam o risco de miopia em adultos quando relacionadas a altos níveis de escolaridade, que implicam em mais tempo dedicado aos estudos e pouco tempo de ar livre. 

Saiba mais sobre o estudo que analisa o que causa miopia 

Realizado pela Universidade de Cardiff e publicado na revista Plos Genetics, ele teve como base as informações de mais de 340 mil pessoas do Reino Unido. Seus resultados mostraram que essas cinco variantes genéticas aumentam gradativamente o perigo de miopia conforme o grau de escolaridade da pessoa, principalmente as que possuem nível superior. Interessante, não? 

Dos cinco genes verificados, três nunca haviam sido identificados, enquanto os outros já haviam sido mapeados em levantamentos epidemiológicos do leste da Ásia, onde aproximadamente 80% das crianças desenvolvem a miopia, contra 30% dos ocidentais, segundo os autores.  

Segundo o principal autor do estudo, algumas pesquisas realizadas encontraram 450 genes que podem ser relacionados com a miopia. Mas, para seu estudo, um grande banco de dados genético e de saúde do Reino Unido foi utilizado, contemplando dados que vão além das condições médicas, como a escolaridade dos participantes. Assim, foi possível buscar variantes que, ao serem relacionadas com maiores níveis de escolaridade, teriam a chance de aumentar a suscetibilidade das pessoas à doença visual. 

O autor destaca que a pesquisa não foi determinante, reforçando a necessidade de novos estudos para entender com mais detalhes a conexão entre tais características genéticas e os hábitos de vida. Porém, vale destacar que isso não minimiza a importância das descobertas, que são inéditas. 

Como mencionado, o estudo foi realizado no Reino Unido e as variantes podem ser diferentes em outros locais do mundo. Há muito a se descobrir e aprender sobre o que causa miopia. 

Felizmente, o que se sabe atualmente já ajuda significativamente a melhora da qualidade de vida das pessoas que têm a condição, exemplo disso é a cirurgia de correção da miopia, que pode até mesmo solucionar casos de graus elevados com o uso de lentes intraoculares.  

Leia o artigo
Capa do artigo
Exercícios para descansar a vista

As telas têm se tornado onipresentes nas nossas vidas. Seja por trabalho ou por lazer, grande parte das tarefas que realizamos no dia a dia são feitas em frente a um computador ou celular. Isso sem contar o tempo que já passávamos na frente da TV. Um estudo realizado nos Estados Unidos em 2017 descobriu que 78% dos adultos passam mais de 9 horas por dia na frente de telas.

Muitos mitos antigos sobre os males que as telas causam aos nossos olhos foram derrubados pela ciência, mas isso não significa que o hábito seja 100% seguro. Principalmente para pessoas que possuem alguma ametropia (miopia, hipermetropia ou astigmatismo), existem sim problemas de visão associados ao uso excessivo de telas.

A Síndrome do Olho Seco é uma das condições mais comumente associadas às telas. Quando estamos olhando para as telas, a média de piscadas por minuto dos nossos olhos é até 4 vezes menos que o normal. Visto que o piscar dos olhos é responsável pela lubrificação deles, a diminuição prolongada desta média causa a síndrome.

Existe também a CVS (COMPUTER VISION SYNDROME) – Síndrome Visual associada ao uso do Computador. Esta é uma condição reconhecida pela Organização Mundial da Saúde direcionada especificamente ao conjunto de sintomas decorrentes do uso de telas de computador. Acredita-se que qualquer pessoa que passe mais de duas horas por dia usando o computador está suscetível a apresentar a CVS.

Pessoas com miopia, hipermetropia e/ou astigmatismo também são especialmente sensíveis aos perigos das telas. Quando essas pessoas assistem televisão, ou olham a tela do computador ou celular sem óculos, ocorre um esforço muito grande do músculo ocular, o que causa fadiga visual antecipada e o agravamento dos sintomas da miopia e da hipermetropia.

Então as telas devem ser evitadas?

Não necessariamente. Embora a diminuição de horas na frente de telas traga alguns benefícios não só para saúde dos olhos, mas do corpo em geral, a realidade é que em uma sociedade cada vez mais digitalizada, fugir das telas pode ser uma tarefa surpreendentemente difícil. Ainda mais para aqueles que trabalham na frente de computadores.

A boa notícia é que existem exercícios e práticas que você pode fazer para ajudar a preservar a saúde dos seus olhos caso você passe muito tempo na frente de telas. Estes exercícios se demonstraram efetivos na mitigação dos problemas de visão decorrente do uso de telas. Neste infográfico iremos ensinar e explicar estes exercícios para ajudá-lo a cuidar melhor da saúde dos seus olhos.

1 – A regra dos 20

Este é, talvez, o exercício mais conhecido e mais importante para os usuários de telas. É muito simples: Para cada 20 minutos que você passar na frente de uma tela, faça uma pausa e passe 20 segundos olhando para algum objeto mais distante. A distância ideal para este objeto é de cerca de 6 metros.

2 – Pausas para descanso

Além da regra dos 20, também é recomendado fazer uma pausa de cerca de 15 minutos para cada 2 horas que você passar olhando para uma tela. Esta pausa ajuda a descansar os olhos e evita a fadiga visual.

3 – Lembre-se de piscar!

Como dito anteriormente, a diminuição da média de piscadas por minuto é um dos motivos pelo qual o uso de telas causa danos à visão. Faça uma nota mental de piscar conscientemente enquanto usa telas. Coloque um post-it no monitor do seu computador como lembrete se for preciso. Uma ótima alternativa é também piscar mais durante as pausas dos outros exercícios explicados aqui.

4 – Mantenha a tela a uma distância saudável

Médicos recomendam que uma tela deve estar a pelo menos 35 ou 40 cm de distância dos seus olhos, pois assim há uma tensão menor do músculo ocular.

5 – Abrir e fechar os olhos

Este é um exercício básico de fisioterapia ocular que ajuda a melhorar o foco da visão. Feche os olhos por 5 segundos, em seguida abra-os e mantenha-os abertos por outros 5 segundos. Repita o processo 8 vezes.

6 – Olhe para todas as direções

Sem mover a cabeça, olhe para todas as direções: laterais, verticais e para frente. Repita cada movimento 10 vezes.

7 – Alterne o foco da visão

Parecido com a regra dos 20 minutos, neste exercício você alternar o foco da sua visão entre um objeto que esteja próximo a você e outro que esteja mais distante. Fixe a visão em cada um dos objetos por alguns segundos, e vá alternando entre um e outro. Repita o processo 10 vezes

Para pessoas com alguma ametropia!

Lembre-se de usar sempre o seu óculos ou lentes de contato quando estiver olhando para telas, para evitar o esforço excessivo do seu olho. Caso não tenha uma prescrição, procure um oftalmologista o mais rápido possível.

Considere também a possibilidade de um implante de lentes intraoculares EVO Visian ICL para a correção de miopia, principalmente caso você seja alto míope.

 

É possível evitar a progressão do Ceratocone?

Leia o artigo
Capa do artigo
Seu filho possui cílios tortos? Entenda porquê tratar esse problema o quanto antes

A presença de cílios tortos em crianças é algo inicialmente simples, mas que precisa de atenção por poder afetar a visão infantil. A condição, chamada de Triquíase, é causada pelo crescimento dos fios na direção errada, curvando-se para dentro, em direção aos olhos. Parece inofensivo, mas pode não ser. 

O ponto de alerta deve-se ao fato de que os cílios tortos podem irritar a córnea e a conjuntiva, causando vermelhidão, coceira e até mesmo dor nos olhos. Se não tratada, essa característica pode levar a problemas mais sérios, como úlceras corneanas, infecções e cicatrizes. 

O que pode causar esse problema ocular em crianças? 

As causas são variadas, podendo ser um fator congênito (herdados geneticamente e presentes desde o nascimento), fruto de um trauma (algumas lesões oculares podem fazer com que os cílios cresçam na direção errada) e até mesmo infecções oculares (como conjuntivite). 

Como identificar? 

Os sintomas dos cílios tortos que podem causar problema ocular em crianças incluem coceira e vermelhidão nos olhos, lacrimejamento, dor ocular, sensação de corpo estranho e sensibilidade à luz.  

Vale mencionar que nem sempre a criança consegue definir ou sinalizar o incômodo que está sentindo, por isso é preciso atenção constante à região e ao comportamento de seus pequenos. 

Caso identifique que há cílios tortos, é importante levar a criança a um oftalmologista pediátrico o mais rápido possível. Além disso, aqui estão algumas recomendações para ajudar a prevenir ou minimizar os sintomas: 

  • Limpeza adequada dos olhos: limpe cuidadosamente os olhinhos com água limpa e sabão suave. 
  • Mantenha as unhas curtas: devido ao incômodo, é possível que a criança coce os olhos, o que se agrava caso as unhas não estejam curtas por causar mais irritação.  
  • Mantenha as mãos limpas: o contato com os olhos é inevitável, por isso certifique-se de lavar as mãos regularmente para evitar a propagação de germes e infecções. 

O tratamento para cílios tortos na visão infantil 

A boa notícia é que há tratamento para esse problema ocular em crianças. Os tratamentos podem variar dependendo da causa e da gravidade da condição. Seguem abaixo alguns tratamentos comuns que podem ser recomendados por um oftalmologista: 

  • Tratamento médico: o uso de colírios antibióticos e anti-inflamatórios pode ajudar a aliviar os sintomas e prevenir infecções. 
  • Terapia de calor: a aplicação de compressas quentes pode ajudar a suavizar e endireitar os cílios. 
  • Cirurgia: em casos mais graves, a cirurgia pode ser necessária para corrigir a posição dos cílios. 

Quando o assunto é visão infantil, todo cuidado é pouco. Caso suspeite de cílios tortos (ou qualquer outro problema), não hesite em procurar um oftalmologista. Mesmo que seja preocupante, as chances de solução são sempre aumentadas com um diagnóstico e tratamento precoce. 

Leia o artigo